Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Estas cidades são tão caras que são consideradas “impossíveis” de se viver; veja lista

    Cidades da Costa Oeste nos EUA e no Havaí ocuparam cinco dos 10 municípios mais inacessíveis, de acordo com o relatório anual Demographic International Housing Affordability

    Imagem Pixabay

    Hilary Whitemanda CNN

    Qualquer pessoa que esteja de olho no mercado imobiliário nas últimas duas décadas saberá que em muitos países, especialmente nos Estados Unidos, tornou-se muito mais difícil comprar uma casa.

    Mas um novo relatório resume o sentimento de muitos potenciais compradores de casas ao criar uma categoria que rotula algumas grandes cidades como “impossivelmente inacessíveis”.

    O relatório comparou a renda média com os preços médios das casas.

    A conclusão foi que a procura de casas com espaço exterior, impulsionada pela pandemia, as políticas de utilização do solo destinadas a limitar a expansão urbana e a acumulação de investidores nos mercados fizeram com que os preços disparassem.

    As cidades dos EUA na Costa Oeste e no Havaí ocuparam cinco dos 10 locais mais inacessíveis, de acordo com o relatório anual Demographic International Housing Affordability, que acompanha os preços das casas há 20 anos.

    Talvez sem surpresa, as cidades mais caras dos EUA para comprar casa estão na Califórnia, onde San José, Los Angeles, São Francisco e San Diego estão entre as 10 primeiras.

    A capital havaiana de Honolulu também é mencionada em sexto lugar entre 94 principais mercados pesquisados ​​em oito países.

    A Austrália é o único outro país, além dos EUA, a dominar a lista “impossivelmente inacessível”, liderada por Sydney e pelas cidades do sul de Melbourne, em Victoria, e Adelaide, no sul do país.

    Mas no topo da tabela de classificação global está Hong Kong, o centro financeiro asiático conhecido pelos seus pequenos apartamentos e rendas altíssimas.

    Notavelmente, é o único local chinês abrangido pelo relatório.

    Participante regular nas tabelas “mais caras”, Hong Kong tem a taxa de aquisição de habitação mais baixa de todas as cidades pesquisadas, apenas 51%, em comparação com a sua rival asiática, Singapura, onde a aquisição de habitação atinge os 89% devido ao compromisso de décadas do governo para habitação pública.

    Hong Kong pode ser a cidade menos acessível do mundo, mas os potenciais compradores de casas podem ser encorajados por saber que não é tão inacessível como antes.

    Os preços das casas caíram durante a pandemia em 2020, quando o governo fechou as fronteiras da cidade e impôs uma política de Covid zero — isso além das novas leis de segurança nacional que tiveram um efeito inibidor na cidade.

    Por que tão altos?

    O relatório mede a acessibilidade utilizando uma média do preço/rendimento da habitação dividido pelo rendimento familiar médio bruto.

    O levantamento liga o aumento do trabalho a partir de casa durante a pandemia a um “choque de procura” de casas fora dos centros das cidades, que têm mais espaço exterior.

    Mas também atribui a subida dos preços das casas às políticas de utilização dos solos, incluindo a “contenção urbana”, um tipo de planejamento concebido para impedir a expansão urbana.

    “A classe média está sitiada principalmente devido à escalada dos custos da terra. À medida que a terra foi racionada num esforço para conter a expansão urbana, o excesso de procura sobre a oferta fez subir os preços”, afirma o relatório.

    Os preços subiram ainda mais à medida que os investidores entraram no mercado para obter lucro.

    Uma solução, escreveu o autor do relatório, é olhar para a Nova Zelândia.

    Em um artigo de opinião para o Financial Post do Canadá, Wendell Cox, membro sênior do Frontier Centre for Public Policy, defendeu que o Canadá, em particular, seguisse o exemplo da Nova Zelândia e libertasse mais terras para desenvolvimento imediato.

    Tanto Vancouver quanto Toronto estão na lista das cidades “impossivelmente inacessíveis”.

    Cox aponta para uma política, “Going for Housing Growth” (“Indo para o Crescimento Habitacional”, em português), introduzida pelo governo de coligação da Nova Zelândia, que exige que as autoridades locais se dirijam imediatamente para 30 anos de crescimento habitacional.

    “Toronto e Vancouver mostram que o custo de controlar a expansão é inaceitavelmente elevado: preços inflacionados das casas, rendas mais altas e, para um número crescente de pessoas, pobreza”, escreveu Cox.

    Para aqueles que não podem esperar por uma mudança na política ou pela queda da procura, o relatório também identifica as cidades mais acessíveis das 94 pesquisadas em todo o mundo.

    São Pittsburgh, Rochester e St Louis nos EUA; Edmonton e Calgary no Canadá; Blackpool, Lancashire e Glasgow no Reino Unido; e Perth e Brisbane na Austrália.

    O relatório foi compilado por pesquisadores do Centro de Demografia e Política da Universidade Chapman, na Califórnia, e do Frontier Center for Public Policy, um grupo de reflexão independente sobre políticas públicas no Canadá.

    As 10 principais cidades “impossivelmente inacessíveis”

    1. Hong Kong
    2. Sydney
    3. Vancouver
    4. San Jose
    5. Los Angeles
    6. Honolulu
    7. Melbourne
    8. San Francisco/Adelaide
    9. San Diego
    10. Toronto

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original