Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Haddad: Fazenda deve ser “obrigada” a rever PIB deste ano ainda neste semestre

    Ministro ressalta evolução de indicadores econômicos, em especial os dados de emprego, mas que área técnica da Fazenda deve validar percepção

    Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
    Ministro da Fazenda, Fernando Haddad 28/12/2023REUTERS/Adriano Machado

    Cristiane Nobertoda CNN Brasília

    O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, voltou a dizer que a equipe econômica deverá rever o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2024.

    Segundo ele, a evolução dos indicadores econômicos, em especial os dados de emprego, mostram que em breve a Fazenda será “obrigada” a revisar os números ainda neste semestre.

    Atualmente, a projeção oficial do governo é de um crescimento de 2,2% na economia para este ano. A previsão é divulgada a cada dois meses e permaneceu estável desde o último boletim macrofiscal, lançado no fim do ano passado.

    De acordo com Haddad, os indicadores econômicos vem reagindo. Em entrevista à Rádio Itatiaia, na manhã desta quarta-feira (27), o ministro citou os dados de emprego de fevereiro, que serão divulgados nesta quarta pelo Ministério do Trabalho e Emprego e devem superar os números do ano passado.

    “Eu penso que à luz do começo do ano e da geração de empregos, o Ministério da Fazenda vai ser obrigado a rever sim o crescimento deste ano, como está previsto na lei orçamentária. Eu acredito que muito provavelmente a área técnica vai rever esses indicadores, sobretudo se a taxa de juros continuar caindo como previsto”, disse Haddad.

    O ministro continuou dizendo que a revisão deve acontecer ainda neste semestre, conforme calendário da Secretaria de Política Econômica (SPE).

    “É uma rotina (a revisão de dados) do Ministério da Fazenda e pode acontecer no primeiro semestre. Mas das notícias que eu tenho dos setores agro, automobilístico, etc, eu quero crer que essa revisão possa ser feita pra cima, mas é uma percepção minha e precisa ser validada pela área técnica”, frisou.