Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Trabalhadores chineses podem ir ao escritório mesmo infectados com Covid; entenda

    Trabalhadores assintomáticos e levemente doentes podem ir trabalhar normalmente após tomar as medidas de proteção necessárias, disseram autoridades

    Nas condições atuais, uma reabertura nacional pode resultar em quase um milhão de mortes,
    Nas condições atuais, uma reabertura nacional pode resultar em quase um milhão de mortes, 15/10/2021. REUTERS/Aly Song

    Jessie YeungCheng Chengda CNN

    em Hong Kong

    Apenas algumas semanas atrás, pegar Covid na China significava ser levado para a quarentena do governo por tempo indeterminado e todo o seu prédio residencial ser trancado, prendendo os vizinhos em suas casas por dias ou semanas.

    Agora, à medida que o país relaxa rapidamente as restrições, milhões de pessoas foram instruídas a continuar trabalhando – mesmo que estejam infectadas.

    As cidades de Wuhu, Chongqing e Guiyang, e a província de Zhejiang, que abrigam coletivamente mais de 100 milhões de pessoas, emitiram recentemente diretrizes para funcionários do setor público, indicando uma mudança da prevenção de infecções para permitir a retomada da vida e do trabalho.

    Trabalhadores assintomáticos e levemente doentes podem “ir trabalhar normalmente após tomar as medidas de proteção necessárias para seu estado de saúde e requisitos de trabalho”, disseram as autoridades de Chongqing e Wuhu em declarações semelhantes publicadas em seus sites do governo municipal.

    Os líderes provinciais e de saúde de Zhejiang deram instruções semelhantes em uma entrevista coletiva no domingo, com um funcionário sugerindo que as principais equipes considerem um cronograma de rotação “para garantir o trabalho ininterrupto e manter a ordem quando os surtos forem graves”. Guiyang fez o mesmo na terça-feira (20), segundo a mídia estatal.

    A pressão para voltar ao trabalho ocorre quando a China relaxa as regras sobre testes, quarentena e outras políticas pandêmicas, em um passo dramático para longe de sua cara política de zero Covid.

    Por três anos, sua abordagem rigorosa manteve os casos e mortes de Covid relativamente baixos no país. Mas também causou estragos na economia e na saúde mental das pessoas.

    Um ciclo incessante de surtos e bloqueios coincidiu com o recorde de desemprego juvenil, interrupções nas cadeias de suprimentos e uma cratera no setor imobiliário, responsável por cerca de 30% do PIB da China.

    Enquanto isso, cenas de caos emergiram de bloqueios em massa em cidades como Xangai, com moradores supostamente sem acesso a alimentos, suprimentos básicos e até atendimento médico de emergência — semeando profundo ressentimento em relação às autoridades e, em novembro, uma rara onda de protestos públicos.

    A decisão do governo central no início deste mês de se afastar do Covid-zero sem dúvida trará alívio para a economia em dificuldades e moradores frustrados.

    Mas o retorno abrupto foi aparentemente realizado com pouco aviso prévio ou preparação, causando uma sensação de chicotada e confusão entre muitos.

    “Alguns meses atrás, se você saísse assim, seria condenado”, comentou uma pessoa no Weibo, a versão chinesa do Twitter, sob o anúncio de volta ao trabalho.

    Bonnie Wang, funcionária de fintech no centro industrial de Ningbo, em Zhejiang, disse à CNN que um colega com sintomas de Covid continuou trabalhando no escritório esta semana com febre.

    “Espero que, quando nos depararmos com situações como essa, nossa saúde ainda esteja em primeiro lugar e o trabalho em segundo lugar”, disse ela.

    Mudança de prioridades

    Durante a pandemia, os governos locais basicamente tinham um “cartão de saída da prisão” em seu desempenho econômico, disse Ryan Manuel, fundador da Bilby, uma empresa com sede em Hong Kong que usa inteligência artificial para analisar a política chinesa.

    “Sua adesão à política central da Covid é o que importava”, disse ele. “Números de crescimento econômico, todas essas coisas diferentes pelas quais você mede, eles são reduzidos a – ‘Não temos um surto de Covid, está tudo bem’.”

    Mas, acrescentou, a abordagem do governo central mudou para: “Não vamos dar essa margem de manobra… vamos julgá-lo novamente pelo crescimento”.

    Essa mudança de prioridade é claramente refletida nas mensagens do governo, com especialistas chineses e a mídia estatal minimizando a gravidade da Omicron e, em vez disso, enfatizando a importância da recuperação econômica.

    Os principais líderes da Conferência Central de Trabalho Econômico, uma importante reunião anual que terminou na sexta-feira, disseram em comunicado que a estabilização do crescimento econômico é a principal prioridade para 2023.

    Eles também sinalizaram que os formuladores de políticas relaxariam seu controle sobre o setor privado do país — um afastamento de a repressão regulatória que nos últimos anos lançou as maiores empresas privadas da China no caos.

    E embora a economia esteja lutando há vários anos, Manuel disse que os líderes da China agora podem se sentir mais seguros em ajustar sua política após o Congresso do Partido Comunista, que foi observado de perto em outubro.

    As autoridades de todo o país trabalharam freneticamente para conter os casos de Covid antes da altamente sensível remodelação da liderança duas vezes por década, que viu o líder chinês Xi Jinping emergir mais poderoso do que nunca em seu terceiro mandato.

    “Você não vai se arriscar antes do Congresso do Partido”, disse Manuel. “Mas uma vez que o Congresso do Partido termina, você não tem essa restrição.”

    À medida que os casos aumentam, o medo também

    Mas esse impulso para o crescimento econômico tem um custo, que já está claro à medida que os casos disparam em todo o país, com escassez generalizada de medicamentos e relatos de crematórios lutando para acompanhar.

    Nas condições atuais, uma reabertura nacional pode resultar em quase um milhão de mortes, de acordo com um cálculo da CNN baseado em um estudo divulgado na semana passada por professores da Universidade de Hong Kong.

    O artigo, que ainda não passou por uma revisão por pares, acrescentou que o aumento de infecções “provavelmente sobrecarregaria muitos sistemas de saúde locais em todo o país”.

    É difícil avaliar a extensão da propagação do vírus, dada a rápida mudança do teste obrigatório para o autoteste em casa. Para complicar as coisas, muitas restrições e regras sobre o retorno ao trabalho divergem no nível local.

    Wang, o trabalhador em Ningbo, disse à CNN que um ex-colega não recebeu nenhum apoio de seus superiores após adoecer recentemente.

    “Sabe qual foi a primeira coisa que a empresa mandou para ele? Era seu laptop de trabalho. É ultrajante”, disse ela, acrescentando que, embora entendesse a necessidade de os negócios continuarem, “talvez porque eu seja uma trabalhadora, eu tenha mais empatia pelos trabalhadores”.

    À medida que os temores se espalham pela crescente onda de casos, os sistemas de metrô e as ruas se esvaziaram nas últimas semanas, o que é incomum nesta época do ano, já que a China não comemora o Natal e a maioria dos negócios ainda está aberta.

    A capital Pequim, agora enfrentando seu pior surto desde o início da pandemia, recebeu apenas 2,21 milhões de passageiros do metrô na segunda-feira (19), disse o metrô em um post online — mais de 58% abaixo da média diária de passageiros durante a semana do início de outubro ao início de dezembro. Quedas semelhantes foram relatadas em outras grandes cidades, incluindo Xangai e Guangzhou.

    Essa sensação de ansiedade se refletiu online, com muitas pessoas reagindo com alarme às novas diretrizes.

    “Sinto que o governo local que introduziu esta política é extremamente irresponsável”, dizia um post no Weibo, onde uma hashtag relacionada foi vista mais de 240 milhões de vezes na terça-feira. “Pacientes assintomáticos e levemente doentes ainda podem ser contagiosos… e muitas pessoas têm parentes idosos e crianças em casa”.

    Alguns assumiram um tom mais cínico, criticando a decisão por priorizar a economia em detrimento do bem-estar dos trabalhadores e exigindo que seus superiores tivessem a mesma expectativa.

    “Em outras palavras, se você ficar doente, precisará pedir licença e deduzir seu salário ou continuar trabalhando”, escreveu um usuário do Weibo.

    Outro comentou: “Parece como colocar dinheiro sobre a vida.”

    *Com reportagem de Philip Wang e Teele Rebane da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original