Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Voos de teste para certificação do Boeing 737 MAX começam na segunda-feira

    Modelo foi suspenso em 2019 depois que acidentes mataram 346 pessoas na Etiópia e na Indonésia

    Foto: REUTERS/Lindsey Wasson

    Eric M. Johnson e David Shepardson, da Reuters

    Pilotos e tripulantes da Administração Federal de Aviação dos EUA e da Boeing estão programados para iniciar uma campanha de teste de certificação com duração de três dias para o 737 MAX começando na segunda-feira, disseram à reportagem pessoas familiarizadas com o assunto.

    O teste é um momento crucial na pior crise corporativa da Boeing, já agravada pela pandemia de Covid-19, que reduziu as viagens aéreas e a demanda.

    Leia também:

    Boeing desiste de acordo para comprar negócio de jatos regionais da Embraer

    Boeing não recebe nenhuma encomenda em abril e clientes ainda cancelam pedidos

    A decisão de manter no chão as aeronaves 737 MAX em março de 2019, depois que acidentes mataram 346 pessoas na Etiópia e na Indonésia, provocou ações judiciais, investigações do Congresso e do Departamento de Justiça e cortou uma fonte importante de renda da Boeing.

    Depois de um briefing pré-vôo por várias horas, a tripulação embarcará em um 737 MAX 7 com equipamento de teste no Boeing Field, perto de Seattle, disse uma das pessoas.

    A equipe executará metodicamente alguns cenários roteirizados no ar, como curvas acentuadas e também manobras mais extremas em uma rota principalmente sobre o Estado de Washington.

    O plano ao longo de pelo menos três dias pode incluir aterrissagens no aeroporto da região leste de Washington, em Moses Lake, e uma rota ao longo da costa do Oceano Pacífico, ajustando o plano de vôo e o tempo necessário para o clima e outros fatores, disse uma das fontes.

    Os pilotos também acionarão intencionalmente o agora reprogramado sistema de características de manobra, conhecido como MCAS, que falhou nos dois acidentes aéreos.

    A Boeing e a  Administração Federal de Aviação dos EUA se recusaram a comentar.