Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Não reabrir à noite inviabiliza a atividade, avaliam donos de restaurantes de SP

    Estabelecimentos buscam recuperar prejuízos da pandemia

    Bares e restaurantes já estão se preparando para reabrir a partir desta segunda-feira (6) na cidade de São Paulo. Em entrevista à CNN, Jandir Dalberto, sócio do restaurante Di Paolo, e Cristiano Melles, sócio do Pobre Juan e presidente da Associação Nacional de Restaurantes (ANR), avaliaram como positiva – seguindo todos os protocolos propostos pela prefeitura – a retomada gradual do setor. No entanto, os empresários criticaram a proibição de funcionamento dos bares e restaurantes durante o período noturno. 

    “Você, hoje, não dar a opção aos restaurantes de trabalhar no jantar, você inviabiliza ainda mais a atividade. Lembrando que muitos funcionários, que estão na MP dos salários, vão retornar para funcionar apenas no almoço”, afirmou Melles

    “De acordo com protocolo que assinamos com a prefeitura, a abertura será até às 22h, com proibição de comercialização de bebidas alcóolicas nas calçadas e no balcão. Nós somos contrários às aglomerações e, neste momento, contrários à venda de bebida no balcão e servir bebida na rua. Mas nós tivemos a supresa de que o Estado de São Paulo está proibindo restaurantes de atender à noite”, acrescentou.

    Assista e leia também:

    Entenda como será o retorno de bares, salões e atividades culturais em SP

    ‘Não era momento de abrir bares e restaurantes’, alerta microbiologista

    Jandir concordou com a avaliação do empresário e acrescentou: “Ansiedade de você estar em casa e o seu negócio fechado. Foi uma situação difícil ter que recorrer à bancos. Esperamos que agora consigamos trabalhar. Entretanto, funcionar apenas um período, para restaurante, é uma situação muito complicada. O ideal seria você trabalhar três horas no almoço e três, no jantar”, disse.

    Quanto aos preparativos para a reabertura, os ambos avaliaram como um avanço importante. Para eles, os quatro meses com os estabelecimentos fechados, serviram para que as adaptações necessárias fossem feitas nas unidades.

    “Nós estamos há quatro meses fechados, por isso, utilizamos das boas práticas realizadas na Europa e nos EUA. A partir delas, fizemos o nosso manual e todos os restaurantes estão praticamente certos e prontos. Aqui no Brasil, nós já seguimos diversas regras da Vigilância Sanitária como luvas e máscaras, portanto, nos restaurantes não foi difícil se adaptar ao novo normal”, avaliou Melles.

    “Quando nós soubemos das exigências já iniciamos os preparativos para a retomada. Elas estão coerentes e dentro do esperado. Temos que dar segurança aos nossos clientes. As decisões [para a retomada] foram boas para nós”, concluiu Jandir.