Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Musk pode frustrar esforços do Twitter contra imagem de rede “tóxica”, dizem analistas

    Defesa da "liberdade de expressão" pode reverter políticas que tornaram a plataforma mais segura para grupos minoritários

    Musk adquiriu o Twitter por cerca de US$ 44 bilhões na última segunda-feira (25)
    Musk adquiriu o Twitter por cerca de US$ 44 bilhões na última segunda-feira (25) SOPA Images/LightRocket via Gett

    Sara Ashley O'BrienClare Duffydo CNN Business em Nova York

    Quatro anos atrás, o cofundador do Twitter e então CEO Jack Dorsey estabeleceu quatro áreas de foco principais que impulsionariam o crescimento da empresa. Entre eles, promover “conversa saudável” na plataforma.

    Após anos de críticas pelas aparentes falhas do Twitter em impedir que sua plataforma se tornasse tóxica, Dorsey reconheceu o flagelo de “abuso, assédio, exércitos de trolls”, bem como bots e campanhas de desinformação na rede social, e pediu aos pesquisadores para ajudar a melhorar a situação.

    “Achamos que é um vetor de crescimento a longo prazo, e é a coisa certa a fazer para as pessoas no Twitter, e também para o mundo”, disse Dorsey sobre o foco na “saúde” da plataforma na ocasião de divulgação do balanço de resultados da empresa no quarto trimestre de 2018.

    Nos anos seguintes, o Twitter fez um progresso significativo em direção a esse objetivo, incluindo o banimento de muitas contas que promovem abusos e spam, adicionando rótulos para informações falsas ou enganosas, banindo a “malgenerização” a pessoas transgênero e lançando uma equipe dedicada a estudar e aumentar a transparência em torno da tecnologia que determina qual conteúdo é promovido no site.

    Na semana passada, o Twitter disse que adotaria ferramentas de terceiros para os usuários ajudarem a evitar assédio.

    Mas alguns que acompanham o trabalho que o Twitter tem feito nos últimos anos temem que isso possa ser desfiado agora que o bilionário Elon Musk conseguiu adquirir o Twitter por cerca de US$ 44 bilhões.

    Musk, um controverso usuário do Twitter com um histórico de comportamento errático dentro e fora da plataforma, pediu mais liberdade de expressão na rede social e políticas que favoreçam deixar de lado a maioria dos tweets e contas.

    “Em caso de dúvida, deixe a expressão existir”, disse Musk em uma entrevista no palco da conferência TED no início deste mês.

    “Se é uma área cinzenta, eu diria, deixe o tuíte existir. Mas, obviamente, no caso em que talvez haja muita controvérsia, você não necessariamente deseja promover esse tuíte.”

    Sob sua propriedade, o Twitter poderia desfazer as medidas tomadas nos últimos anos para tornar a plataforma mais palatável para seus usuários mais vulneráveis, geralmente mulheres, comunidade LGBTQ e pessoas de cor, de acordo com especialistas em segurança.

    Além de potencialmente alienar funcionários que trabalharam ou apoiaram esforços para melhorar a moderação de conteúdo na plataforma, desfazer o progresso do Twitter em “conversas saudáveis” também corre o risco de perder usuários em um momento em que a empresa luta para reverter o crescimento lento.

    Isso também pode desanimar os anunciantes de que seus anúncios sejam exibidos ao lado de conteúdo nocivo. Embora Musk tenha dito que sua oferta pelo Twitter “não é uma maneira de ganhar dinheiro”, ainda é um negócio e a publicidade continua sendo seu principal gerador de receita.

    Embora menor do que algumas plataformas rivais, o Twitter também tem uma influência descomunal no mundo online (e offline) porque é popular entre figuras influentes da mídia, política e entretenimento, e porque muitas vezes atuou como modelo para outras plataformas sobre como abordar questões espinhosas de conteúdo nocivo.

    Assim, mudanças nas políticas do Twitter podem ter efeitos mais amplos na política e na sociedade.

    O Twitter certamente não foi perfeito em questões de moderação de conteúdo, mas como Kirsten Martin, professora de ética em tecnologia da Mendoza College of Business de Notre Dame, disse: “O Twitter tem se esforçado consistentemente para ser uma empresa de mídia social responsável não apenas por meio da moderação de conteúdo, mas também de suas contratações na área de ética de aprendizado de máquina.”

    “Eu ficaria preocupada em como isso mudaria os valores do Twitter”, acrescentou Martin.

    Twitter e Musk não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

    Um bilionário com histórico de trollagem

    Musk tem uma reputação mista na indústria de tecnologia.

    Ele é, sem dúvida, um dos inovadores e empreendedores mais ambiciosos e bem-sucedidos da nossa época, mas também é alguém que gerou polêmica, muitas vezes em seu próprio perfil no Twitter, onde tem 83 milhões de seguidores.

    Ao longo dos anos, Musk usou o Twitter para fazer alegações enganosas sobre a pandemia de Covid-19, para fazer uma acusação infundada de que um homem que ajudou a resgatar crianças de uma caverna na Tailândia é um predador sexual, para zombar de pessoas que exibem seus pronomes de gênero na plataforma e fazer inúmeras piadas envolvendo os números 420 e 69.

    Ele também tuitou uma foto (já excluída) comparando o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau a Adolf Hitler, e comparou o novo CEO do Twitter, Parag Agrawal, a Joseph Stalin.

    Musk e outros apontaram que a maioria do conselho do Twitter tem pouca experiência no uso da plataforma. O mesmo não pode ser dito de Musk, um ávido usuário do Twitter com seguidores fanáticos que entende bem a dinâmica da plataforma.

    Ainda assim, a experiência de Musk de usar o Twitter como um homem branco ultra-rico é inerentemente diferente da da maioria dos usuários, e especialmente daqueles que são mulheres ou de outras comunidades marginalizadas que o Twitter tentou proteger e que agora podem estar em risco se políticas de moderação forem revertidas.

    “Sempre que alguém diz liberdade de expressão, sempre significa liberdade de expressão para os poderosos. Não significa liberdade de expressão para os menos poderosos”, disse Leslie Miley, ex-gerente de engenharia do Twitter que iniciou sua equipe de segurança de produtos e deixou a empresa em 2015.

    “Musk diz que quer fazer disso uma plataforma de liberdade de expressão. O que ele quer é uma plataforma para dizer o que ele quer – e quer que outras pessoas como ele digam o que querem – sem qualquer responsabilidade.”

    De sua parte, Musk disse no Twitter na última segunda-feira (25): “Espero que até meus piores críticos permaneçam no Twitter, porque é isso que significa liberdade de expressão”.

    Usuários proeminentes, como a desenvolvedora de jogos Brianna Wu, há anos falam sobre como as multidões online do Twitter podem evoluir do discurso de ódio online para danos no mundo real.

    Ela agora teme que o progresso que ela e outros usuários fizeram no Twitter seja revertido.

    “Houve tantas batalhas duras sobre essas políticas de segurança nos bastidores”, disse Wu, que agora atua como diretora executiva de um PAC para progressistas, à CNN Business internacional.

    “Estou extremamente preocupada que Musk vá reverter todo o trabalho duro que foi feito para combater o discurso de ódio na plataforma”.

    O plano de Musk para o Twitter

    Na conferência TED no início deste mês, Musk apresentou sua visão ampla para o Twitter, incluindo tornar público seu algoritmo para aumentar a transparência em torno de suas decisões sobre aplicação e promoção de conteúdo – um movimento que os especialistas dizem estar longe de ser uma bala de prata.

    Além disso, Musk disse que o Twitter seria mais “relutante em excluir coisas” e “muito cauteloso com proibições permanentes”.

    “Meu forte senso intuitivo é que ter uma plataforma pública que seja extremamente confiável e amplamente inclusiva é extremamente importante para o futuro da civilização”, disse Musk.

    Muitos seguidores da empresa especularam que, se sua oferta de aquisição for bem-sucedida, Musk poderá restaurar a conta no Twitter do ex-presidente Donald Trump, que foi banido no início do ano passado após a insurreição no Capitólio dos EUA.

    Tal movimento pode ter enormes implicações para as próximas eleições presidenciais de 2024, já que o Twitter foi uma ferramenta fundamental para Trump reunir sua base, promover aliados políticos e ridicularizar críticos e espalhar alegações falsas e enganosas.

    “Se Musk comprar o Twitter, ele certamente devolverá Trump à plataforma, abrindo a porta para uma corrida viável em 2024″, disse Joan Donovan, diretora de pesquisa do Centro Shorenstein de Mídia, Política e Políticas Públicas de Harvard, no Twitter na segunda-feira antes do acordo ser anunciado.

    Trump, por sua vez, disse à Fox News na segunda-feira que não planeja voltar ao Twitter se convidado, e começará a usar seu próprio aplicativo Truth Social (Trump postou no site apenas uma vez, em fevereiro).

    “Espero que Elon compre o Twitter porque ele fará melhorias e ele é um bom homem, mas vou ficar no Truth”, disse Trump à Fox.

    Donovan também observou que, sob a liderança de Musk, o Twitter poderia “se tornar ainda mais um terreno de guerras culturais”.

    “Com um mandato para ‘liberdade de expressão’, o tipo de assédio que a moderação de conteúdo adultera será exagerado visando grupos LGBTQ, mulheres, não-brancos e qualquer outra pessoa que lute pelos direitos civis.”

    Musk disse em comunicado na segunda-feira que também quer “tornar o Twitter melhor do que nunca, aprimorando o produto com novos recursos, tornando os algoritmos de código aberto para aumentar a confiança, derrotando os bots de spam e autenticando todos os humanos”.

    Uma plataforma com mais trabalho a fazer

    Cada uma das principais plataformas de mídia social enfrentou pressão de legisladores, pesquisadores e do público para fazer mais para reprimir abuso, assédio e desinformação, e adotaram abordagens diferentes com graus variados de sucesso.

    Em muitos casos, o Twitter tem sido visto como líder do setor em termos de como lida com conteúdo problemático e em ser transparente sobre sua abordagem e o sucesso de seus esforços.

    Mais notavelmente, o Twitter foi a primeira das principais plataformas a banir Trump por violar sua política de incitação à violência, pressionando outras plataformas a seguir o exemplo.

    “Não está ótimo hoje, mas está melhor”, disse Wu. “Acho que as pessoas não entendem o quanto temos a perder.”

    O CEO da Liga Anti-Difamação, Jonathan Greenblatt, disse estar esperançoso de que o Twitter continue sendo um lugar onde as pessoas possam falar livremente enquanto também se sentem seguras.

    “Quando digo seguro e protegido, quero dizer por fanatismo e pelo tipo de trollagem terrível que o torna muito tóxico para muitos de nós”, acrescentou.

    Outros, no entanto, são menos otimistas. Imran Ahmed, CEO do Center for Countering Digital Hate, disse que Musk tem uma “visão bastante pouco sofisticada” dos fatores que uma plataforma deve considerar quando “fornecer acesso de pessoas ruins a pessoas normais”.

    O conteúdo nocivo pode ter consequências no mundo real – o Genocídio de Mianmar e a invasão ao Capitólio são dois dos exemplos mais notórios, mas uma enxurrada de assédio e ameaças veladas de danos offline também podem afetar severamente os usuários individualmente – e as mídias sociais as plataformas enfrentam um difícil ato de equilíbrio ao considerar como permitir que os usuários falem o mais livremente possível e, ao mesmo tempo, protegê-los de tais danos.

    Embora Musk tenha dito que deseja permitir “todo discurso legal no Twitter”, as linhas para o que é legal podem ser embaçadas e variar de país para país – e também podem mudar em breve, à medida que os reguladores se concentram nos danos das plataformas de mídia social pode ter nos usuários, especialmente nos jovens, e nos processos cívicos.

    “O Twitter começou a falar sobre a moralidade do que fazem, de uma forma que deixa implícito que entendem”, disse Ahmed. Mas, com Musk, “parece que temos que reeducar outro tipo de bilionário, libertário, mimado, explicando que o Twitter é o mundo real”.

    “Eu espero que ele possa ver a diferença entre ser um idiota e ser perigoso.”

    Alguns especialistas também questionam se uma plataforma menos moderada seria um negócio sustentável.

    Várias novas plataformas lançadas nos últimos anos prometeram adotar uma abordagem menos restritiva à moderação de conteúdo, muitas vezes na esperança de atrair usuários de direita frustrados com os gigantes da Big Tech, mas falharam em obter uma adoção significativa.

    O exemplo mais recente: o Truth Social de Trump.

    Os anunciantes online também hesitam em exibir seus anúncios ao lado de conteúdo perigoso ou controverso.

    “O público em geral não quer ver mais teorias da conspiração, mais assédio e mais discurso de ódio”, disse Karen Kornbluh, membro sênior e diretora da Iniciativa de Inovação e Democracia Digital do German Marshall Fund.

    “Há essa desconexão entre o que ele está dizendo que quer fazer para afrouxar as restrições de conteúdo, que soa como uma iniciativa de guerra cultural, versus dizer que ele quer aumentar seus lucros. Parece que não faz sentido.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original