Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    R$ 2 mil por um abacaxi: por que americanos estão comprando frutas nesse preço?

    Segundo especialista, os consumidores estão dispostos a pagar por algo que é especial

    Você pagaria mais de R$ 2 mil por esse abacaxi?
    Você pagaria mais de R$ 2 mil por esse abacaxi? Divulgação - Fresh Del Monte

    Danielle Wiener-Bronner

    Imagina que você tem US$ 400 (o equivalente a R$ 2.046 na cotação atual) para gastar em uma experiência gastronômica de luxo. Você pode se deliciar com uma lata de caviar premium, uma ou duas garrafas de um vinho de qualidade ou um menu degustação em um restaurante sofisticado.

    Ou você pode gastar tudo em um único abacaxi.

    O abacaxi Rubyglow – criado por seu exterior vermelho distinto e sua doçura – custa US$ 395,99 na Melissa’s Produce, uma vendedora de frutas e vegetais especiais com sede na Califórnia.

    A Del Monte, um atacadista que vende uma variedade de produtos, mas é especializada em abacaxi, levou uma década e meia para desenvolver a fruta de cor vermelha.

    Uma colheita limitada foi disponibilizada pela primeira vez na China no início deste ano. Recentemente, a Del Monte decidiu ver como o item se sairia nos Estados Unidos e a Melissa começou a vendê-lo por um preço astronômico.

    Pode não parecer o melhor momento para comercializar uma fruta (muito, muito) cara nos Estados Unidos. Não faz muito tempo que o aumento dos preços dos alimentos virou manchete, estressando os consumidores e apertando seus orçamentos.

    Ainda nervosos com a inflação e preocupados com o desemprego, muitos americanos agora gastam menos.

    Abacaxi Rubyglow / Divulgação: Fresh Del Monte

    Mesmo assim, existe o interesse em frutas premium – o suficiente para convencer a Del Monte a trazer o Rubyglow, que é cultivado na Costa Rica, para os Estados Unidos.

    “Os consumidores estão dispostos a pagar por algo que é especial”, disse Cindy van Rijswick, estrategista de produtos frescos da equipe de pesquisa global do Rabobank. Quando se trata de produtos especiais, “há sempre um pequeno mercado para restaurantes sofisticados, ou gourmets, ou certos canais online”, afirmou.

    Nos últimos anos, os americanos tornaram-se particularmente interessados ​​em novas variedades de fruta, pagando um prémio pelas maçãs Honeycrisp, uvas Cotton Candy, Sumo Citrus e morangos japoneses cultivados verticalmente.

    Agora, eles estão famintos por diferentes tipos de frutas e estão prontos para comprar novas opções interessantes.

    Mas um abacaxi de US$ 400? Isso é um pouco rico.

    A ascensão das frutas premium

    Quando o Honeycrisp foi lançado, há mais de 30 anos, não havia muitas opções de maçã no supermercado.

    Red Delicious, Golden Delicious e, em algumas áreas, maçãs McIntosh eram comida padrão, lembrou Jim Luby, professor do departamento de ciências hortícolas da Universidade de Minnesota. Mas isso foi tudo. “Se você não fosse a um pomar local, não teria tantas opções.”

    As pessoas estavam famintas por mais, e o Honeycrisp se encaixava no projeto – doce, crocante e inovador.

    “Tornou-se popular em Minnesota entre nossos produtores”, disse Luby, que fez parte da equipe que desenvolveu a variedade. “Não havia tanta produção. Então o preço era alto. E ainda assim continuou vendendo.

    Comercializar novos produtos é um assunto caro. Os pesquisadores precisam criar e cruzar, esperar o ciclo de crescimento e recomeçar se a fruta decepcionar.

    Encontrar algo que seja delicioso e resistente o suficiente para ter sucesso comercial leva tempo e exige muito trabalho duro.

    Depois, os fitocientistas terão de convencer os produtores a investir numa fruta ainda não comprovada, dedicando recursos que poderiam ser utilizados em antigas favoritas.

    Mas o Honeycrisp ajudou a mostrar que o risco pode ser justificado.

    Desde o sucesso da maçã, a variedade nos produtos do setor aumentou. Ao longo da última década, a disponibilidade per capita – um bom indicador de consumo – de frutas mais caras, como bagas, manga e abacate, aumentou, de acordo com o Rabobank, que se baseou em dados do USDA.

    Nesse período, a disponibilidade de frutas mais baratas, como maçãs e bananas, permaneceu estável.

    Algumas frutas especiais até desenvolveram seguidores cult: aquelas uvas Algodão Doce, batizadas por sua doçura, entraram em cena em 2011 e rapidamente se tornaram populares.

    Sumo Citrus, um híbrido de laranja-de-umbigo, pomelos e tangerinas, cresceu devagar, mas explodiu nos últimos anos.

    Nestes casos, os consumidores estão dispostos a gastar um pouco mais. Mas esses itens são baratos em comparação com os morangos especiais da Oishii, cultivados em ambientes fechados, em uma fazenda vertical climatizada.

    Quando suas frutas foram disponibilizadas ao público pela primeira vez em 2018, a Oishii cobrou US$ 50 por um pacote de oito.

    Oishii está vendendo mais do que apenas frutas vermelhas: está vendendo um item de luxo.

    As frutas são embaladas em caixas planas que destacam cada fruta individualmente, mais como uma embalagem para trufas de chocolate artesanais do que como recipientes de plástico para esconder mofo que você vê em um supermercado. Cada fruta deve ser perfeita.

    “Mesmo custando US$ 50, tínhamos milhares de pessoas na lista de espera constantemente”, disse o CEO da Oishii, Hiroki Koga.

    Agitado ou não, US$ 50 por morangos não é um preço sustentável. Hoje, após rodadas de investimentos e tecnologia aprimorada, os produtos da Oishii estão mais disponíveis e são muito mais baratos.

    Você pode comprar frutas Oishii em supermercados tradicionais por cerca de US$ 10 a US$ 14 por pacote.

    Del Monte faz a sua jogada

    Os pesquisadores da Del Monte vêm criando diferentes tipos de abacaxi há anos, projetando frutas exclusivas e muitas vezes otimizando o sabor.

    O abacaxi Pinglow possui um interior rosa./ Divulgação: Fresh Del Monte

    Em 2020 a empresa lançou sua própria fruta linda e presenteável – o abacaxi Pinkglow, que tem polpa rosada e vem em caixa especial.

    O Pinkglow nunca deveria ser um item básico na lista de compras, disse Melissa Mackay, vice-presidente de marketing na América do Norte da Del Monte.

    “É um presente de anfitriã, é um presente de Dia das Mães”, disse ela. Também é perfeito para Instagram e TikTok, nos quais influenciadores gastronômicos com grande número de seguidores abrem a fruta, ficam maravilhados com sua cor e compartilham suas críticas (o veredito: muito doce).

    No início, o Pinkglow foi vendido por cerca de US$ 50. Hoje, você pode conseguir um por muito menos, on-line, entre cerca de US$ 8 e US$ 29 – preços relativamente baratos, mas ainda altos para um abacaxi.

    Se você puder pagar, gastar em um abacaxi rosa é “permitido, porque você está investindo em algo que é bom para você”, disse Melanie Zanoza Bartelme, diretora associada da Mintel Food & Drink.

    “É como se as pessoas fossem a Erewhon e gastassem quase US$ 20 em um smoothie criado por uma celebridade”, afirmou a diretora, referindo-se ao supermercado sofisticado de Los Angeles conhecido por colaborar com celebridades em smoothies caros (como o Strawberry Glaze Skin Smoothie de Hailey Bieber, no valor de US$ 19 por uma xícara de mais de 500ml).

    Ainda assim, observou ela, há um “espaço em branco entre um abacaxi de US$ 16 e um abacaxi de US$ 400”.

    Vale a pena?

    A Melissa’s Produce, que vende de tudo desde trufas a mangostões e kumquats, descreve o Rubyglow em seu site como uma “joia rara” e “o auge da fruta luxuosa”, acrescentando que “para as pessoas gourmets, é um presente inesquecível”.

    A ideia teve sucesso limitado. A Melissa começou com 50 abacaxis, segundo Robert Schueller, diretor de relações públicas da Melissa’s Produce.

    Até agora, vendeu cerca de metade desse número ao longo de um mês, inclusive para restaurantes em Las Vegas e no sul da Califórnia, que, segundo ele, usam a fruta em vitrines.

    “Há um mercado para isso”, disse Schueller. É apenas um mercado muito pequeno e de nicho. “Isso não é algo para todos.”

    Para tentar criar mais alarde, a Melissa’s procurou vários influenciadores gastronômicos, incluindo Bo Corley, um chef que compartilha receitas e outras curiosidades sobre comida em seus canais sociais.

    O abacaxi “estava absolutamente delicioso”, disse Corley. “Há quase um gosto amargo quando você come muito abacaxi”, explicou ele. “Você não tem isso com o Rubyglow.”

    Mas, ele disse, não valia US$ 400.

    Corley pode ver as pessoas gastando para colocar as mãos no Rubyglow, se não pelo sabor do abacaxi em si, mas pelo menos pelo fator surpreendente do exterior brilhante.

    “Acho que as tábuas de charcutaria neste Natal, Dia de Ação de Graças – você verá este Rubyglow como uma peça central, especialmente em uma casa rica”, afirmou.

    Ou seja, as pessoas podem não gastar para provar o abacaxi, mas apenas para mostrar que o têm.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original