Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PIB da China supera expectativas no 3º trimestre, mas riscos permanecem

    Crescimento anual chinês foi de 3.9%, acima do ritmo de 3,4% previsto pela Reuters

    da Reuters

    A economia da China se recuperou a um ritmo mais rápido do que o esperado no terceiro trimestre, mas as rigorosas restrições contra a Covid-19, uma crise imobiliária cada vez mais profunda e os riscos de recessão global estão desafiando os esforços de Pequim para promover um vigoroso renascimento ao longo do próximo ano.

    O Produto Interno Bruto (PIB) da segunda maior economia do mundo cresceu 3,9% no trimestre de julho a setembro em relação ao mesmo período do ano anterior, mostraram dados oficiais nesta segunda-feira (24), acima do ritmo de 3,4% previsto em uma pesquisa da Reuters com analistas, e acelerando em relação ao ritmo de 0,4% no segundo trimestre.

    A publicação dos dados estava marcada para 18 de outubro, mas foi adiada para depois do Congresso do Partido Comunista, que ocorreu na semana passada e levou Xi Jinping a assegurar um terceiro termo de liderança sem precedentes.

    Apesar da recuperação, a economia está enfrentando desafios em múltiplas frentes no país e no exterior. A estratégia de Covid-zero e os problemas e a luta da China em seu setor imobiliário exacerbam a pressão externa da crise da Ucrânia e a desaceleração global devido ao aumento das taxas de juros para conter a inflação.

    Pesquisa da Reuters projetou que o crescimento da China desacelerará para 3,2% em 2022, muito abaixo da meta oficial de cerca de 5,5%, marcando um dos piores desempenhos em quase meio século.

    Na comparação trimestral, o PIB cresceu 3,9% no terceiro trimestre, contra expansão de 3,5% prevista e um declínio de 2,6% no trimestre anterior.

    Desde o final de maio, autoridades implementaram mais de 50 medidas de apoio econômico, procurando reforçar a economia para aliviar as pressões de emprego, mesmo minimizando a importância de atingir a meta de crescimento, que foi estabelecida em março.

    Dados separados mostraram que a produção industrial aumentou 6,3% em setembro em relação ao mesmo mês do ano anterior, superando as expectativas de um ganho de 4,5% e contra 4,2% em agosto.

    Mas as vendas no varejo permaneceram fracas, subindo 2,5%, pior que as expectativas de 3,3% e a expansão de 5,4% em agosto.