Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que ações das fabricantes de guloseimas estão valorizando nos EUA

    Enquanto o mercado geral caiu 10%, Hershey's, Coca-Cola e Pepsi tiveram altas significativas

    Inflação afetou as vendas no varejo, mas as pessoas estão revidando – e degustando também
    Inflação afetou as vendas no varejo, mas as pessoas estão revidando – e degustando também Foto: Shutterstock

    Nicole Goodkinddo CNN Business

    As pessoas estão estressadas e exaustas. Os últimos dois anos e meio, cheios de crises de saúde pública, recessão e inflação, foram tão agitados que as notícias de uma possível invasão alienígena mal chegaram a aparecer. As noites são em claro e os dias inquietos, e precisamos de um impulso extra para nos manter em movimento.

    Isso pode ajudar a explicar por que os investidores estão empolgados com doces, refrigerantes e batatas fritas. As ações da Hershey’s subiram 19% este ano. A Coca-Cola subiu quase 10%. A Pepsi subiu 4%.

    Enquanto o mercado geral caiu 10%. A inflação afetou as vendas no varejo, mas as pessoas estão revidando – e degustando também.

    Essa é uma boa notícia não apenas para os gigantes da indústria de bens de consumo, mas também para os players menos conhecidos. Considere a Celsius Holdings, cujas bebidas energéticas estão por toda parte dos EUA hoje em dia.

    “A realidade é que todos nós precisamos de mais energia”, disse John Fieldly, CEO da Celsius. “Estamos trabalhando mais e trabalhando por mais tempo, e nunca estamos desconectados.” As vendas de Celsius aumentaram 137% desde o ano passado, e a empresa divulgou lucro de 12 centavos por ação no último trimestre, acima de apenas um centavo no ano passado.

    No início deste mês, a Celsius anunciou que a PepsiCo faria um investimento de US$ 550 milhões na fabricante de bebidas energéticas e se tornaria sua parceira de distribuição preferencial.

    “A sensação geral do setor é que as pessoas saíram de um período estressante de incerteza e encontram conforto em certas bebidas e lanches. Mesmo que a inflação leve a preços mais altos, eles se recusam a abrir mão desses pequenos luxos”, disse Duane Stanford, editor e editor do Beverage Digest, um boletim de negócios que cobre a indústria de bebidas não alcoólicas.

    O apetite por bebidas energéticas está crescendo. “É lucrativo, e grandes empresas de refrigerantes querem estar nele. Uma das maneiras de fazer isso é por meio dessas parcerias”, disse Stanford.

    A Celsius se vende como o melhor pequeno luxo, a solução tanto para o esgotamento quanto para a ansiedade. A Celsius afirma dar a seus consumidores “energia saudável” sem nervosismo ou retração e inclui ingredientes como extrato de chá verde e raiz de gengibre.

    O café se tornou a escolha de muitos consumidores mais jovens, que não se identificam com a imagem de esportes radicais do mercado de bebidas energéticas, disse Stanford. É por isso que marcas como a Celsius estão tentando atrair um público mais amplo e consumidores da Geração Z que foram desmotivados pelo marketing de bravura masculina.

    O portfólio da Pepsi também inclui Rockstar e Mountain Dew Rise. Mas a Coca-Cola, que faz parceria com a Monster Energy, está atualmente melhor posicionada no setor de bebidas energéticas do que a Pepsi, diz Nik Modi, analista de bebidas da RBC Capital Markets.

    Atualmente, Celsius é a quinta bebida energética mais popular do mercado, atrás de Monster, Red Bull, Bang Energy Drink e Rockstar, mas Stanford diz que a Pepsi está apostando que ela expandirá rapidamente e conquistará participação de mercado.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original