Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que WhatsApp quer convencer americanos a parar de enviarem mensagens de texto

    Dados compartilhados indicam que o aplicativo tinha menos de 63 milhões de usuários nos EUA no ano passado, ou cerca de 19% da população do país

    Usuários reclam de lentidão na versão Web
    Usuários reclam de lentidão na versão Web Anton/ Pexels

    Rishi Iyengardo CNN Business

    Desde o início deste ano, uma série de anúncios apareceu em telas de televisão e outdoors em todos os Estados Unidos, com avisos sinistros para os entusiastas do SMS.

    “Acho que deixei o carro destrancado, você pode verificar?” lê uma mensagem de texto exibida em um dos outdoors. A consequência, descrita ao lado do balão de texto: “Se seus textos pessoais não são criptografados de ponta a ponta, não são privados”.

    Em um comercial de TV, um carteiro entrega cartas e pacotes já abertos a destinatários indignados, antes de dizer a eles que “todo texto que você envia é tão aberto quanto suas cartas”.

    Esses avisos são cortesia do WhatsApp, o serviço de mensagens móveis adquirido pelo Facebook em 2014. Embora o WhatsApp tenha se tornado uma força formidável desde então, usado por mais de um quarto da população mundial, o alcance da plataforma em seu mercado americano permanece comparativamente pequeno.

    Dados compartilhados com a CNN Business pela empresa de pesquisa eMarketer indicam que o WhatsApp tinha menos de 63 milhões de usuários nos Estados Unidos no ano passado, ou cerca de 19% da população do país.

    Isso está muito atrás de seu público em países como Índia, Brasil e Indonésia, onde está entre os meios de comunicação mais populares. Só a Índia tem quase 500 milhões de usuários do WhatsApp de acordo com a eMarketer, que é mais de um terço de sua população e mais da metade de sua base de usuários de internet.

    Esta é a primeira vez que o WhatsApp, que se recusou a compartilhar estatísticas sobre quantos usuários tem atualmente nos Estados Unidos, realiza uma campanha publicitária no país.

    “Com o tempo, vimos mais pessoas nos EUA recorrerem ao WhatsApp”, disse Eshan Ponnadurai, chefe de marketing da plataforma que liderou a campanha publicitária, em comunicado enviado por e-mail à CNN Business, embora reconheça a diferença com o resto dos o mundo. “Estamos apenas nos apresentando nos EUA de certa forma.”

    As apostas podem ser altas para o Facebook, agora conhecido como Meta, para aumentar o alcance do WhatsApp. Mesmo fazendo um pivô em grande escala para a realidade virtual, as plataformas de mídia social da Meta ainda formam o núcleo de seus negócios.

    E esse negócio está diminuindo — o crescimento de usuários do Facebook diminuiu à medida que satura o mundo e enfrenta uma concorrência crescente de outras plataformas, como o TikTok, principalmente para usuários mais jovens.

    O negócio de publicidade da Meta também foi atingido pelas mudanças de privacidade da Apple em torno do rastreamento da atividade do usuário.

    Enquanto aplicativos como Facebook e Instagram já são amplamente utilizados nos Estados Unidos e não têm muito espaço para crescer, o potencial do WhatsApp é muito maior.

    O aplicativo de mensagens custou ao Facebook US$ 19 bilhões há quase uma década, mas gera pouca receita. Meta agora está tentando mudar isso.

    Impulsionar o WhatsApp nos Estados Unidos pode ter efeitos positivos em suas outras plataformas e criar novas oportunidades de monetização em um mercado lucrativo.

    Mas para chegar lá, o WhatsApp deve travar uma batalha árdua para mudar a forma como os americanos enviam mensagens de texto e, talvez, como eles veem a empresa controladora do WhatsApp.

    A nova campanha publicitária do WhatsApp alerta contra o uso de mensagens de texto não criptografadas/ Reprodução/ CNN

    A luta para mudar a forma como os americanos enviam mensagens

    Com mais de 2 bilhões de usuários em todo o mundo, o WhatsApp se tornou o serviço de mensagens dominante em muitas partes do mundo, incluindo grande parte da Ásia, Europa e América Latina.

    Esse não é o caso nos Estados Unidos, onde mais da metade do país usa iPhones e seu aplicativo padrão iMessage.

    Para usuários que não são do iPhone, as mensagens de texto tradicionais, também conhecidas como SMS (ou MMS para compartilhamento de fotos), ainda são a opção.

    Mais de 2,2 trilhões de mensagens de texto foram enviadas nos Estados Unidos em 2020, segundo a CTIA, um grupo comercial do setor de telecomunicações dos EUA.

    “O único denominador comum é o SMS, uma tecnologia de 30 anos”, disse Inderpal Singh Mumick, CEO da empresa de comunicações Dotgo, com sede em Nova Jersey, que ajuda as empresas a se comunicarem com os clientes por meio de vários aplicativos de mensagens.

    O Google, cujo sistema operacional Android é o maior rival de smartphones da Apple, está substituindo o SMS por um sistema conhecido como Rich Communication Services (RCS) para seu aplicativo de mensagens padrão.

    O Google descreve o RCS como um “padrão do setor moderno e mais seguro” que oferece aos usuários uma maneira mais segura e interativa de enviar mensagens uns aos outros.

    Mas o lançamento tem sido lento e o SMS continua popular. Mumick estima que existam cerca de 40 milhões de usuários de RCS nos Estados Unidos, de 500 milhões globalmente.

    O WhatsApp, que funciona da mesma forma independentemente do dispositivo em que está sendo usado, aparentemente estabeleceu uma estratégia para convencer os americanos a fazer a troca — apelando ao desejo de privacidade de dados.

    O manual de privacidade

    O WhatsApp há muito elogia o uso de criptografia de ponta a ponta, o que significa que apenas o remetente e o destinatário de uma mensagem podem ver seu conteúdo.

    Enquanto vários outros concorrentes, incluindo iMessage e Signal, também oferecem criptografia de ponta a ponta, o WhatsApp é de longe o maior em termos de base de usuários.

    Ponnadurai disse que o WhatsApp viu a crescente conversa sobre privacidade de dados como “uma oportunidade de educar os americanos que estão perdendo conversas seguras porque ainda usam SMS”.

    Há mérito no argumento de que o SMS não é seguro, de acordo com alguns especialistas em privacidade.

    “SMS é definitivamente inseguro”, disse Riana Pfefferkorn, pesquisadora do Stanford Internet Observatory que se concentra em questões de criptografia e privacidade.

    A arquitetura de telecomunicações que permite a transmissão de mensagens de texto, conhecida como protocolo SS7, tem vulnerabilidades que “deixam as chamadas e mensagens de texto dos americanos desprotegidas contra bisbilhoteiros maliciosos”, acrescentou.

    O impulso de privacidade do WhatsApp ocorre quando legisladores nos EUA e em todo o mundo também estão flutuando na legislação que diluiria a criptografia, citando o uso potencial da tecnologia por agentes maliciosos. Mas os críticos da legislação dizem que isso teria implicações perigosas para a privacidade online.

    “Do ponto de vista da política de criptografia, agora é um momento importante para montar uma campanha de relações públicas divulgando os benefícios de um aplicativo de bate-papo criptografado”, disse Pfefferkorn.

    “Os americanos reconhecem que precisam e merecem privacidade e segurança para suas comunicações, mas podem não saber que a criptografia de ponta a ponta é uma ótima maneira de atender a essas necessidades ou perceber que o WhatsApp é [criptografado] por padrão”.

    Mas o maior desafio que o WhatsApp enfrenta para convencer os americanos a mudar pode vir de sua própria empresa-mãe.

    Problemas de confiança

    Nos últimos anos, o Facebook enfrentou escândalo após escândalo quando se trata de proteger a privacidade e a segurança de seus usuários.

    Uma série de vazamentos de um denunciante do Facebook no final do ano passado pode ter apenas manchado ainda mais a confiança na empresa. Mesmo a criptografia garantida pode ser difícil de vender.

    “Os muitos problemas de privacidade da empresa criaram uma atmosfera geral de desconfiança”, disse Pfefferkorn. “As pessoas simplesmente não acreditam que o Facebook realmente respeita sua privacidade, e muitas pessoas nem acreditam que o Facebook [e] o WhatsApp realmente não podem ler suas mensagens do WhatsApp”.

    O WhatsApp enfrentou sua própria reação à privacidade. A empresa foi forçada a adiar uma atualização de sua política de privacidade no ano passado, depois que a confusão sobre a quantidade de dados de usuários que compartilha com o Facebook provocou um êxodo em massa para plataformas de mensagens rivais como a Signal.

    Se seu esforço nos EUA for bem-sucedido, as oportunidades para o WhatsApp são significativas.

    A empresa lançou comunicações comerciais e pagamentos digitais em alguns de seus maiores mercados, tentando monetizar o que tradicionalmente era um serviço gratuito.

    E os Estados Unidos são considerados um dos mercados mais lucrativos do mundo em termos de receita por usuário de serviços online.

    Mas hábitos arraigados de mensagens de texto e os erros de sua própria empresa-mãe provavelmente farão disso uma batalha difícil.

    “O Facebook estragou totalmente a confiança do público e, portanto, se a estratégia de relações públicas nos EUA não funcionar, o Facebook terá a culpa”, disse Pfefferkorn.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original