Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Salário do brasileiro deve crescer 3,9% na média até o fim de 2023, aponta estudo

    A média salarial do brasileiro no segundo trimestre foi de R$ 2.836, alta de 6,2% comparando com o mesmo período do ano passado

    Diego Mendesda CNN

    São Paulo

    Um estudo da Tendências Consultoria Integrada aponta que os salários dos brasileiros devem apresentar um ligeiro avanço de 3,9% na média geral ao fim deste ano.

    A projeção considera uma perspectiva de comportamento mais benigno da inflação e a base reduzida de comparação entre a remuneração dos trabalhadores.

    A média salarial do brasileiro no segundo trimestre de 2023 foi de R$ 2.836, alta de 6,2% comparando com o mesmo período do ano passado (R$ 2.670).

    Hoje, o Distrito Federal é a unidade federativa com a melhor remuneração. Entre abril e junho deste ano, a média salarial da região estava em R$ 4.648, avanço de 4,7% em relação ao mesmo período de 2022, (R$ 4.437).

    Já na outra ponta, a Bahia é o estado com o salário médio mais baixo do país. No segundo trimestre de 2023, o rendimento médio do trabalhador baiano era de R$ 1.776.

    No mesmo trimestre do ano passado era de R$ 1.724. Ou seja, teve uma alta de 3% comparando estes dois períodos.

    O estado que apresentou a maior alta na média salarial foi Goiás. No segundo trimestre do ano passado, o valor estava em R$ 2.526, enquanto em 2023 ficou em 2.908 — crescimento de 15,1%.

    Em todo o país, o Acre foi o único estado onde a remuneração média caiu. Foi de R$ 2.416 no segundo trimestre de 2022 para R$ 2.393 no mesmo período deste ano, uma queda de 0,9%.

    Metodologia

    Os indicadores que compõe esse levantamento referem-se apenas ao salário, desconsiderando, por exemplo, transferências do Bolsa Família, Benefício de Prestação Continuada (BPC) e benefícios do Regime Geral de Previdência Social.

    Também não integram o cálculo outras fontes de renda, como seguro-desemprego, pensão alimentícia, entre outros.

    Segundo Lucas Assis, economista e analista da Tendências, os salários apresentaram estabilidade nos últimos meses por fatores positivos e negativos.

    No primeiro caso, a influência veio do aumento com ganho real do salário mínimo neste ano. Já o fator negativo reflete a pressão da inflação nos primeiros meses de 2023.

    “No curto prazo, o rendimento real habitual deve se beneficiar da melhora da inflação e do reajuste real do salário mínimo, favorecendo a ampliação do poder de barganha dos trabalhadores”, explica.

    Veja também: Ibovespa fecha em alta com orçamento e EUA no radar; dólar recua