Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sergio Vale: BC está no caminho correto de fazer o ajuste que precisa ser feito

    Para o Especialista CNN, o Banco Central (BC) está correto em aumentar a taxa Selic para conter a inflação, que deve continuar pressionada neste ano

    Pedro Zanattado CNN Brasil Business

    Em São Paulo

    O Especialista CNN em economia Sergio Vale comentou, nesta terça-feira (8), a respeito do aumento da taxa básica de juros e sobre a carta publicada pelo fundo Verde Asset Management com críticas à gestão econômica.

    Para Vale, a carta divulgada pelo fundo está correta. “A percepção de que estamos entrando em um cenário de populismo eleitoreiro em 2022 é muito grande com a PEC dos Combustíveis da maneira como ela vem sendo discutida”, afirmou. 

    O economista avalia que “o Congresso Nacional está se unindo ao presidente Jair Bolsonaro (PL) para aprovar essas medidas. Enquanto o ministro da Economia, Paulo Guedes, está completamente enfraquecido e emparedado”.

    Dessa maneira, Vale acredita que o Banco Central (BC) está no caminho correto em “fazer o ajuste que precisa ser feito daqui para frente”, aumentando a taxa básica de juros, a Selic.

    “Agora temos uma inflação na casa dos 10%. Além disso, os alimentos voltam a pressionar neste ano e temos um  IPCA estimado entre 5,5% e 6% para 2022. Logo, faz sentido o BC subir a taxa Selic para 12% como está caminhando. A inflação precisa ser combatida”, disse.

    O economista avalia que a política fiscal “no ano passado foi ‘terra arrasada’. As medidas que o governo fez foram inócuas, não conseguiram avançar com propostas coerentes como a Reforma Tributária e ocorreu a quebra da regra do teto de gastos no final do ano”.

    Vale acredita que o cenário tende a piorar e o próximo presidente pode receber “uma situação fiscal deteriorada”, afirmou.

    Por fim, o Especialista CNN ressaltou que “muito da melhora que observamos no ano passado, em números do PIB e da receita, por exemplo, foi por conta da alta inflação”, concluiu.