Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Uruguai pressiona Mercosul por diálogo ou acordo com a China

    Ministro das Relações Exteriores do Uruguai fala em Cúpula do Rio de Janeiro sobre acordos bilaterais e expressa preocupação sobre União Europeia

    O chanceler aproveita a Cúpula do Rio de Janeiro para reforçar a cobrança por maior abertura que marcou o encontro de Puerto Iguazú
    O chanceler aproveita a Cúpula do Rio de Janeiro para reforçar a cobrança por maior abertura que marcou o encontro de Puerto Iguazú 06/12/2023REUTERS/Pilar Olivares

    Jéssica Petrovna, do Estadão Conteúdo

    O ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Omar Paganini, sugeriu que o Mercosul deve avançar no diálogo com a China ou abrir caminho para um acordo bilateral que também poderá “servir” ao conjunto dos sul-americanos.

    O chanceler aproveita a Cúpula do Rio de Janeiro para reforçar a cobrança por maior abertura que marcou o encontro de Puerto Iguazú, Argentina, no meio do ano, quando Montevidéu ficou fora da declaração final.

    “Como já afirmamos várias vezes, é essencial que o Uruguai aceite o acesso preferencial às economias mais dinâmicas do mundo”, destacou o chanceler ao afirmar que o Mercosul perdeu espaço com o avanço dos acordos bilaterais pelo mundo.

    “Dissemos, e o nosso presidente (Luis Lacalle Pou) reiterou, que queremos todo o Mercosul com a China, mas se o Uruguai puder avançar primeiro, acreditamos que também serve ao conjunto”, acrescentou.

    Para obter esse progresso, o uruguaio sugeriu que o mecanismo de diálogo entre Mercosul e China seja reativado. “Passaram cinco anos desde a última reunião. Cinco anos em que o mundo se tornou mais complexo e mais desafiador.

    E todos sabem que a China é um ator com protagonismo nesse cenário”, concluiu o Paganini.

    Montevidéu tem buscado negócio com a China, mas esbarra nas regras do Mercosul, que obriga os países-membros (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) a adotar uma Tarifa Externa Comum (TEC) sobre as importações.

    O ministro também reafirmou o compromisso do país com o acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia, mas expressou preocupação. “Vemos com satisfação os avanços do decorrer deste ano, especialmente no segundo semestre”, afirmou Paganini.

    “Vemos esses desdobramentos com esperança, mas também com certa preocupação pelas dificuldades que apareceram na reta final”, ponderou ao lembrar que a “janela de oportunidade” está se fechando.

    O Brasil esperava anunciar a conclusão do acordo nesta quinta-feira, 7, durante a Cúpula do Mercosul, no Rio de Janeiro, e os europeus chegaram a confirmar que a parte técnica estava praticamente pronta, aguardando apenas um “impulso político”.

    A Argentina, no entanto, pediu mais tempo já que o libertário Javier Milei assume presidência no domingo, apenas três dias depois do encontro.

    Milei fez duras críticas ao bloco durante a campanha, mas deu sinais de moderação depois de eleito e sinalizou, por meio da futura chanceler, Diana Mondino, que tem interesse no livre comércio com a União Europeia.

    Veja também: Fila do INSS: quais os impactos para o cidadão?