Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Veja o que maior falência de um banco americano desde a crise de 2008 pode ensinar

    Colapso do Silicon Valley Bank pode ter ramificações significativas nos setores de tecnologia

    Ramishah Marufda CNN

    O colapso de 48 horas do Silicon Valley Bank (SVB) levou à segunda maior falência de uma instituição financeira na história dos Estados Unidos.

    O SVB era um dos 20 maiores bancos comerciais dos Estados Unidos e agora está sob o controle da Corporação Federal de Seguro de Depósitos dos EUA (FDIC), depois que ele se tornou incapaz de pagar os clientes que retiraram seus depósitos.

    Embora os especialistas tenham acalmado os temores de um contágio mais amplo, o colapso do banco pode ter ramificações significativas nos setores de startups e tecnologia.

    SVB era um banco gigante

    Fundado em 1983, o Silicon Valley Bank forneceu financiamento para quase metade das empresas americanas de tecnologia e saúde apoiadas por capital de risco – elas foram prejudicadas por taxas de juros mais altas e capital de risco cada vez menor.

    Embora relativamente desconhecido fora do Vale do Silício, o SVB estava entre os 20 maiores bancos comerciais americanos, com US$ 209 bilhões (cerca de R$ 1 trilhão) em ativos totais no final do ano passado, de acordo com o FDIC.

    Sua queda impressionante e aparentemente rápida é a maior paralisação de um banco dos EUA desde o Washington Mutual em 2008.

    Ação rápida do FDIC

    As rodas começaram a cair na quarta-feira (8), quando o SVB anunciou que havia vendido títulos com prejuízo e que venderia US$ 2,25 bilhões (cerca de R$ 10 bilhões) em novas ações para reforçar seu balanço.

    Os reguladores da Califórnia fecharam o credor de tecnologia na sexta-feira (10). O FDIC está atuando como um receptor, o que normalmente significa que liquidará os ativos do banco para pagar seus clientes, incluindo depositantes e credores.

    O FDIC, uma agência governamental independente que garante depósitos bancários e supervisiona instituições financeiras, disse que todos os depositantes segurados terão acesso total a seus depósitos segurados até segunda-feira de manhã.

    A agência disse que pagaria aos depositantes não segurados um “dividendo antecipado na próxima semana”.

    O FDIC assumiu o comando do banco no meio da manhã de sexta-feira – geralmente espera até o fechamento dos mercados.

    “A condição do SVB se deteriorou tão rapidamente que não poderia durar apenas mais cinco horas”, escreveu o CEO da Better Markets, Dennis M. Kelleher.

    “Isso porque seus depositantes estavam sacando seu dinheiro tão rápido que o banco estava insolvente, e um fechamento intradiário era inevitável devido a uma corrida bancária clássica.”

    Altas taxas de juros levaram ao fim

    Para combater a inflação desenfreada, o banco central tem aumentado agressivamente as taxas de juros desde 2022. Isso tornou os empréstimos para empresas e indivíduos mais caros para esfriar a economia.

    Quando as taxas de juros estavam próximas dos mínimos históricos, os bancos compraram títulos do Tesouro de longo prazo e aparentemente de baixo risco. Mas, à medida que as taxas subiram, o valor desses ativos caiu, deixando-os com perdas não realizadas.

    As altas taxas restringiram significativamente as empresas de tecnologia, que reduziram o valor das ações de tecnologia e dificultaram a captação de recursos.

    Diante dessas taxas de juros mais altas, perda de IPOs e escassez de financiamento, os clientes do SVB começaram a sacar dinheiro do banco.

    “As taxas mais altas também reduziram o valor de seu tesouro e outros títulos que o SVB precisava para pagar os depositantes”, disse o economista-chefe da Moody’s, Mark Zandi.

    “Tudo isso desencadeou a corrida aos depósitos que forçou o FDIC a adquirir o SVB.”

    Ainda não é uma crise bancária

    Na quinta-feira (9), o bilionário gerente de fundos de hedge Bill Ackman comparou o SVB ao Bear Stearns, o primeiro credor a entrar em colapso no início da crise financeira global de 2007-2008.

    “O risco de falência e perdas de depósitos aqui é que o próximo banco menos capitalizado enfrente uma corrida e quebre, e os dominós continuem caindo”, escreveu Ackman no Twitter.

    Mas a maioria dos analistas diz que a implosão do SVB parece específica da empresa por enquanto, escreveram Julia Horowitz e Anna Cooban.

    Bancos e credores com clientela especializada, assim como o SVB, sentirão o impacto das consequências.

    “A razão pela qual [o SVB está] com problemas é porque eles têm exposição a setores específicos”, disse Jonas Goltermann, vice-economista-chefe de mercados da Capital Economics. A maioria dos outros bancos, acrescentou, é mais “diversificada”.

    Também há menos ansiedade sobre a estabilidade do setor bancário devido às importantes reformas regulatórias implementadas após a crise de 2008.

    Os consumidores comuns, em geral, provavelmente não serão afetados. Mas o colapso é um bom lembrete para estar ciente de onde seu dinheiro está guardado e não para ter tudo em um só lugar.

    “A primeira falência bancária desde 2020 é um alerta para as pessoas sempre garantirem que seu dinheiro esteja em um banco segurado pelo FDIC e dentro dos limites do FDIC e seguindo as regras do FDIC”, disse Matthew Goldberg, analista do Bankrate.

    Empresas de tecnologia estão lutando

    O SVB era um dos principais credores da comunidade de startups, cujos fundadores agora se preocupam em sacar seu dinheiro, pagar a folha de pagamento e cobrir as despesas operacionais, escreveu Catherine Thorbecke.

    “Agora que o banco faliu, só quero saber o que acontece a seguir”, disse Ashley Tyrner, fundadora da empresa de entrega de alimentos saudáveis ​​FarmboxRx, à CNN em um e-mail.

    “O FDIC cobre 250 mil, mas vou recuperar todos os meus 8 dígitos?”

    Alguns estão ficando criativos. O varejista de brinquedos, roupas e experiências infantis CAMP enviou um e-mail aos clientes na sexta-feira e anunciou em seu site.

    “Infelizmente, tínhamos a maior parte dos ativos de caixa de nossa empresa em um banco que acabou de falir. Tenho certeza de que você ouviu a notícia. Ele pediu aos clientes que usassem o código BANKRUN para economizar 40% em todas as mercadorias (ou pagar o preço total – o que seria apreciado).

    Credores estão sentindo a dor

    Os credores um tanto semelhantes ao SVB estão em uma situação infeliz.

    O credor focado em cripto Silvergate disse que está encerrando as operações e liquidará o banco depois de ser atingido financeiramente pela turbulência nos ativos digitais.

    “À luz dos recentes desenvolvimentos regulatórios e da indústria, Silvergate acredita que um encerramento ordenado das operações do Banco e uma liquidação voluntária do Banco é o melhor caminho a seguir”, afirmou em comunicado na quarta-feira.

    Mas acredita-se que os riscos de contágio mais amplo sejam limitados por enquanto.

    “No geral, o sistema bancário está em boa forma e capaz de resistir a choques significativos”, disse Jens Hagendorff, professor de finanças do King’s College London.

    “Acho que o SVB é especial no sentido de que eles têm uma base de depositantes inconstante.”

    Ações despencaram na sexta-feira

    O Dow caiu 345 pontos, ou 1,1% na sexta-feira. O S&P 500 caiu 1,5% e o Nasdaq Composite caiu 1,8%.

    Na semana, o Dow caiu 4,4%, sua pior semana desde junho. O S&P 500 caiu 4,6% e o Nasdaq caiu 4,7%.

    O medidor de medo de Wall Street, o VIX, saltou 15% na tarde de sexta-feira, quando os investidores correram para portos seguros para evitar qualquer contágio do setor bancário, informou a equipe de mercados.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original