Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Zero etarismo: empresas investem em programas de diversidade geracional

    Censo Demográfico mostra que a proporção de pessoas com 65 anos ou mais passou de 4% em 1980 para quase 11% da população brasileira em 2022

    Pesquisa realizada pela plataforma Maturi com quase 5 mil pessoas aponta que 93% dos profissionais com 50 anos ou mais estão buscando recolocação
    Pesquisa realizada pela plataforma Maturi com quase 5 mil pessoas aponta que 93% dos profissionais com 50 anos ou mais estão buscando recolocação Unsplash/Carrie Allen

    Anne BarbosaGuilherme GamaMarcia Barrosda CNN

    em São Paulo

    Criar uma cultura de diversidade geracional é um dos grandes desafios contemporâneos nas empresas. O Censo Demográfico, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado em outubro deste ano, mostra que a proporção de pessoas com 65 anos ou mais passou de 4% em 1980 para quase 11% da população brasileira em 2022, a maior proporção para essa faixa etária desde que o censo é realizado no país.

    O envelhecimento, contudo, pode virar um empecilho na hora de conseguir emprego. O termo etarismo é definido pela Organizações das Nações Unidas como: estereótipos (como pensamos), preconceitos (como nos sentimos) e discriminação (como agimos) em relação às pessoas com base na idade que têm. Na tentativa de diminuir essa intolerância entre gerações, empresas têm buscando o conceito de zero etarismo.

    No Instituto J&F, entre todos os colaboradores, 25% têm mais de 50 anos, entre as lideranças, 42%, entre os professores, 50%, e, na diretoria, 100% dos profissionais estão nessa faixa etária e metade tem mais de 60 anos.

    João Audi, de 63 anos, diretor do Instituto, trabalha no grupo há dois anos e faz mentoria com jovens.

    “Eu nunca pensei que com essa idade teria a oportunidade de passar parte do meu conhecimento na formação profissional e pessoal desses jovens. Tem sido muito prazerosa essa convivência, essa linha de duas mãos, de aprender e também de ensinar”, disse.

    Essa oportunidade também aparece no dia a dia de trabalho da Tim, onde o cuidado começa na contratação.

    “Nos processos seletivos, a gente estimula que as diferentes gerações se inscrevam para todas as vagas. Hoje, mais de 20% dos nossos estagiários têm acima de 30/40 anos, então não existe qualquer tipo de limite”, conta Alan Kido, executivo de diversidade da Tim.

    Uma pesquisa realizada pela plataforma Maturi com quase 5 mil pessoas aponta que 93% dos profissionais com 50 anos ou mais estão buscando recolocação, só que ainda há uma lacuna crescente entre a necessidade e a oportunidade nas organizações.

    “É um tema que antes não era prioritário, não chamava atenção, as empresas estavam focadas na questão de raça, gênero ou opção sexual, pessoas com deficiência. E agora entendem que além desses pilares, a diversidade de idade também é muito importante porque agora eles estão também percebendo que tem todas as gerações trabalhando juntas, quatro, cinco gerações trabalhando juntas, disse Mórris Litvak, CEO da Maturi.

    Veja também – Entenda o que muda com a reforma tributária