Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    “MaXXXine” traz nostalgia e dá à personagem de Mia Goth a despedida que merece

    Filme estreou nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (11)

    Mia Goth em novo trailer de "MaXXXine"
    Mia Goth em novo trailer de "MaXXXine" Reprodução/ Youtube

    Brian Lowryda CNN

    Em sintonia com a era cinematográfica atual, até mesmo uma franquia centrada em slasher ganha um “universo” atualmente, já que “MaXXXine” encerra uma trilogia improvável do roteirista e diretor Ti West e da estrela Mia Goth. Subindo de classe em termos de elenco, o filme funciona melhor como uma ode aos filmes e à sujeira da Hollywood dos anos 1980, e um pouco menos como um mistério construído em torno de sua estrela em ascensão.

    Essa seria Maxine Minx, de Goth, uma atriz de filmes adultos que sobreviveu a um massacre rural durante uma filmagem remota retratada em “X”, cujas raízes foram ainda exploradas na prequela “Pearl”. Maxine está agora em Los Angeles e tentando fazer sucesso em filmes “legítimos” (“Atuar é atuar”, diz ela confiante, durante uma audição), mesmo que o filme seja um terror que esteja provocando protestos e acusações de satanismo fora do estúdio.

    Enquanto persegue essa grande chance, repetindo seu mantra, “Não aceitarei uma vida que não mereço”, Maxine também descobre que alguém parece estar atrás dela, tendo colocado um detetive particular (Kevin Bacon, fervendo de raiva) em seu encalço, trazendo à tona memórias de seu passado. Isso pelo menos fornece tecido conjuntivo para “X” e motivações que podem ir além da personagem-título ser realmente muito azarada daquele jeito que “final girls” costumam ser.

    O perigo também vem em um momento de alerta máximo na cidade, já que estamos em 1985, e o assassino Night Stalker continua solto.

    Além de Kevin Bacon, o elenco de apoio inclui Lily Collins, Halsey, Giancarlo Esposito, Elizabeth Debicki, e Bobby Cannavale e Michelle Monaghan, como uma dupla de detetives ansiosos para descobrir o que Maxine sabe sobre a onda de crimes que a cerca — o que apenas desperta seu ceticismo e atitude positiva, aplicando uma busca implacável pelo estrelato à sua autodefesa.

    Goth novamente transforma seu alter ego em uma força da natureza, mas os prazeres mais simples do filme vêm em sua evocação da época, com músicas como “Bette Davis Eyes” e um hit do filme “O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas” (1985), bem como outdoors da atriz Angelyne e referências a filmes como “Vestida Para Matar” (1980).

    Embora as bilheterias dos cinemas tenham recebido sinais bem-vindos sobre “vida” ultimamente, o terror continua sendo um item básico confiável desde o início da pandemia, em parte graças à qualidade de filmes como “X” e “Pearl”, em comparação aos aspirantes a sucessos de bilheteria, desde que proporcionem as emoções necessárias.

    West mistura um pouco de humor com o gore neste, mesmo que a recompensa, infelizmente, não chegue ao nível da construção. Até então, porém, “MaXXXine” já entregou nostalgia suficiente em relação ao seu gênero para merecer uma caminhada por seus becos e, não incidentalmente, a exibição e despedida que a personagem de Goth merece.