Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Min Ho, de “Com Carinho, Kitty”, é talarico? Sang Heon Lee responde à CNN

    Ator falou à CNN que é Team Min Ho e aprendeu uma das falas do personagem em português

    Isabela Gadelhada CNN

    Em 2018, o filme de comédia romântica “Para Todos os Garotos que Já Amei”, inspirado no livro de Jenny Han, conquistou um enorme público com o romance entre Peter Kavinsky e Lara Jean. Afinal, quem não ama o clichê de namoro de mentirinha que depois acaba despertando sentimentos reais?

    Mas uma personagem sempre se destacou: a irmã mais nova e cheia de atitude da protagonista, Kitty. Por esse motivo, no dia 18 de maio, o spin-off “Com Carinho, Kitty” foi lançado pela Netflix.

    Na trama, a caçula da família Song Covey toma uma grande decisão: vai estudar na Coreia do Sul na mesma escola em que a mãe, que morreu quando ainda era muito nova, estudou. Coincidentemente, é o mesmo internato que seu namorado à distância Dae frequenta.

    Kitty se muda até à Coreia do Sul e acaba descobrindo que seu namorado está com outra garota. / Netflix

    O problema é que, depois de atravessar o planeta até Seul para surpreendê-lo, Kitty descobre que ele está namorando outra garota. Mas nem tudo é o que parece, viu? Pra entender o que aconteceu, vai ter que dar play na série.

    Nesta co-produção entre Estados Unidos e Coreia do Sul, um personagem chamou muita a atenção do público: Min Ho, o amigo de Dae que não é lá muito receptivo com a protagonista. O personagem é narcisista, sempre preocupado com sua rotina de skin care, mas muito leal e protetor de suas amizades.

    Por mais que as atitudes do personagem sejam questionáveis no começo, é impossível não cair nos encantos de Min Ho e seu carisma. Especialmente quando ao longo dos episódios ele se torna cada vez mais humano e o clichê de “ódio que vira amor” parece começar a dar sinais de vida.

    Sang Heon Lee como Min Ho em “Com Carinho, Kitty”. / Netflix

    O sucesso de “Com Carinho, Kitty”, que chegou em 2ª lugar no Top Séries Global da Netflix e em 1ª lugar em 90 países, incluindo o Brasil, já rendeu 3 milhões de seguidores ao ator Sang Heon Lee, o talento por trás de Min Ho.

    Em entrevista à CNN Brasil, ele falou sobre todo o carinho e atenção que tem recebido. Também falou sobre sua irmã, Gia Kim, que também está no elenco da série interpretando a estudante Yuri – a produção só descobriu que eles eram parentes na primeira reunião com todo mundo!

    Confira o bate-papo:

    Você percebeu os fãs brasileiros nas suas redes sociais? Geralmente há comentários como “Please come to Brazil”.

    Sim, eu percebi comentários assim. Também tem palavras que eu vi e não sei se é brasileiro, mas era “lindo”. E muitas pessoas com a bandeira do Brasil e tudo. Eu vi muitos fãs do Brasil.

    “Com Carinho, Kitty” estreou há algumas semanas. Como sua vida mudou desde então? Você tem sido reconhecido nas ruas?

    Bem, definitivamente mudou o meu número de seguidores do Instagram. E, sim, eu tenho sido reconhecido na rua, o que eu não esperava. Eu fui em uma cafeteria coreana em Koreatown. Eu estou em Los Angeles no momento e fui até Koreatown para essa cafeteria, e uma criança com a mãe me reconheceu, pediu uma foto e tudo. Foi aí que eu percebi que as coisas estavam acontecendo.

    “Com Carinho, Kitty” é uma série americana com protagonismo asiático, e estamos vendo mais séries dos EUA com protagonistas asiáticos. Também estamos vendo a ascensão de dramas sul-coreanos, k-pop, filmes sul-coreanos. Como você se sente vendo esse movimento acontecer?

    Eu acho ótimo. Sabe, hoje em dia, tudo que eles colocam “K” (k-food, k-pop, k-drama, k-films), as pessoas esperam amar de maneira muito positiva. De certa forma, fico feliz que as pessoas vejam isso agora. E sim, fico grato pelo fato de eles considerarem “Com Carinho, Kitty” como um k-drama/série de Hollywood, o que realmente é. Foi uma colaboração entre k-drama e Hollywood.

    Bastidores de “Com Carinho, Kitty”. / Netflix

    É interessante que você nasceu na Coreia do Sul, cresceu em Hong Kong e morou na Inglaterra. Quantas línguas você fala e qual você se sente mais confortável falando?

    Bem, eu só falo apenas duas línguas, infelizmente. Sim, eu morei em Hong Kong por mais ou menos 10 anos, mas a razão de eu não falar outra língua como chinês ou cantonês é porque eu tentei, mas realmente não grudou em mim. Foi muito difícil aprender a língua. Além disso, eu fui pra Hong Kong pra aprender inglês e por essa razão eu apenas sei coreano e inglês.

    Acho que posso dizer que inglês é mais confortável pra mim, mas, ao mesmo tempo, há momentos que coreano é mais confortável. Realmente depende das pessoas com quem estou. Às vezes tem palavras em coreano na minha mente, mas que não consigo falar em inglês, e às vezes tem palavras na minha mente que eu sei em inglês, mas não consigo dizer em coreano. Então de certa forma posso ser bom nas duas línguas ou ruim nas duas línguas.

    Que língua você geralmente fala com a sua irmã, Gia Kim?

    Geralmente, com a minha irmã, acho que os dois. A gente usa uma mistura de inglês e coreano ao mesmo tempo. Por exemplo, “Gia, Gia, precisamos ir à loja de conveniência comprar 물 (mul). 물 (Mul) quer dizer água. Então em vez de dizer “água”, usamos a palavra em coreano. Ou usamos palavras em inglês em uma frase em coreano. E é algo muito comum em crianças internacionais, especialmente crianças coreanas internacionais.

    Sang Heon Lee and Gia Kim na premiere em Los Angeles de “Com Carinho, Kitty”. / Rodin Eckenroth/Getty Images para Netflix

    Falando na Gia Kim, é muito interessante toda essa história de irmãos trabalhando juntos na mesma série. Vocês disseram que a produção não sabia que vocês eram irmãos, certo? Como foi quando descobriram?

    Eles descobriram assim que todo o elenco foi escalado, incluindo eu e Gia. Foi quando eles juntaram todos nós em uma chamada de Zoom e éramos sete ou oito pessoas. Foi quando revelamos que, na verdade, éramos irmão e irmã. E a reação foi positiva. Ficaram surpresos, meio “o que está acontecendo?”. Tipo, “vocês estão mentindo! Isso é uma piada, certo?”. Mas, no fim, eles falaram: “Espera, os personagens não têm nenhum interesse romântico um no outro, né?”, e, felizmente, não. Então, sim, de certa forma foi engraçado.

    Por que vocês dois têm sobrenomes diferentes?

    Bem, eu e Gia temos sobrenomes diferentes porque ela está usando o nome artístico dela, Gia Kim, e eu estou usando meu nome real, com que eu nasci. Ela queria usar um nome diferente como atriz porque queria que as pessoas pronunciassem o nome forma correta ou de forma fácil. É fácil de falar em coreano e em inglês, então ela mudou pensando nisso.

    Mas eu mantive meu nome coreano com o qual eu nasci porque, por mais que eu tenha que constantemente lembrar as pessoas como pronunciar meu nome, tudo bem. Não me importo em fazer isso e não me importo em fazer de novo sempre no futuro. Mas eu pensei comigo: seria muito legal se eu tiver meu nome do jeito que é nos créditos ou, tipo, “Personagem Min Ho interpretado por Sang Heon Lee”. Essa imagem na minha mente parecia muito legal. E é mesmo legal, pra ser honesto.

    E uma coisa muito legal na primeira temporada de “Com Carinho, Kitty” é a aparição especial do Ok Taecyeon. Na segunda temporada, que idol de k-pop você adoraria ver na série?

    Uau, boa pergunta! Tinham várias músicas na primeira temporada e talvez pudesse ser uma das pessoas que participou da trilha sonora.

    Talvez SEVENTEEN?

    SEVENTEEN, ou SOMI, ou TWICE. Eu gosto de TWICE. Seria legal se tivesse uma integrante do TWICE lá. Adoraria vê-las.

    Se houvesse a oportunidade, você gostaria de fazer um k-drama?

    K-drama, sim, claro, por que não? Mas acho que tenho mais interesse nos filmes coreanos no momento. Seria uma ótima experiência.

    Que tipo de filme você sonha fazer?

    Filmes coreanos… Não sei. Eu sou muito fã de séries e filmes de comédia romântica, mas eu percebi que filmes coreanos realmente aperfeiçoaram o gênero Noir, que é bem interessante. Tem ação, tem suspense e é um pouco obscuro. Às vezes pode colocar uma pitada de comédia e é algo que eu acho que eles são ótimos fazendo. Então eu amaria participar em um desses filmes coreanos.

    E também falando um pouco do Min Ho, ele é um personagem que se destacou bastante na série. As pessoas amarem ele e a personalidade dele. O que você tem em comum com ele e em que aspecto vocês são totalmente diferentes?

    Eu diria que o que eu tenho em comum com ele é… Talvez o amor por cozinhar? Min Ho ama cozinhar. E acho que, talvez, o que eu tenha de diferente dele é que acho que ele é confiante. Mas, ao mesmo tempo, eu acho que é porque ele é jovem, por isso ele tem essa confiança, essa confiança tácita e o carisma. Mas, para mim, acho que eu tento agir com confiança ao máximo. E se eu tivesse que tiver mais uma coisa em comum eu diria que é a forma que ele fica romântico em um relacionamento. Eu acho que sou assim em uma relação.

    Qual é a sua linguagem do amor? Assim como ele, é atos de serviço?

    Minha linguagem do amor? Eu acho que… Eu acho que apenas boas maneiras são minha linguagem do amor. Coisas naturais que eu faria para ela, para agradá-la e fazê-la sorrir. Tudo que a faça sorrir é a minha linguagem do amor. Dar flores, cozinhar, passar tempo com ela. Sabe, tudo isso.

    E sobre sua experiência na série, eu acho interessante como no elenco havia vários estrangeiros passando tempo junto. Qual foi a maior lição que essa experiência te proporcionou?

    Não foi tanto uma grande lição para mim, mas fico grato de ter me envolvido em uma co-produção da Coreia do Sul com os Estados Unidos e ver como uma ponte entre esses dois mundos consegue trazer uma ótima série. Lá fora há possibilidades de outros mundos colaborarem. Poderiam ser um filme ou série indiano, ou uma série brasileira, com uma co-produção coreana. Tudo é possível agora. Acho que o k-drama e a série de Hollywood se juntando e o fato de que eu testemunhei isso, vivi essa experiência, foi um privilégio. Sou muito grato por isso ter acontecido.

    Sang Heon Lee como Min Ho e Anna Cathcart como Kitty Song Covey em “Com Carinho, Kitty”. / Netflix

    Aliás, você é Team Min Ho?

    Bem, eu acho que sou Team Min Ho. Porque, sendo sincero, Dae é meu amigo e ele namorou a Kitty primeiro. Mas, quer saber? Considerando toda a história, Min Ho passou por muita coisa. Ele tentou ser um bom amigo, tentou ser um bom ficante. Mas não funcionou. Os amigos dele o largaram de várias maneiras e quando ele achou que encontrou o amor, não era amor. Era só um casinho. Ele provou do próprio veneno nessa experiência. Mas então foi traído pelos amigos quando ele foi nada além de leal a eles, quando ele foi bem próximo dos amigos. Como se diz? “Com meus amigos” [diz em português]. Mas os amigos dele não foram muito acolhedores com ele. Então acho que ele tem todo o direito de ser egoísta, de se permitir ir atrás do amor e como ele verdadeiramente se sente pelas outras pessoas. Então eu escolho ser Team Min Ho.

    Posso ser sincera com você? Tem uma gíria no Brasil para quando alguém fica com o ex de um amigo. É “talarico”.
    Sendo sincero, quando Min Ho fez isso [se declarou à Kitty], pensei: “Você não deveria fazer isso. Ele é seu amigo e você vai expressar seu amor para a ex do seu amigo? Não tenho certeza”. Ele é “talarico” , mas ele tem todo o direito de ser superficial agora porque, de novo, se você ver toda a série, eu diria que ele foi leal o tempo todo com os amigos, até que os amigos o acusaram de coisas que ele não fez. E ele continuou escondendo suas emoções, mas os amigos não o acolheram bem. Então acho que ele tem o direito de ser egoísta.

    Sang Heon Min também aprendeu uma das falas icônicas de Min Ho em português. Confira a entrevista em vídeo: