Natação: Americano leva os 100m livre, mas recorde mundial de Cielo é mantido

Caeleb Dressel estabeleceu a melhor marca dos Jogos Olímpicos, mas nadou acima do tempo do brasileiro, estabelecido em 2009

Caeleb Dressel, campeão de uma das provas mais nobres das Olimpíadas
Caeleb Dressel, campeão de uma das provas mais nobres das Olimpíadas Foto: Matthias Schrader/AP

Paulo Junior, colaboração para a CNN

Ouvir notícia

O recorde mundial do brasileiro César Cielo nos 100m na natação livre completará 12 anos nesta sexta-feira, firmado em 30 de julho de 2009. Isso porque na noite desta quarta-feira (28), na final da prova nas Olimpíadas de 2020, o norte-americano Caeleb Dressel levou a medalha de ouro nadando um pouco acima do tempo do brasileiro, em disputa onde havia a expectativa pela quebra da marca.

Cielo tem o tempo de 46.91, conquistado no Mundial de Roma. Ao menos Dressel estabeleceu o novo patamar para o recorde olímpico, com 47.02, superando o australiano Eamon Sullivan, campeão em Pequim-2008 com 47.05 – naquela disputa, Cielo saiu com o bronze.

“Eu não posso reclamar, meu recorde continua em pé. Foi uma prova bonita”, disse Cielo, que está comentando as Olimpíadas pelos canais Sportv. A prata ficou com o australiano Kyle Chalmers, e o bronze com o russo Kliment Kolesnikov. 

O brasileiro mantém também as marcas nos 50m livre, dessa época em que foi campeão na Olimpíada (2008), no Mundial (2009) e firmou os dois recordes: 20.91 como melhor tempo da história, em prova disputada em São Paulo, e 21.30 como melhor tempo olímpico, em Pequim.

As eliminatórias dos 50m livre acontecem na sexta-feira (30), com final no dia seguinte. O brasileiro Bruno Fratus tem expectativa de brigar por medalha depois de ser quarto colocado em Londres-2012 e terminar na sexta posição no Rio de Janeiro-2016. O mesmo Dressel é novamente um dos favoritos, campeão nos Mundiais de 2017 e 2019.

Brasileiro em oitavo nos 800m

Guilherme Costa terminou a final dos 800m livre na oitava posição, depois de se classificar com o quinto melhor tempo. Ele piorou seu desempenho em sete segundos e não conseguiu acompanhar o ritmo da prova, vencida pelo americano Robert Finke. 

Ouro chinês

Em novo encontro entre americana Katie Ledecky e a australiana Ariarne Titmus, o terceiro de quatro previstos para os Jogos, quem venceu foi a China, levando o ouro no revezamento 4x200m livre que fechou a noite de finais da natação nesta quarta-feira (28).

A equipe chinesa estabeleceu o novo recorde mundial da prova. Ledecky conseguiu uma grande arrancada no final e quase chegou no ouro, mas levou os EUA à prata. A equipe da Austrália fechou com o bronze.

Titmus já venceu duas provas contra Ledecky, nos 200m e 400m livre. A americana ganhou os 1500m livre, sem a australiana. Elas ainda se encontram nos 800m livre.

Mais Recentes da CNN