Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Coco Gauff, finalista do US Open, sobre jogo interrompido por manifestantes: “Não posso ficar chateada com eles”

    Partida ficou 45 minutos paralisada depois que um manifestante colou seus próprios pés no chão da arquibancada

    Coco Gauff senta enquanto espera a retirada de manifestantes da quadra durante a semifinal do US Open
    Coco Gauff senta enquanto espera a retirada de manifestantes da quadra durante a semifinal do US Open Frey/TPN/Getty Images

    Jacob LevGeorge Ramsayda CNN

    A tenista norte-americana Coco Gauff, que venceu a semifinal do US Open contra Karolína Muchová por 2 sets a 0 (6-4 e 7-5), nesta quinta-feira (7), disse que não poderia “ficar realmente chateada” com os manifestantes climáticos que causaram um atraso de 45 minutos no meio da partida.

    Gauff estava à frente do placar no início do segundo set quando ocorreu a interrupção.

    Em um comunicado, o US Open classificou o incidente como “relacionado aos torcedores” no Estádio Arthur Ashe e disse que um participante “colou os pés no chão e devido à natureza desta ação, profissionais médicos, a polícia e o pessoal de segurança foram necessários para resolver o problema e retirar o torcedor da arquibancada.”

    Enquanto o manifestante — que gritava sobre “questões ambientais”, segundo a transmissão da ESPN — era removido, os torcedores dentro do estádio aplaudiram.

    Quatro pessoas estiveram envolvidas no protesto e três delas “foram escoltadas para fora do estádio sem mais incidentes”, segundo um comunicado da Associação de Tênis dos EUA.

    Manifestante (sentado, de cinza) interrompe a partida entre Coco Gauff e Karolina Muchova
    Manifestante interrompe a partida entre Coco Gauff e Karolina Muchova / Matthew Stockman/Getty Images

    “Ao longo da história, momentos como este são definitivamente momentos decisivos.Eu realmente não sei exatamente o que eles estavam protestando, só sei que era sobre o meio ambiente. E acredito 100% nisso”, disse Coco Gauff aos repórteres.

    “Eu preferiria que isso não acontecesse na minha partida? 100%, sim. Não vou sentar aqui e mentir. Mas é o que é”, completou.

    Gauff e Muchová deixaram a quadra durante o atraso, enquanto os manifestantes eram escoltados para fora do estádio.

    Os manifestantes climáticos também interromperam jogos de Roland Garros no ano passado e também este ano em Wimbledon, onde espalharam confetes laranja e peças de quebra-cabeça na grama da quadra.

    “Tive a sensação de que isso aconteceria neste torneio”, disse Gauff. “Aconteceu no Aberto da França, aconteceu em Wimbledon. Então, você sabe, seguindo a tendência, isso definitivamente iria acontecer aqui.”

    “Não fiquei chateada com os manifestantes. Eu sei que o estádio ficou porque simplesmente interrompeu o entretenimento. Sempre falo sobre pregar o que você sente e no que você acredita. Foi feito de forma pacífica, então não posso ficar muito bravo com isso. Obviamente, não quero que isso aconteça quando estou vencendo por 6-4 e 1-0 e queria que o ímpeto continuasse. Mas se é isso que eles achavam que precisavam fazer para que suas vozes fossem ouvidas, não posso ficar chateada com isso.”

    Gauff, a mulher mais jovem (19 anos) a chegar à final do US Open desde Serena Williams em 1999, enfrentará a bielorrussa Aryna Sabalenka em sua tentativa de conquistar seu primeiro título de Grand Slam.

    (Jenny Stevens, da CNN, contribuiu com a reportagem)

    Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original