Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Federações vão decidir sobre presença de atletas trans em Paris-2024; entenda

    Ministra do Esporte francesa afirmou que essa é "uma questão complexa" e que não irá intervir na decisão das entidades para os Jogos Olímpicos

    Levantadora de peso neozelandesa Laurel Hubbard fez história em Tóquio ao se tornar a primeira mulher abertamente transgênero a participar de um evento olímpico
    Levantadora de peso neozelandesa Laurel Hubbard fez história em Tóquio ao se tornar a primeira mulher abertamente transgênero a participar de um evento olímpico Chris Graythen/Getty Images

    da Itatiaia

    A presença de atletas transgênero na Olimpíada de Paris-2024 está condicionada às regras a serem adotadas pelas federações esportivas internacionais.

    Nesta quarta (12), a ministra do Esporte e dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Paris-2024, Amélie Oudéa-Castera, afirmou que essa é uma questão complexa e que não irá intervir na decisão das entidades.

    Em entrevista à rádio France Info, Amélie comentou sobre a recente decisão da World Athletics, a Federação Internacional de Atletismo, de excluir transgêneros das competições femininas. Para ela, estudos sobre o papel da testosterona no desempenho esportivo podem esclarecer os pontos controversos do debate.

    É uma questão difícil e que está em evolução, na qual navegamos entre duas demandas, a inclusão e o respeito à igualdade esportiva

    Amélie Oudéa-Castera, ministra do Esporte da França

    “Nem todos estão nessa linha. O progresso científico vai esclarecer a decisão desses atores”, completou Amélie.

    O Comitê Olímpico Internacional (COI) renunciou no final de 2021 a estabelecer diretrizes uniformes quanto aos critérios de participação de atletas intersexuais e transgêneros. Assim, deixou o caminho livre para a decisão das federações internacionais. A participação do atleta dependerá do que a sua respectiva modalidade estabelece.

    Levantadora de peso fez história em Tóquio

    Na Olimpíada de Tóquio, em 2021, a levantadora de peso neozelandesa Laurel Hubbard fez história ao se tornar a primeira mulher abertamente transgênero a participar de um evento olímpico.

    Ela atendeu aos critérios de classificação, que exigiam um nível de testosterona abaixo de 10 nmol por litro por pelo menos 12 meses.

    (Com agências)