Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cubano Mijain Lopez conquista 4ª medalha consecutiva e iguala feito de Phelps

    Atleta chegou ao ouro olímpico sem conceder um ponto sequer a seus adversários em toda a competição, e obteve um feito histórico na modalidade e nos Jogos

    Cubano Mijain Lopes Nunez comemora a quarta medalha de ouro em Olimpíadas
    Cubano Mijain Lopes Nunez comemora a quarta medalha de ouro em Olimpíadas Foto: Aaron Favila/AP

    Da CNN*, em São Paulo

    O cubano Mijain Lopez encerrou sua quinta Olimpíada com a quarta medalha de ouro, e estabeleceu um recorde após vencer a final da luta greco-romana dos superpesados nesta segunda-feira (2).

    Lopez, que fez sua estreia olímpica em 2004, se tornou o primeiro lutador masculino a ganhar quatro medalhas de ouro olímpicas consecutivas após bater o georgiano Iakobi Kajaia, que ficou com a prata, na grande final da modalidade.

    Com a conquista, o cubano se junta ao seleto grupo de atletas homens quatro vezes campeões olímpicos de forma consecutiva formado pelos americanos Michael Phelps (natação), Carl Lewis (salto em distância) e Alfred Oerter (lançamento de disco), além do dinamarquês Paul Evstrom, da vela.

    Com o ouro em Tóquio, Lopez se igualou também a lutadora japonesa Kaori Icho, que também venceu quatro medalhas de ouro consecutivas no Wrestling, de 2004, em Atenas, a 2016, no Rio de Janeiro. 

    Desafio em Paris

    No Rio 2016, Lopez comemorou com uma dança com salsa ao levar o ouro, mas desta vez o atleta de 38 anos se contentou em celebrar com seu treinador, que correu para o tatame com a bandeira cubana.

    “Sinto-me feliz, orgulhoso de ser o melhor do mundo e de fazer história”, disse Lopez, que foi parabenizado pelo presidente cubano, Miguel Diaz-Canel, em uma videochamada. “Tive uma longa carreira, trabalhando muito para atingir esses objetivos e quebrar esse recorde.”

    Lopez, que não cedeu nenhum ponto ao longo de toda a competição nas Olimpíadas de Tóquio, afirmou que ainda não sabe se irá se aposentar após os Jogos, o que aumentou a expectativa de uma nova participação olímpica em Paris, em 2024, e um novo feito histórico. 

    (*Com informações da Reuters)

    (Publicado por Daniel Fernandes)