Paisagem mais importante de David Hockney pode ser vendida por mais de US$ 35 mi


Justin Kamp
29 de outubro de 2020 às 21:54 | Atualizado 29 de outubro de 2020 às 21:56

Este artigo foi publicado em parceria com Artsy, a plataforma global para descobrir e colecionar arte. O artigo original pode ser visto aqui.

“Nichols Canyon”, pintura de paisagem de David Hockney feita em 1980, estará à venda no próximo leilão de arte contemporânea da Phillips, em Nova York, agendado para a noite de 7 de dezembro.

A pintura tem uma estimativa de preço de cerca de US$ 35 milhões (o equivalente a R$ 202 milhões), de acordo com um comunicado à imprensa da Phillips, e é considerada “sem dúvida a paisagem mais importante do artista em mãos privadas”. O alto preço torna a paisagem mais cara de Hockney a aparecer em leilão e, se o valor for alcançado, colocaria a obra entre os três resultados de leilão mais caros do artista.

O quadro Nichols Canyon, de David Hockney

O quadro Nichols Canyon, de David Hockney

Foto: Divulgação/Phillips

“Nichols Canyon” marcou o abraço de Hockney à pintura de paisagem após uma breve incursão na fotografia na década de 1970, e foi incluído na exposição “A New Spirit in Painting”, realizada em 1981 na Royal Academy em Londres. A pintura ficará em exibição na Phillips London até 1º de novembro, depois viajará para Hong Kong e, finalmente, para Nova York antes de ser leiloada.

Hockney descreveu o processo de pintura da obra em uma declaração: "Quando se mora aqui, você tem uma visão diferente de Los Angeles. Em primeiro lugar, essas linhas sinuosas parecem entrar na sua vida e entram nas pinturas. Comecei ‘Nichols Canyon’. Peguei uma tela grande e desenhei uma linha sinuosa no meio, que é o que as estradas parecem ser. Eu morava no alto das colinas e pintava em meu estúdio no alto delas, daí viajava de um lado para o outro todos os dias, geralmente duas, três, quatro vezes por dia. Na verdade, eu sentia aquelas linhas tortuosas”.

Leia também:

Artista por trás da maior pintura do mundo pretende levantar US$ 30 milhões

A vida de quem compra arte para os bilionários

A venda de “Nichols Canyon” acontece perto do final de um ano agitado para o artista e seu mercado. Em fevereiro, seu icônico quadro “The Splash” (1966) foi vendido na Sotheby's London por 23,1 milhões de libras (R$ 172,2 milhões). No início deste mês, a Ópera de Londres leiloou um retrato feito por Hockney de seu administrador-geral de longa data, Sir David Webster, para arrecadar fundos a fim de aliviar a pressão financeira trazida pela pandemia da Covid-19. A pintura foi vendida por 12,8 milhões de libras (US$ 97 milhões).

Hockney, de 83 anos, está exibindo seu trabalho mais recente com foco no interior da França em uma exposição intitulada “Ma Normandie”, na Galerie Lelong & Co, parte feira de arte híbrida Le Pari(s). De acordo com dados da plataforma Artsy, Hockney está entre os 20 artistas mais solicitados todos os anos desde 2015. No ano passado, ele entrou no top 10 da plataforma de colecionadores de arte e está a caminho de fazê-lo novamente em 2020.

(Texto traduzido, leia o original em inglês)