Leilão de arte após divórcio atinge recorde de R$ 4,5 bilhões

Sessenta e cinco obras foram à venda depois da separação de casal nos Estados Unidos

Harry Macklowe e Linda colecionaram obras durante quase 60 anos de casamento
Harry Macklowe e Linda colecionaram obras durante quase 60 anos de casamento Nicholas Hunt/Getty Image

Jacqui Palumboda CNN

Ouvir notícia

Mais de três anos após a conclusão do divórcio de Harry Macklowe, incorporador imobiliário de Nova York, e sua esposa, Linda, a coleção de arte do ex-casal se tornou a mais cara já vendida em leilão, atingindo US$ 922,2 milhões (cerca de R$ 4,5 bilhões) em duas vendas diferentes.

Um lote inicial de 35 obras de arte foi leiloado em novembro passado, incluindo peças de Pablo Picasso, Andy Warhol e Cy Twombly. Na ocasião, um trabalho do pintor abstrato Mark Rothko arrecadou US$ 82,5 milhões (cerca de R$ 402 milhões) enquanto a obra “Number 17, 1951”, de Jackson Pollock, foi vendida por US$ 61 milhões (cerca de R$ 297,7 milhões), atingindo um novo recorde para o trabalho do artista.

Já na segunda venda, na segunda-feira (16) à noite, as 30 obras finais foram vendidas por US$ 246,1 milhões (cerca de R$ 1,2 bilhão), com peças de Jeff Koons, Gerhard Richter, Willem de Kooning e Agnes Martin.

Os destaques incluíram outra pintura sem título de Rothko, que saiu por US$ 48 milhões (cerca de R$ 234,3 milhões), e um autorretrato de Warhol, por US$ 18,7 milhões (cerca de R$ 91,2 milhões) de dólares. No final da noite, foi declarada que aquela havia sido uma “venda de luvas brancas”, o que significa que todos os trabalhos tinham sido vendidos.

O trabalho sem título de Cy Twombly de 2007 foi vendido por quase US$ 59 milhões no primeiro leilão / Sotheby’s

“É uma coleção que nunca foi movida de lugar ou tocada”, disse Grégoire Billault, presidente de arte contemporânea da Sotheby’s, em um evento de imprensa anunciando o leilão de duas partes em setembro passado. “Muitas vezes, quando temos coleções para venda, muitas peças já foram vendidas, ou algumas obras são doadas a museus; outras são dadas a membros da família”

A coleção Macklowe ultrapassou o recorde anterior de maior valor para uma única coleção de arte, que era da coleção Peggy e David Rockefeller, que saiu por US$ 835,1 milhões (cerca de R$ 4,07 bilhões) na Christie’s em 2018.

Harry e Linda Macklowe estavam na casa dos 20 anos quando se casaram em 1959 e, desde então, acumularam ativos significativos, incluindo um apartamento de US$ 72 milhões de dólares (cerca de R$ 351,4 milhões), um iate e várias propriedades comerciais, de acordo com os documentos do tribunal. Os dois começaram a colecionar arte logo após o casamento.

Em 2018, durante as audiências do divórcio, um juiz da Suprema Corte do Estado de Nova York ordenou que o casal Macklowe vendesse 65 obras de arte de sua coleção e dividisse os lucros. A decisão veio depois que os peritos contratados pelo casal forneceram avaliações muito diferentes do valor das obras de arte. As avaliações para “La Nez”, escultura existencial de Alberto Giacometti, por exemplo, variaram em US$ 30 milhões (cerca de R$ 146,4 milhões).

A decisão judicial criou uma batalha entre as casas de leilão Sotheby’s, Christie’s e Phillips. Com grande nome no mercado, o revendedor de arte Michael Findlay atrasou a decisão em 2020 devido à pandemia, de acordo com o site Artnet.

A escultura de Giacometti acabou vendida por US$ 78 milhões (cerca de R$ 380,7 milhões), o segundo maior valor na primeira parte do leilão. Em outro lugar, “Nine Marilyns” de Warhol (uma das famosas gravuras seriadas do artista pop feitas a partir de Marilyn Monroe) conseguiu US$ 47 milhões (cerca de R$ 229,4 milhões) e uma escultura de Picasso em homenagem ao poeta francês Apollinaire chegou a US$ 26 milhões (cerca de R$ 126,9 milhões).

Em um evento de imprensa virtual anunciando a venda em setembro, o CEO da Sotheby, Charles Stewart, chamou a coleção Macklowe de “uma das mais significativas e de qualidade de museu de arte moderna e contemporânea que já entrou no mercado”.

A previsão de Stewart se concretizou. E ele acrescentou: “Essa venda vai fazer história como um dos momentos definidores no mercado de arte”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN