Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Retrospectiva: os momentos culturais que marcaram 2021

    CNN relembra os momentos mais marcantes da moda e da cultura neste segundo ano da pandemia de Covid-19

    Getty Images

    Marianna Cerinida CNN

    Ouvir notícia

    O ano dois da pandemia foi, de muitas maneiras, tão desafiador e estranho quanto o primeiro.

    Dito isso, eventos presenciais tentaram ser retomados, assim como socializar fora de nossas casas – embora com máscaras no rosto e álcool gel a tiracolo. Mais do que em 2020, nós nos adaptamos a viver com o vírus.

    As indústrias criativas também. Feiras de arte retornaram, assim como o Met Gala, desfiles, concertos e grande eventos de red carpet. Galerias, cinemas e teatros também começaram lentamente a reabrir suas portas, nos lembrando o quanto valorosa a cultura da vida real pode ser.

    Estrelas da moda na cerimônia de posse dos Estados Unidos

    A cerimônia de posse presidencial dos Estados Unidos em janeiro parecia muito diferente dos anos anteriores – e não apenas porque todos usavam máscaras. O desfile cerimonial foi cancelado, o concerto de inauguração repleto de estrelas foi realizado virtualmente e o ex-presidente Donald Trump não compareceu, em um desprezo historicamente raro. Mas o evento ainda ofereceu muito para ser lembrado – incluindo a moda.

    Havia golas dramáticas e coberturas de rosto elaboradas, luvas de lã imensamente capazes de virar meme e roupas de cores vivas (o roxo reinou supremo). Acima de tudo, no entanto, as escolhas artísticas dos participantes homenagearam a moda americana, com o presidente Joe Biden, a vice-presidente Kamala Harris e a primeira-dama Jill Biden usando looks dos estilistas norte-americanos Ralph Lauren, Christopher John Rogers e Alexandra O’Neill, respectivamente.

    O processo também destacou duas inesperadas estrelas da moda. Uma delas foi Amanda Gorman, a poetisa mais jovem da história, que cativou o mundo lendo “The Hill We Climb” em um casaco Prada amarelo canário vibrante, tiara Prada de cetim vermelho e máscara vermelha para combinar. A outra foi Ella Emhoff, enteada de Harris, cujo traje – um casaco quadriculado xadrez da Miu Miu – se tornou instantaneamente viral.

    Inovação nas capas das revistas

    Em meio a uma visibilidade trans crescente e um reconhecimento contínuo da injustiça racial, as publicações convencionais exibiram um elenco mais diversificado de personalidades em suas capas em 2021.

    Elliot Page, primeiro homem trans na capa da revista Time
    Elliot Page, primeiro homem trans na capa da revista “Time” / Foto: Divulgação/Thomson Reuters Foundation

    Elliot Page tornou-se o primeiro transgênero a aparecer na capa da revista “Time”, e o influenciador de beleza filipino Bretman Rock colocou um par de orelhas de coelho para se tornar o primeiro homem gay a estrelar a capa da “Playboy”.

    Já a edição de maiô da “Sports Illustrated”, que teve como tema a comunidade, apresentou três capas separadas, com Megan Thee Stallion, a estrela do tênis Naomi Osaka e a modelo Leyna Bloom, apresentando assim a primeira rapper, a primeira atleta negra e a primeira mulher trans, respectivamente, a liderar o anual edição.

    Batalha da tutela de Britney concluída

    Britney Spears voltou aos holofotes em 2021 – embora não por sua música. O documentário “Framing Britney Spears”, produzido pelo “New York Times”, lançado em fevereiro, renovou a atenção sobre o movimento #FreeBritney em andamento ao lançar uma nova luz sobre a tutela que colocou o pai da cantora, Jamie Spears, no controle de sua vida.

    Fãs de Britney Spears comemoram decisão da Justiça de encerrar função de tutor do pai da cantora /

    Em novembro, um juiz de Los Angeles encerrou o acordo legal de 13 anos. Spears o descreveu no Instagram como o “melhor dia de todos”.

    Venda NFT de US$ 69 milhões de um Beeple

    Em março, o artista Mike Winkelmann, mais conhecido como Beeple, fez história ao vender uma obra de arte virtual como um token não fungível (NFT) – que usa tecnologia blockchain para verificar a propriedade de ativos digitais – por mais de US$ 69 milhões na casa de leilões Christie’s .

    Everydays – The First 5000 Days, do artista Beeple / Divulgação

    Intitulado “Todos os dias: os primeiros 5 mil dias”, o trabalho era uma colagem de 5.000 imagens produzidas por Winkelmann ao longo de 13 anos. Foi o primeiro NFT puramente digital a ser oferecido em uma grande casa de leilões.

    A venda posicionou Beeple entre os artistas vivos mais valiosos e abriu o caminho para uma explosão de NFTs no mundo da arte e além.

    A saga do “Tênis de Satanás” de Lil Nas X

    Lil Nas X causou comoção em março, quando lançou um par de tênis com o rótulo “Tênis de Satanás”. Apresentando um pentagrama de bronze, uma cruz invertida e uma gota de sangue humano real, os Nike Air Max 97 modificados foram o resultado de uma colaboração entre o músico e o coletivo de arte MSCHF de Nova York.

    Todos os 666 pares – ao preço de US $ 1.018 a unidade – esgotaram em menos de um minuto. Então a Nike se envolveu.

    O “Tênis de Satanás”, criação de Lil X Nas e o coletivo de arte MSCHF/ Divulgação

    A gigante das roupas esportivas primeiro se distanciou do design polêmico e, em seguida, entrou com um processo federal de violação de marca registrada contra o MSCHF. O coletivo de arte finalmente concordou em emitir um recall para os tênis e dar aos clientes um reembolso total.

    Lil X Nas, que não foi citado como réu, respondeu à reação nas redes sociais (onde mais?), com uma série de tweets engraçados e preocupantes e um falso pedido de desculpas no YouTube.

    Chloé Zhao fez história no Oscar

    Chloé Zhao também dirigiu o novo “Eternos”, filme com Angelina Jolie que estrou em novembro / WireImage

    Em abril, Chloé Zhao tornou-se a primeira mulher de ascendência asiática – e a primeira mulher de cor – a ganhar o prêmio de Melhor Diretor no Oscar. Reconhecida por seu filme “Nomadland”, um drama sobre aposentados americanos que seguem empregos sazonais enquanto vivem em suas vans, ela foi a segunda mulher a receber o prêmio (a primeira foi Kathryn Bigelow por “Guerra ao Terro”, em 2010).

    Antes do Oscar, Zhao também recebeu os prêmios de direção no Globo de Ouro de 2021, Critics Choice Awards e Directors Guild Awards.

    Pyer Moss fez história na alta costura

    Desde o lançamento da Pyer Moss em 2013, Kerby Jean-Raymond celebrou a negritude e a história do negro em cada uma das coleções de sua marca. Em julho, ele fez história como o primeiro estilista americano negro a ser convidado para se apresentar na Paris Haute Couture Fashion Week.

    Intitulado “Wat U Iz”, o desfile da Pyer Moss apresentava modelos em roupas gigantescas, fazendo referência a objetos do cotidiano criados pelo inventor negro, incluindo bicicletas, semáforos, saídas de incêndio e tabuleiros de xadrez. A ex-líder do Black Panther Party, Elaine Brown, falou antes da apresentação, que também teve o rapper 22Gz, do Brooklyn, se apresentando com uma orquestra ao vivo.

    Primeiro desfile de alta-costura da Balenciaga em 53 anos

    A marca francesa de luxo Balenciaga fez seu esperado retorno à alta-costura em julho. Foi o primeiro desfile desse tipo da marca desde que Cristóbal Balenciaga – que Christian Dior certa vez descreveu como “o mestre de todos nós” – fechou sua maison homônima há 53 anos.

    Para homenagear esse legado, a diretora de criação Demna Gvasalia fez a apresentação no local do salão original da grife, que estava fechado há mais de meio século, na Avenida George V, número 10, em Paris. O evento foi realizado em completo silêncio – uma demonstração de como o fundador da Balenciaga trabalhou e apresentou suas criações.

    Gvasalia remexeu nos designs icônicos do mestre costureiro enquanto demonstrava sua própria visão contemporânea ao apresentar um elenco diversificado de modelos.

    Nostalgia da princesa Diana atingiu novos patamares

    A quarta temporada de “The Crown” reacendeu nossa obsessão coletiva por Lady Diana no ano passado – mas nosso fascínio pelo falecido sucesso real atingiu novos patamares em 2021.

    Kristen Stewart como princesa Diana em 'Spencer'
    Kristen Stewart como princesa Diana em “Spencer” / Foto: Divulgação/Neon

    Primeiro foi a entrevista explosiva de Harry e Meghan na “Oprah”, que provocou novas comparações entre a Duquesa de Sussex e sua falecida sogra. Então, em junho, o lendário vestido de noiva de Diana foi exibido em sua antiga casa, no Palácio de Kensington.

    No mês seguinte, uma nova estátua solene foi inaugurada no Sunken Garden, no Palácio de Kensington, em Londres, para marcar seu 60º aniversário. E em novembro, o filme “Spencer” foi lançado em meio a aclamação da crítica pela atuação de Kristen Stewart no papel principal.

    Um vestido arco-íris iluminou as Olimpíadas

    Fogos de artifício iluminaram o céu de Tóquio em 23 de julho, quando os atrasados Jogos Olímpicos de verão finalmente começaram. A Cerimônia de Abertura foi reduzida, com atletas marchando em frente a milhares de assentos vazios devido às restrições da Covid-19. Mas, apesar das circunstâncias, também havia uma sensação de alegria no novo Estádio Olímpico.

    A cantora Misia se apresenta em Tóquio durante hasteamento da bandeira japonesa
    A cantora Misia se apresenta em Tóquio durante hasteamento da bandeira japonesa / Ashley Landis

    Nenhuma roupa refletia isso melhor do que o vestido arco-íris com babados do estilista de Tóquio, Tomo Koizumi, feito de dezenas de camadas de organza reciclada e usado pela cantora japonesa Misia, para apresentar o hino nacional de seu país, “Kimigayo”.

    Tom Daley tornou o crochê algo legal de novo

    Os Jogos Olímpicos nos trouxeram um desvio muito necessário da pandemia. A distração mais interessante de todas? O atleta britânico de saltos ornamentais Tom Daley.

    Tom Daley “crochetando” durante as Olimpíadas de Tóquio / Getty Images

    O medalhista de ouro do salto sincronizado, que começou a tricotar em março de 2020 para passar pelo lockdown, conquistou corações quando surgiu em uma foto online tricotando – o que mais tarde acabou por ser um suéter de cachorro.

    Outra imagem o mostrou trabalhando em um cardigã do Team GB enquanto observava seus colegas competidores à beira da piscina. Outras imagens adoráveis foram aparecendo e nasceu ali um herói.

    Neste mês, o campeão olímpico transformou o hobby em negócio ao lançar sua própria linha de kits de tricô, Made with Love por Tom Daley.

    Manifestações feitas no Met Gala

    Vários famosos usaram o Met Gala de setembro como uma plataforma para manifestações políticas e sociais – sem ter que dizer uma palavra.

    Cara Delevingne caminhou no tapete vermelho com “Peg the Patriarchy” gravado em um colete à prova de balas branco projetado por Maria Grazia Chiuri, da Dior. A estrela do futebol, Megan Rapinoe foi vista carregando uma bolsa com a frase “Em Gay Nós Confiamos”, e a congressista Carolyn B. Maloney exibiu um vestido inspirado nas sufragistas, com as palavras “Direitos Iguais às Mulheres”.

    Alexandria Ocasio-Cortez chega ao Met Gala 2021 com mensagem política estampada em vestido: ‘Taxem os ricos’ / Getty Images

    O vestido mais falado, porém, foi o da ativista Alexandria Ocasio-Cortez, que compareceu pela primeira vez ao evento. Seu vestido branco com o ombro de fora, da marca Brother Vellies, do designer sediada no Brooklyn, apresentava o slogan “Taxe os Ricos” rabiscado em letras em negrito na parte de trás do vestido.

    Para alguns observadores, foi uma declaração ousada e subversiva. Outros viram isso como um gesto vazio.

    “O meio é a mensagem”, escreveu Ocasio-Cortez no Instagram, em resposta aos seus detratores. “Agora é a hora de cuidar das crianças, cuidar da saúde e promover ações climáticas para todos. Taxe os ricos”.

    Arco do Triunfo embrulhado

    Durante o outono na Europa, por 16 dias os parisienses que passaram pelo Arco do Triunfo encontraram o marco coberto por um tecido. Era uma obra de arte póstuma efêmera do casal Christo e Jeanne-Claude, concluída pouco mais de um ano após a morte do artista, aos 84 anos.

    Arco do Triunfo Embrulhado: instalação no monumento Arco do Triunfo, em Paris/ REUTERS/Gonzalo Fuentes

    A instalação – intitulada “L’Arc de Triomphe Empaqueté” em francês e “Arco do Triunfo Embrulhado” em português – envolvia a ocultação do icônico monumento da Champs-Élysées em 25 mil metros quadrados de tecido prateado reciclável, junto com 3 mil metros de corda vermelha para amarrá-los.

    Christo e Jeanne-Claude começaram em 1961 a transformar espaços públicos em suas agora famosas obras de arte (exemplos notáveis incluem “Pont Neuf Wrapped”, de 1985, e “Wrapped Reichstag”, de 1995).

    O projeto do Arco do Triunfo levou quase seis décadas em construção: em 1962, Christo fez uma fotomontagem do monumento embrulhado e, em 1988, uma colagem. A instalação final levou cerca de três meses para ser concluída e só permaneceu no local até o início de outubro.

    “Sex and The City” foi regravado

    Boatos de que um spin-off de “Sex and the City” estava em andamento começaram a circular em janeiro. Mas foi só em julho, quando a HBO Max lançou a primeira imagem promocional da série, que os fãs e os loucos por moda começaram a especular sobre como seria o retorno de Carrie, Charlotte e Miranda (sem Samantha) – incluindo, é claro, suas roupas.

    Série deve ditar a moda em 2022, apesar de não ter sido tão bem recebida pelos fãs/ Divulgação

    O show, intitulado “And Just Like That”, estreou em dezembro e (talvez sem surpresa, dada a ausência da figurinista original Patricia Field) não correspondeu a expectativa. O spin-off recebeu menos do que críticas elogiosas, assim como os guarda-roupas dos personagens, que – embora impecáveis, luxuosos e cheios de referências nostálgicas a looks passados – não parecem tão caprichosas quanto naquela época.

    Ainda assim, as chances são de que a série ditará as peças dentro dos nossos armários em 2022 – talvez começando com um par de luvas pandêmicas deslumbrantes.

    Última homenagem a Virgil Abloh

    Em 28 de novembro, o mundo da moda foi surpreendido pela notícia inesperada de que o estilista revolucionário Virgil Abloh havia morrido, aos 41 anos, após uma batalha de dois anos contra o câncer. Abloh foi o diretor artístico de moda masculina da Louis Vuitton – o primeiro estilista negro a ocupar o cargo – e fundador da marca de streetwear de luxo Off-White.

    Virgil Abloh: o primeiro estilista negro da Louis Vuitton / REUTERS/Charles Platiau

    Para prestar homenagem, a Louis Vuitton transformou a apresentação da coleção Primavera/Verão 2022 de Abloh em uma celebração de sua vida. Intitulado “Virgil Was Here” (“Virgil Esteve Aqui”, em português), o desfile de moda de 18 minutos recebeu cerca de 1.500 convidados (entre eles Kaney West e Kim Kardashian West, Rihanna e Pharrell Williams) e foi transmitido ao vivo para todo o mundo.

    O desfile terminou com a voz de Abloh enchendo o estádio: “A vida é tão curta que você não pode perder nem um dia assinando o que alguém pensa que você pode fazer, em vez de saber o que você pode fazer”.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN