Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    • Pedro Paulo Carvalho Teixeira - Deputado Federal pelo PSD-RJ
    Ver mais sobre o autor
    • Pedro Paulo Carvalho Teixeira - Deputado Federal pelo PSD-RJ

      Pedro Paulo Carvalho Teixeira é deputado federal pelo PSD do Rio de Janeiro.

      Desempenhou diversas funções no setor público no Rio: foi subprefeito, secretário de Meio Ambiente, chefe da Casa Civil e Secretário de Fazenda e Planejamento.

      Economista com MBA em Análise de Conjuntura Econômica pela UFRJ, cursou mestrado em Economia Regional pela Universidade Federal Fluminense e é mestre em Politica Aplicada pela FIIAP, fundação associada a UCM – Universidad Complutense de Madri na Espanha.

      Fechar
    opinião

    Saidinhas: o que já mudou na lei e porque a visita à família deve ser mantida

    A Lei de Execução Penal (LEP) mudou. Depois de treze anos de discussão, desde que eu apresentei o projeto original, PL 583/2011, que iniciou o debate sobre o aperfeiçoamento das regras para as saídas temporárias, três dispositivos principais foram alterados e entraram em vigor em 2024: a amplitude da tipificação dos crimes pelos quais os presos não têm direito ao benefício; a obrigatoriedade do exame criminológico para a progressão de pena e a permissão legal para que o juiz de execução determine o uso da tornozeleira eletrônica, independentemente do tipo de regime.

    Das três mudanças, a mais significativa – do ponto de vista do clamor da sociedade – é a que diz respeito à ampliação da tipificação dos crimes que impedem a “saidinha”. Isso porque a alteração no texto abraçou um leque de delitos que antes não eram abrangidos, como os assaltos com arma branca (que é classificação para facas e similares), crimes que entram na esteira dos temores diários de quem vive nos grandes centros e que reforçam os argumentos daqueles contrários ao instituto das saídas temporárias.

    É importante ressaltar que o novo dispositivo em vigor não inclui apenas esses crimes. A não exigência do resultado morte para crimes hediondos e a ampliação para abranger qualquer crime praticado com violência ou com grave ameaça alcançará agora um número muito maior de criminosos que praticaram delitos graves, mas cuja vítima continua viva, como o estupro, o sequestro e a exploração sexual de criança ou adolescente ou de vulnerável. Vale frisar: até a entrada em vigor da Lei n. 14.843, desse ano, caso a vítima do estupro não tivesse sido morta, o preso poderia vir a ter direito à saída temporária. Desde o mês passado, isso não poderá mais acontecer.

    Com essa mudança na legislação de execução penal, a fatia da população carcerária em regime semiaberto que poderia ter acesso às saídas temporárias automaticamente já diminuirá. Além do público carcerário mais restrito, o instituto da saidinha agora conta com a obrigatoriedade de mais um item no check-list, que até então incluía o cumprimento de ⅙ ou ¼ da pena e bom comportamento: a realização do exame criminológico, que é uma avaliação psicológica e social que classifica os presos conforme a personalidade e antecedentes criminais. Esse é um mecanismo que já existiu na LEP (de 1984 até 2003), mas que volta vestido de exigência para a progressão de pena, como uma forma de assegurar que os presos liberados para o convívio com a sociedade estejam aptos para essa reinserção gradual.

    Gradual é o termo correto porque, no sistema prisional brasileiro, o avanço dos regimes que desbloqueiam o acesso a determinados benefícios – como estudar, trabalhar e sair para visitar a família – está fundamentado numa série de regramentos específicos, aplicados de forma individualizada, considerando a realidade de cada preso.

    No regime fechado, por exemplo, que é o mais restritivo no Brasil, tomando por base o princípio da individualização da pena, caso o juiz julgue adequado, existe a possibilidade de o preso sair da unidade prisional para trabalhar em serviços ou obras públicas, sob vigilância constante.

    Ao progredir para o regime semiaberto, há uma ampliação das frentes de trabalho em ambientes extramuros, que no caso deve ser colônia agrícola, industrial ou similar. O juiz pode ainda permitir que o preso frequente cursos supletivos profissionalizantes e de instrução de 2º grau ou superior.

    Tudo isso permanece igual. A pauta em discussão no Congresso, agora, é a manutenção ou a derrubada do veto presidencial que permite que o preso – que não cometeu nenhum dos crimes do rol listado acima – siga tendo direito a visitar a família e a participar de atividades que concorram para o retorno ao convívio social. Essas saídas temporárias pontuais são decididas pelo poder judiciário e podem ocorrer até 5 vezes ao ano, por – no máximo – 7 dias, coincidindo com datas comemorativas, como Natal e Dia das Mães.

    Num sistema carcerário superlotado e com condições que levaram o Supremo Tribunal Federal a considerá-lo um sistema no qual se vive um “estado de coisas inconstitucional”, em face da violação generalizada e sistêmica de direitos fundamentais, as saídas temporárias são a esperança que motiva a manutenção do bom comportamento e o cumprimento da pena da forma mais adequada para agilizar o retorno à realidade.

    Tirar dos presos os raros reencontros com a família é privar o apenado e os familiares do convívio que estreita e fortalece os laços afetivos, negando a manutenção da humanidade que os conecta. Certo de que o rigor já aplicado pela atualização da Lei de Execução Penal restringiu o acesso ao instituto, endurecendo as regras e deixando o processo mais criterioso, defendo a manutenção do veto presidencial como garantia do direito da pessoa privada da liberdade, que ocorre de maneira paralela ao destensionamento provisório de um sistema que clama por aprimoramentos.

    Fórum CNN

    Os artigos publicados pelo Fórum CNN buscam estimular o debate, a reflexão e dar luz a visões sobre os principais desafios, problemas e soluções enfrentados pelo Brasil e por outros países do mundo.

    Os textos publicados no Fórum CNN não refletem, necessariamente, a opinião da CNN.

    Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da CNN Brasil.