Condenado pela morte do pai de Michael Jordan terá liberdade condicional em 2023

James Jordan foi morto em 23 de julho de 1993 enquanto dormia em seu carro. Um dos co-autores do crime, Larry Demery conseguiu liberdade condicional

Madeline Holcombe, da CNN
19 de agosto de 2020 às 04:28 | Atualizado 19 de agosto de 2020 às 04:34
Michael Jordan
Foto: Albert Gea/Reuters (23.out.2006)

Um dos homens condenados pelo assassinato de James Jordan, pai da lenda do basquete Michael Jordan, conseguiu liberdade condicional, segundo autoridades estaduais.

Larry Demery obteve direito liberdade condicional através do Mutual Agreement Parole Program (MAPP), um programa escolar e vocacional, de acordo com um comunicado divulgado na terça-feira pela Comissão de Supervisão Pós-Liberação da Carolina do Norte.

A data da liberdade condicional de Demery foi marcada para 6 de agosto de 2023.

Leia também:
Há 100 anos, sufragistas americanas conquistavam direito ao voto feminino


James Jordan foi morto em 23 de julho de 1993 enquanto dormia em seu carro em uma rodovia em Lumberton, Carolina do Norte. Demery e seu co-réu Daniel Green foram ambos condenados por assassinato em primeiro grau e sentenciados à prisão perpétua.

A Carolina do Norte eliminou a liberdade condicional de crimes cometidos em ou depois de 1º de outubro de 1994. Mas como Demery foi condenado antes da mudança nas diretrizes, ele ainda era elegível, disse o comunicado.

Um representante de Michael Jordan disse que não tem comentários sobre o assunto no momento. Em um documentário sobre Jordan, chamado "The Last Dance", ele chamou seu pai de "rock".

O carro que James Jordan dirigia na noite de sua morte foi um presente de seu filho. Ele saiu da estrada para tirar uma soneca naquela noite.

Demery disse que ele e Green estavam se preparando para roubar um motel quando o carro caro chamou sua atenção e eles mudaram de alvo. Jordan acordou e perguntou o que estava acontecendo quando ele foi baleado, disse Demery durante o julgamento.

Demery afirmou que não tinham ideia de quem era a vítima até que vasculharam seus pertences.

"Eu acredito que matamos o pai de Michael Jordan", teria dito Green a ele. Eles levaram seu corpo para um pântano perto de Bennettsville, Carolina do Sul, disse Demery.