Afeganistão não pode voltar a ser um ‘refúgio para terroristas’, diz Macron

Em discurso, presidente francês disse que a desestabilização do país após tomada pelo Talibã poderia aumentar fluxos migratórios na Europa

Presidente da França, Emmanuel Macron
Presidente da França, Emmanuel Macron Foto: Chesnot/Getty Images

Saskya Vandoorne, da CNN

Ouvir notícia

O Afeganistão não pode voltar a ser um “refúgio para terroristas”, disse o presidente francês Emmanuel Macron num discurso nacional televisionado nesta segunda-feira (16). 

“É um desafio para a estabilidade e paz internacionais e faremos tudo com a Rússia, os Estados Unidos e a Europa para cooperar eficazmente, uma vez que os nossos interesses são os mesmos”, disse Macron.

Falando do Forte de Brégançon, a residência de verão dos presidentes franceses, Macron disse que era dever da França “proteger aqueles que nos ajudaram: intérpretes, motoristas, cozinheiros e tantos outros”. 

Num discurso que durou pouco mais de dez minutos, Macron disse que a desestabilização do Afeganistão poderia levar a fluxos migratórios para a Europa.

“Iremos, portanto, tomar uma iniciativa, com a Alemanha e outros países europeus, para construir sem demora uma resposta robusta, coordenada e unida, que envolverá a luta contra os fluxos irregulares”, afirmou.

Macron disse que a luta no Afeganistão era “justa” e que “é uma honra para a França ter-se empenhado nessa luta”. “A França só teve um inimigo por lá: o terrorismo”, afirmou.

 

Mais Recentes da CNN