Alemanha nomeia epidemiologista ‘pop star’ como ministro da Saúde

Karl Lauterbach ficou famoso nas redes sociais alertando a população sobre a necessidade de se vacinar

Mulher é vacinada em centro na Alemanha
Mulher é vacinada em centro na Alemanha dpa/picture alliance via Getty I

Joseph Nasrda Reuters

Ouvir notícia

Karl Lauterbach, epidemiologista formado em Harvard, com uma queda por gravatas-borboleta vermelhas, se tornou um nome conhecido na Alemanha durante a pandemia, usando o Twitter e fazendo aparições na televisão para estimular a implementação rápida de novas ideias para combater o coronavírus.

Como novo ministro da saúde da Alemanha, o legislador social-democrata (SPD) de 57 anos terá de dizer mais do que palavras a um público frustrado — que espera o novo governo do chanceler Olaf Scholz — para encontrar uma saída para a pandemia.

A Alemanha, elogiada durante a primeira onda da Covid-19 por manter as mortes e infecções relativamente baixas, registrou 527 óbitos hoje em uma quarta onda que sobrecarregou hospitais e forçou as autoridades a restringir os não vacinados.

As autoridades de saúde saudaram a nomeação de Lauterbach e disseram que sua primeira prioridade deveria ser quebrar a resistência à vacinação em um país onde apenas 69,2% da população está totalmente imunizada em comparação com 87,3% em Portugal.

“O principal desafio que ele enfrenta é convencer aqueles que ainda não foram vacinados a se vacinarem”, disse Dirk Heinrich, presidente da associação alemã de médicos em Virchowbund.

“Ele tem que motivá-los com uma campanha positiva e uma mensagem simples: ‘Se você se vacinar, estará fazendo um grande favor a si mesmo e às pessoas ao seu redor.'”

O governo de Angela Merkel foi criticado por se comunicar com o público durante a pandemia, o que resultou em confusão e frustração.

Os críticos apontaram para a decisão do governo em outubro de recomendar reforços para pessoas com 60 anos ou mais, contradizendo um comitê científico que recomendou injeções extras para pessoas com 70 anos ou mais.

Lauterbach orientou o governo no final do verão a começar a oferecer reforços, apontando para Israel, que em julho se tornou o primeiro país do mundo a lançar uma campanha de reforço.

Profissional de saúde mostra frasco de vacina da AstraZeneca contra Covid-19/ REUTERS/Ricardo Moraes

Aposta de Risco

Em abril, ele apontou estudos que mostram a eficácia de uma única dose de vacina na redução de hospitalizações.

Como as doses da vacina eram escassas quando foram disponibilizadas pela primeira vez, ele instou o governo a estender para até 12 semanas a lacuna entre a primeira e a segunda injeção, para que mais pessoas recebessem a primeira dose, estratégia adotada inicialmente na Grã-Bretanha.

Suas intervenções bem posicionadas e independentes e uma conversa com classe trabalhadora — que lhe rendeu mais de 700 mil seguidores no Twitter — fizeram dele uma voz confiável entre um público frustrado com a elite política.

Durante seu primeiro discurso para a equipe no Ministério da Saúde nesta quarta-feira, Lauterbach disse que a gestão da pandemia será guiada por evidências científicas, não por considerações políticas.

“A política de saúde só pode ter sucesso se estiver ancorada em evidências científicas. Nosso principal objetivo é acabar com esta pandemia. Thorsten Benner, do Global Public Policy Institute (GPPi), disse que Scholz não tinha escolha a não ser nomear Lauterbach como ministro da saúde devido ao seu status de “pop star”.

“Acho que a esperança de Scholz é que, se Lauterbach tiver sucesso no gerenciamento diário da pandemia, Scholz possa se concentrar em outras prioridades de governo”, disse Benner.

“A alternativa seria ter que viver com Lauterbach como um ministro da saúde dos corações paralelo”. A campanha de vacinação da Alemanha aumentou nas últimas duas semanas, com quase um milhão de vacinas entregues a cada dia.

Benner disse que a insistência de Lauterbach na orientação científica pode colocá-lo em conflito com colegas da aliança de coalizão de Scholz entre o SPD e os verdes e os democratas livres pró-negócios (FDP).

O FDP em particular poderia se opor a quaisquer planos futuros de impor restrições mais duras à vida diária se a onda não fosse contida para proteger uma frágil recuperação econômica. A aposta de Scholz é arriscada”, disse Benner.

“Lauterbach sabe que se ele ofuscar e perturbar os parceiros da coalizão e Scholz, será o fim de seu mandato.”

(Reportagem adicional de Ludwig Burger em Frankfurt/ Edição de Mark Heinrich)

Mais Recentes da CNN