Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Com aproximação da Arábia Saudita, China diminui domínio dos EUA no Oriente Médio

    Futuro príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman vem se aproximando do líder chinês, Xi Jinping

    Mohammed Bin Salman e Xi Jinping
    Mohammed Bin Salman e Xi Jinping Reprodução

    Nic Robertsonda CNN

    Em um ato diplomático, a China mediou uma reaproximação entre a Arábia Saudita e o Irã, diminuindo o domínio dos Estados Unidos no Golfo e no Oriente Médio.

    Enquanto os Estados Unidos irritaram seus aliados do Golfo ao restringir o fornecimento de armas e esfriar as relações, o futuro príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, conhecido como MBS, se aproximou do líder da China, Xi Jinping.

    Ambos são ousados, assertivos, dispostos a assumir riscos e aparentemente compartilham ambições insaciáveis.

    O anúncio de sexta-feira (10) de que Riad e Teerã haviam renovado os laços diplomáticos foi inesperado, mas não deveria. É o acúmulo lógico das limitações diplomáticas dos Estados Unidos e da busca crescente da China para moldar o mundo em sua órbita.

    A alegação de Pequim de que “a China não persegue nenhum interesse egoísta no Oriente Médio” soa vazia, já que ela compra mais petróleo da Arábia Saudita do que qualquer outro país do mundo.

    Xi precisa de energia para fazer crescer a economia da China, garantir a estabilidade interna e alimentar sua ascensão como potência global.

    Seu outro principal fornecedor, a Rússia, está em guerra, portanto, seus suprimentos estão em questão.

    Ao diminuir as tensões entre a Arábia Saudita e o Irã, Xi não está apenas fortalecendo suas alternativas energéticas, mas, em um clima de crescente tensão com os EUA, também evitando possíveis restrições do seu acesso ao petróleo do Golfo.

    A motivação de Xi parece alimentada por interesses mais amplos, mas, mesmo assim, o Departamento de Estado dos EUA aceitou a surpresa, segundo o porta-voz Ned Price.

    “Apoiamos qualquer coisa que sirva para diminuir as tensões na região e potencialmente ajudar a prevenir conflitos”, disse.

    O Irã tem adesão porque a China tem influência econômica. Em 2021, a dupla assinou um acordo comercial supostamente no valor de até US$ 400 bilhões em investimentos chineses ao longo de 25 anos, em troca de um fornecimento constante de petróleo iraniano.

    Teerã está isolada por sanções internacionais e Pequim está oferecendo um vislumbre de alívio financeiro.

    E, nas palavras do líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, no ano passado, “também há esperança de vir mais parcerias”, pois ele vê o poder geopolítico se deslocando para o leste.

    “A Ásia se tornará o centro do conhecimento, o centro da economia, bem como o centro do poder político e o centro do poder militar”, disse Khamenei.

    A Arábia Saudita tem adesão porque a guerra com o Irã destruiria sua economia e arruinaria o jogo do MBS pelo domínio regional. Suas visões ousadas para o futuro pós-combustível fóssil do país e a estabilidade doméstica dependem do investimento interno.

    Influência dos EUA em declínio

    As guerras americanas no Iraque e no Afeganistão queimaram boa parte da capital diplomática americana no Oriente Médio.

    Muitos no Golfo veem o desenvolvimento da guerra na Ucrânia como uma aventura americana desnecessária e perigosa, e algumas das reivindicações territoriais do presidente russo Vladimir Putin sobre a Ucrânia não são sem sentido.

    O que o Ocidente global vê como uma luta por valores democráticos não é o mesmo que as autocracias do Golfo enxergam, e o conflito não as consome da mesma forma que os líderes das capitais europeias.

    A Arábia Saudita, e MBS em particular, ficaram particularmente frustrados com a diplomacia cambaleante dos Estados Unidos: recuando nas relações sobre o papel do príncipe herdeiro no assassinato do colunista do Washington Post Jamal Khashoggi (o que MBS nega); em seguida, pedindo-lhe que cortasse a produção de petróleo rapidamente, seguido de pedidos para aumentá-la.

    Essas inconsistências levaram os sauditas a direcionar a política para seus interesses nacionais e menos para as necessidades dos Estados Unidos.

    Durante sua visita à Arábia Saudita em julho passado, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse: “Não vamos nos afastar e deixar um vácuo para ser preenchido pela China, Rússia ou Irã”. Parece que agora os outros estão se afastando dele.

    China intensifica

    Da parte de Pequim, a intervenção da China no Golfo sinaliza suas próprias necessidades, e a oportunidade de agir chegou de uma só vez.

    Xi ajudou a si mesmo porque pode. O líder chinês é um tomador de risco.

    Seu fim abrupto das severas restrições da pandemia de Covid-19 em casa é apenas um exemplo, mas este é um lance de dados mais complexo.

    A mediação no Oriente Médio pode ser um cálice envenenado, mas, por maiores que sejam os ganhos potenciais para a China, as implicações mais amplas para a ordem regional e até global são quantificavelmente maiores e repercutirão por anos.

    No entanto, os prenúncios desse abalo e a escala de seu impacto estão à vista há meses. A recepção de alto perfil de Xi no tapete vermelho em Riad em dezembro passado para sua primeira visita ao exterior depois de abandonar sua política doméstica de “Covid-zero” agitou as águas.

    Durante essa viagem, autoridades sauditas e chinesas assinaram dezenas de acordos no valor de dezenas de bilhões de dólares.

    O Ministério das Relações Exteriores da China alardeou a visita de Xi, prestando atenção especial a um projeto de infraestrutura em particular: “A China aprofundará a cooperação industrial e de infraestrutura com a Arábia Saudita e promoverá o desenvolvimento do Parque Industrial China-Arábia Saudita (Jizan)”.

    O projeto Jizan, parte da iniciativa do cinturão e estrada da China, anuncia um enorme investimento em torno do antigo porto do Mar Vermelho, atualmente o terceiro maior da Arábia Saudita.

    Jizan fica perto da fronteira com o Iêmen, cenário de uma sangrenta guerra civil e batalha por procuração entre Riad e Teerã desde 2014, provocando o que as Nações Unidas descreveram como a pior crise humanitária do mundo.

    Significativamente desde a visita de Xi, os ataques episódicos dos rebeldes Houthi apoiados pelo Irã em Jizan diminuíram.

    Há outros efeitos também: os planos de aprimorar o manuseio de contêineres de Jizan colocam a Arábia Saudita em maior competição com os portos de contêineres dos Emirados Árabes Unidos e potencialmente pressionam outra rivalidade regional, à medida que a MBS se esforça para se tornar a potência regional dominante, usurpando o papel dos Emirados Árabes como centro regional para negócios globais.

    Xi terá interesse em ver tanto a Arábia Saudita quanto os Emirados Árabes Unidos prosperarem, mas a Arábia Saudita é de longe o parceiro com maior potencial de peso econômico global e, mais importante, enorme influência religiosa no mundo islâmico.

    Rivais compartilham um terreno comum na política do Irã

    Os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita se alinham fortemente em evitar o conflito direto com Teerã.

    Um ataque mortal de drones em Abu Dhabi no final do ano passado foi reivindicado pelos Houthis, antes que os rebeldes rapidamente o rescindissem. Mas ninguém culpou publicamente os patrocinadores dos Houthis em Teerã.

    Um cessar-fogo antes instável no Iêmen agora também parece estar caminhando para negociações de paz, talvez mais uma indicação do potencial da influência da China na região.

    Pequim está perfeitamente ciente do que uma guerra contínua sobre o Golfo Pérsico pode custar a seus interesses comerciais – outra razão pela qual uma reaproximação Arábia/Irã faz sentido para Xi.

    O Irã culpa a Arábia Saudita por alimentar os protestos de rua em massa em suas cidades desde setembro.

    A Arábia Saudita nega essa acusação, mas quando o Irã moveu drones e mísseis de longo alcance para perto de sua costa do Golfo e da Arábia Saudita, Riad pediu a seus amigos que pedissem a Teerã que diminuísse a escalada. A Rússia e a China o fizeram e a ameaça se dissipou.

    Dúvidas permanecem sobre armas nucleares

    Teerã, apesar dos esforços diplomáticos dos EUA, também está se aproximando da capacidade de armas nucleares e o MBS saudita diz que garantirá a paridade. “Se o Irã desenvolver uma bomba nuclear, seguiremos o exemplo o mais rápido possível”.

    No final da semana passada, autoridades dos EUA disseram que a Arábia Saudita estava buscando garantias de segurança americana e ajuda no desenvolvimento de um programa nuclear civil como parte de um acordo para normalizar as relações com Israel, um inimigo declarado dos aiatolás do Irã.

    De fato, quando o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, visitou Israel no final de janeiro, preocupado com o aumento do número de palestinos mortos em um ano violento na região, possíveis expansões de assentamentos e mudanças controversas no judiciário de Israel, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu falou com Blinken sobre “expandir o círculo de paz”, melhorando as relações com os vizinhos árabes, incluindo a Arábia Saudita.

    Mas, à medida que a Arábia Saudita parece se aproximar de Teerã, a missão de Netanyahu ficou mais difícil. Embora sauditas e israelenses se oponham fortemente a um Irã com armas nucleares, apenas Netanyahu parece pronto para enfrentar Teerã.

    “Minha política é fazer tudo dentro do poder de Israel para impedir que o Irã adquira armas nucleares”, disse o líder israelense a Blinken.

    Riad favorece a diplomacia. Na semana passada, o ministro das Relações Exteriores saudita disse: “É absolutamente crítico que encontremos um caminho alternativo para garantir um programa nuclear civil (iraniano)”.

    Ao melhorar os laços com Teerã, disse ele, “podemos deixar bem claro para os iranianos que isso não é apenas uma preocupação de países distantes, mas também de seus vizinhos”.

    Durante anos, foi isso que os Estados Unidos fizeram, como intermediar o acordo nuclear com o Irã, ou JCPOA, em 2015.

    Xi apoiou esse acordo, os sauditas não o quiseram, o Irã nunca confiou nele, a retirada do antecessor de Biden, Donald Trump, confirmou os temores do Irã e selou seu destino, apesar das negociações de proximidade em andamento para colocar os diplomatas americanos sentados à mesa novamente.

    Nesse ínterim, o Irã correu à frente, ultrapassando massivamente os limites dos limites do JCPOA para o enriquecimento de urânio e produzindo material quase para armas.

    O pior para Washington é que o legado de retirada do JCPOA de Trump manchou as percepções internacionais sobre o compromisso, a continuidade e a diplomacia dos EUA. Todas essas circunstâncias talvez tenham sinalizado para Xi que sua hora de assumir a liderança na diplomacia global estava chegando.

    No entanto, o líder chinês parece compreender o que Netanyahu não aceita e o que a diplomacia dos EUA não consegue impedir: que mais cedo ou mais tarde o Irã terá uma arma nuclear. Como tal, Xi pode estar promovendo a reaproximação saudita-iraniana como uma proteção contra esse dia.

    Peças do quebra-cabeça regional mudando

    A suposição de trabalho da primazia regional diplomática americana está quebrada, e o maior aliado de Netanyahu agora não é tão hegemônico quanto ele precisa. Mas quanto ainda está longe de ser claro.

    Não é um nocaute, mas um golpe no estômago para Washington. Os EUA não acabaram, longe disso, mas diminuíram, e ambas as potências coexistem de forma diferente agora.

    No início deste mês, o líder chinês fez comentários diretos incomuns acusando os EUA de liderar uma campanha contra a China e causar sérios problemas domésticos.

    “Os países ocidentais liderados pelos Estados Unidos nos contiveram e nos reprimiram de maneira abrangente, o que trouxe desafios severos sem precedentes ao nosso desenvolvimento”, disse Xi a um grupo de conselheiros governamentais que representam empresas privadas à margem de uma reunião legislativa anual em Pequim.

    Enquanto isso, Biden definiu o futuro relacionamento EUA-China como “competição, não confronto” e construiu sua política externa em torno dos princípios de defender a democracia.

    É impressionante que nem Xi, nem Khamenei, nem MBS se preocupem com os dilemas morais que circunscrevem Biden. Este é o grande desafio sobre o qual o presidente dos Estados Unidos alertou, e que agora está aqui. Uma ordem mundial alternativa, independente do que aconteça na Ucrânia.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original