Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Por que rivais republicanos de Trump não ousam atingir seu ponto fraco

    Embora 55% dos americanos pensam que a invasão do Capitólio é ataque à democracia que nunca deve ser esquecido, 72% dos republicanos acham que é hora de seguir em frente

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump
    Ex-presidente dos EUA Donald Trump 19/12/2023REUTERS/Scott Morgan

    Stephen Collinsonda CNN

    Os rivais mais próximos e cada vez mais desesperados de Donald Trump nas primárias estão intensificando os seus ataques, o acusando de mentir sobre eles, de ter medo dos debates e até de ser um fracasso como presidente.

    Mas faltando apenas cinco dias para as prévias de Iowa, o governador da Flórida, Ron DeSantis, e a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, não ousarão criticar o favorito republicano por seu principal ponto fraco que poderia prejudicá-lo nas eleições gerais e irá assombrá-lo na história: seu ataque à democracia americana.

    A reticência deles pode sugerir má prática de campanha e trair uma falta de coragem política, à medida que Trump adota um tom cada vez mais autocrático antes de uma possível presidência que ele promete usar para retribuição pessoal.

    Na verdade, como um eleitor de Iowa disse a DeSantis em uma pergunta escrita na assembleia da Grey TV na terça-feira (2): “Por que você protege Trump? Do que você está com medo?”.

    Mas a postura dos seus oponentes faz sentido estratégico, dado que o ex-presidente parece ter um controle ainda mais firme sobre o Partido Republicano do que quando deixou Washington depois de tentar anular as eleições de 2020. O domínio de Trump baseia-se em parte no seu caráter perturbador, na recusa em seguir as regras e no estatuto de herói popular junto dos eleitores republicanos.

    Mas o seu poder também é reforçado pelo desinteresse generalizado da base em qualquer tentativa de chamá-lo a prestar contas pelo seu comportamento antidemocrático e pela ideia de que ele deveria assumir qualquer culpa por ultrajes como o ataque dos seus apoiadores ao Capitólio dos EUA.

    Tal como quando era presidente, quando o seu domínio enfrentou os críticos do Partido Republicano no Congresso, a superpotência de Trump está protegendo-o das consequências das suas ações e tornando politicamente impossível aos rivais nas primárias, que querem ganhar uma parte dos seus eleitores, responsabilizá-lo.

    Antes de um período de duas semanas em que enfrentará uma série impressionante de obrigações judiciais e possíveis reveses em seus casos, Trump deu um novo passo na terça-feira (3) no complexo emaranhado jurídico causado por seu constante desafio às restrições políticas.

    Ele interpôs recurso contra uma decisão do secretário de Estado democrata do Maine de tirá-lo das urnas devido à proibição da 14ª Emenda aos “insurrecionistas”. Isso se seguiu à decisão da Suprema Corte do Colorado de fazer o mesmo, da qual ele também deverá apelar. Ambos os casos provavelmente acabarão na Suprema Corte dos EUA.

    Apoiadores do então presidente dos EUA, Donald Trump, atacam o Capitólio em Washington / 06/01/2021 REUTERS/Leah Millis

    Se a história servir de guia, a questão eleitoral – que é constitucionalmente controversa mesmo entre muitos juristas liberais – vinculará ainda mais Trump à sua base de eleitores, tal como o fizeram as suas quatro acusações criminais e o seu julgamento por fraude civil em Nova York.

    E isso fará com que DeSantis e Haley procurem mais uma vez uma forma de atacar Trump, sem alienar os republicanos que ainda sentem carinho por ele.

    DeSantis está desesperado por uma abertura

    DeSantis, que conta com um resultado frustrante em Iowa para reviver uma campanha que antes prometia ser um rolo compressor em todo o país, atacou o ex-presidente na terça-feira por se recusar a se comprometer com um debate da CNN na próxima semana no estado de Hawkeye. Ele sugeriu que seria um implementador do trumpismo no Salão Oval muito melhor do que seu autor.

    “Por que ele não deveria ter que responder perguntas? Ele está trabalhando em coisas como deportar ilegais e construir um muro, mas fez isso em 2016 e não conseguiu. Então, acho que ele deve respostas a essas perguntas”, disse DeSantis.

    Mais tarde, na Câmara Municipal da Grey TV, o governador da Florida também negou ter aliviado para Trump e insistiu que tinha traçado um forte contraste com o ex-presidente.

    Haley – em campanha em New Hampshire, onde espera emergir como a última alternativa permanente a Trump – disse aos eleitores que os novos ataques acalorados do ex-presidente contra ela mostram que ele está preocupado com o desafio que ela impõe.

    “Nos comerciais dele e nos acessos de raiva, tudo o que ele disse era mentira. Tudo. Procurei algum grão de verdade, cada um deles”, disse ela, rejeitando as afirmações de Trump sobre sua política tributária sobre a gasolina enquanto governadora.

    “A coisa mais importante de que todos falam é o quão boa era a economia sob Trump. Estava, não é? Mas a que custo? Ele nos colocou em dívidas de US$ 8 trilhões em apenas quatro anos”, disse ela, acrescentando mais tarde: “Você não finge ter uma boa economia nos endividando”.

    Haley e DeSantis em debate dos pré-candidatos presidenciais republicanos em Simi Valley, na Califórnia / 27/09/2023 REUTERS/Mike Blake

    Mas, tal como DeSantis, Haley não tocou no elefante antidemocrático na sala. E enquanto intensificam o seu foco em Trump, Haley e DeSantis estão agora lançando ataques violentos um contra o outro.

    Um anúncio de um super PAC (comitês de ação política) pró-Haley em funcionamento em Iowa classifica DeSantis como “falso” e “ruim demais para liderar”. A sala de guerra política DeSantis tem criticado Haley como “Tricky Nikki” (“Nikki complicada”, na tradução livre). O tom cruel reflete o fato de Haley e DeSantis necessitarem urgentemente de emergir a partir de janeiro como a alternativa clara a Trump para sobreviver na corrida presidencial.

    O seu antagonismo mútuo antes do início oficial da corrida de nomeação do Partido Republicano em Iowa, em 15 de janeiro, fez com que muitos observadores acreditassem que eles estão presos em uma corrida pelo segundo lugar em uma disputa nacional. Trump garantir a aprovação do Partido Republicano seria um regresso político impressionante apenas três anos depois de submeter a democracia dos EUA ao seu maior teste nos tempos modernos.

    Embora muitos americanos e grande parte do mundo livre vejam com horror a perspectiva da sua volta ao poder, o domínio contínuo de Trump entre os republicanos reflete uma enorme desconexão da percepção política e factual que destrói o meio da América.

    A maioria dos republicanos tem pouca paciência com a ideia de que a democracia está ameaçada

    Embora os democratas e a mídia se fixem nas consequências para a democracia em um segundo mandato de Trump, há uma notável falta de apetite entre os eleitores republicanos pela responsabilização pelo que aconteceu no final da última presidência.

    Essa longa antipatia em considerar os acontecimentos de janeiro de 2021 moldou há muito o comportamento dos principais líderes do Partido Republicano em Washington. Em um novo sinal do poder de Trump na terça-feira, o líder da maioria republicana na Câmara, Steve Scalise, da Louisiana, apoiou formalmente o ex-presidente.

    E uma nova pesquisa publicada na terça-feira pelo The Washington Post e pela Universidade de Maryland mostrou que os eleitores republicanos estão cada vez menos interessados em responsabilizar Trump por 6 de janeiro de 2021.

    Embora 55% de todos os adultos dos EUA vejam a invasão do Capitólio como um ataque à democracia que nunca deve ser esquecido, 72% dos republicanos acham que é hora de seguir em frente. Há dois anos, 27% dos republicanos pensavam que Trump tinha “uma grande” ou “uma boa” responsabilidade pelo ataque. Agora, apenas 14% acham isso, segundo a pesquisa, que se seguiu a meses em que Trump retratou os detidos pelo ataque como prisioneiros políticos.

    Embora a democracia seja o foco de muitos legisladores, especialistas e jornalistas no mundo político, é uma questão menos tangível no resto do país, onde os preços altos resultantes da pandemia de Covid-19, por exemplo, têm mais ressonância na maioria dos eleitores.

    A pesquisa com os eleitores republicanos mostra porque é que Trump achou tão fácil capitalizar as suas múltiplas acusações e episódios como o Colorado e o Maine que o tiraram das urnas. E explica por que DeSantis e Haley criticam Trump indiretamente, mas ainda não o confrontaram por levar a democracia americana ao limite.

    “Isso foi levado à nação por meio do impeachment. Ele foi absolvido. Acho que 6 de janeiro está incluído no bolo. Acho que os casos de Jack Smith não estão mudando o resultado político nas pesquisas”, disse o senador republicano da Carolina do Sul, Lindsey Graham, no domingo (31), referindo-se ao procurador especial que está conduzindo dois processos criminais federais contra o ex-presidente.

    “No final das contas, Donald Trump está em uma boa posição para vencer as primárias republicanas, porque os republicanos acreditam que ele teve uma boa presidência”, disse Graham.

    Os comentários de Graham refletem o sentimento predominante entre os eleitores republicanos após anos de falsas alegações de fraude eleitoral de Trump e agora acusa o presidente Joe Biden de interferência eleitoral, ao mesmo tempo que se apresenta como o salvador da democracia americana.

    Essas alegações foram promovidas durante três anos pela mídia conservadora em meio à profunda desconfiança nos principais meios de comunicação que relatam o que aconteceu em 6 de janeiro.

    Em junho, Trump disse aos seus apoiadores que via as suas duas acusações como um “distintivo de honra” e que “estou sendo indiciado por você”. Os eventos subsequentes nas convenções partidárias de Iowa sugerem que a estratégia está funcionando.

    Abertura de Biden

    Trump pode não conseguir uma acomodação semelhante nas eleições gerais. Biden, que enfrenta números desanimadores nas pesquisas e ansiedades até mesmo entre sua própria base quanto à sua idade, está moldando sua candidatura à reeleição em torno da alegação de que Trump e os “extremistas republicanos do MAGA (Make America Great Again)” representariam uma grave ameaça à democracia.

    Presidente dos EUA, Joe Biden, em cerimônia na Casa Branca / 11/12/2023 REUTERS/Elizabeth Frantz/Pool

    Essa estratégia pode funcionar em alguns lugares porque Trump alienou eleitores críticos dos estados indecisos em sucessivas eleições nacionais com o seu comportamento e retórica extremos. Embora com Trump liderando Biden nas recentes pesquisas estaduais, ainda não esteja claro se o manual será suficiente para garantir um segundo mandato a Biden.

    Entre o Partido Republicano, no entanto, simplesmente não há eleitorado para atacar Trump nesta questão. O único candidato remanescente com visibilidade que critica abertamente Trump como uma ameaça aos valores dos EUA é Chris Christie. O ex-governador de Nova Jersey também satirizou Haley por seus comentários eufemísticos de que é hora de superar o “caos” e o drama de Trump.

    “O que? O que isso significa exatamente, governadora? Por que não dizer isso? Ele não é o Voldemort dos livros de Harry Potter”, disse Christie em New Hampshire, em 30 de novembro. Mas Christie tem pouca força no Partido Republicano fora do estado, onde os eleitores independentes são especialmente importantes na escolha dos indicados do partido.

    Os eleitores – e não as pesquisas – decidirão se Trump ganhará a sua terceira nomeação republicana consecutiva. E tanto Iowa como New Hampshire têm um histórico de desenvolvimentos recentes que podem causar transtornos.

    Mas com o tempo a se esgotando, a incapacidade de Haley e DeSantis para lidar com a mancha que ele causou na história americana deixa duas outras questões.

    Porquê passar pelo processo exaustivo e muitas vezes humilhante de concorrer à presidência se não se pode usar o material político mais potente contra ele? E será que as próximas semanas provarão que Trump sempre foi imbatível na corrida republicana de 2024?

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original