Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Arquivo do FBI revela plano de 1983 para matar a rainha Elizabeth II durante visita aos EUA

    Polícia de São Francisco obteve uma dica à época de um possível ataque à monarca

    Rainha Elizabeth II e o ex-presidente americano Ronald Reagan no São Francisco em 1983
    Rainha Elizabeth II e o ex-presidente americano Ronald Reagan no São Francisco em 1983 Anwar Hussein/WireImage

    Lauren Said-MoorhouseMax Fosterda CNN

    A rainha britânica Elizabeth II enfrentou uma potencial ameaça de assassinato há 40 anos, antes de uma viagem aos Estados Unidos, de acordo com documentos recém-divulgados do Federal Bureau of Investigation (FBI).

    Os arquivos, de 103 páginas, cobrem os preparativos para várias viagens que a falecida rainha fez aos EUA, incluindo uma viagem oficial à Costa Oeste com seu marido, o príncipe Philip, em 1983.

    Um documento parece detalhar uma dica recolhida pela polícia de São Francisco cerca de um mês antes dessa visita a respeito de um telefonema de “um homem que alegou que sua filha havia sido morta na Irlanda do Norte por uma bala de borracha”.

    Continua: “Este homem também alegou que tentaria ferir a rainha Elizabeth e faria isso jogando algum objeto da ponte Golden Gate no Royal Yacht Britannia quando ele navegasse por baixo, ou tentaria matar a rainha Elizabeth quando ela visitou o Parque Nacional de Yosemite”.

    O mesmo documento observa que “é intenção do Serviço Secreto fechar as passarelas da ponte Golden Gate quando o iate se aproximar”.

    Não há menção de quaisquer precauções que possam ter sido tomadas no parque nacional, nem os arquivos revelam se alguma prisão foi feita.

    Os arquivos ilustram a hipervigilância do FBI em possíveis ameaças à monarca britânica em visita, a colaboração com o Serviço Secreto dos EUA e as preocupações com o Exército Republicano Irlandês (IRA) e seus simpatizantes durante as visitas reais.

    O primo da rainha, Louis Mountbatten, foi assassinado pelo IRA Provisório em 1979, usando uma bomba plantada em seu barco de pesca. Três outros morreram na mesma explosão, incluindo duas crianças.

    Muitas das viagens da rainha aos EUA ocorreram em meio aos problemas na Irlanda do Norte e os documentos revelam que o FBI estava monitorando de perto enquanto se preparava para as visitas reais ao longo dos anos.

    Antes de uma visita privada a Kentucky em 1989, um documento observa que, embora o FBI desconhecia quaisquer ameaças específicas à rainha, “a possibilidade de ameaças contra a monarquia britânica está sempre presente por parte do Exército Republicano Irlandês (IRA)”.

    Em outra parte dos arquivos, um documento que prepara a visita de estado da rainha em 1991 descreve a preocupação com grupos irlandeses organizando protestos em vários compromissos programados, incluindo um jogo de beisebol ao qual a monarca deveria comparecer e um evento na Casa Branca.

    Citando informações impressas em um jornal irlandês da Filadélfia intitulado Irish Edition, a página dizia: “O artigo afirmava que os sentimentos anti-britânicos estão em alta como resultado de injustiças bem divulgadas infligidas ao Birmingham Six pelo corrupto sistema judicial inglês e a recente erupção de assassinatos brutais de nacionalistas irlandeses desarmados nos seis condados por esquadrões da morte legalistas”.

    Acrescentou: “Embora o artigo não contenha ameaças contra o presidente ou a rainha, as declarações podem ser vistas como inflamatórias. O artigo afirmava que um grupo irlandês havia reservado um grande bloco de ingressos para o grande estande”.

    Outro documento no arquivo, datado de julho de 1976, mencionou uma ocasião em que a Rainha viajou de volta através do Atlântico para ajudar a marcar as comemorações do bicentenário da América, com paradas incluindo Filadélfia, Washington e Nova York.

    Durante essa viagem, revelam os documentos do FBI, foi emitida uma intimação a um piloto por pilotar um pequeno avião de dois lugares sobre Battery Park, carregando uma placa que dizia “Inglaterra, saia da Irlanda”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original