Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ativistas acusam polícia do Irã de ter espancado jovem por não usar lenço na cabeça

    Adolescente de 16 anos está em coma desde domingo (1º)

    Mostafa SalemTeele RebaneSahar AkbarzaiJomana Karadshehda CNN

    Ativistas acusaram na quarta-feira (4) a polícia moral (ou polícia religiosa islâmica) do Irã de agredir uma adolescente por não vestir o hijab (lenço usado na cabeça) em uma estação de metrô de Teerã.

    A agressão resultou em ferimentos graves que levaram a jovem a entrar em coma. No entanto, as autoridades iranianas e os pais da adolescente afirmaram que ela foi hospitalizada devido à pressão arterial baixa, levantando suspeitas de coerção por parte das autoridades.

    Um grupo com sede na Noruega focado nos direitos curdos, a Organização Hengaw para os Direitos Humanos, disse que Armita Geravand, de 16 anos, foi “agredida” pela polícia moral e está em coma desde domingo (1º). Outra rede de oposição, a IranWire, disse ter obtido informações de que Geravand foi internada no hospital com traumatismo craniano.

    “Antes de sua chegada à estação de metrô, policiais femininas da moralidade se aproximaram dela e solicitaram que ela ajustasse seu hijab. Este pedido resultou em uma altercação com os policiais da moralidade que agrediram fisicamente Armita”, disse Awyer Shekhi, funcionário da Hengaw, à CNN.

    “Após esse confronto, ela conseguiu entrar no metrô, mas desmaiou mais tarde”, acrescentou Shekhi. A CNN não conseguiu verificar de forma independente as informações publicadas por Hengaw e Iranwire, que no passado cobriram extensivamente os protestos iranianos.

    O chefe do metrô de Teerã, Masoud Dorosti, disse à mídia estatal local que não houve “interação” física ou verbal entre Geravand e membros de sua equipe.

    “De acordo com nossa investigação, após analisar as imagens desde o momento em que ela entrou na estação e subiu no trem, não houve discussão verbal ou contato físico entre os passageiros com eles ou com nossa equipe. Não havia nada gravado nos vídeos.”

    Em um vídeo postado na conta da agência de notícias Fars, afiliada ao Irã, no X, anteriormente conhecido como Twitter, um grupo de meninas é visto entrando no trem do metrô. A CNN não conseguiu identificar qual garota do vídeo era Geravand.

    Algumas das meninas que entraram com Geravand pareciam não usar o hijab. Momentos depois, o vídeo mostra um grupo de meninas carregando Geravand para fora do trem do metrô, colocando-a na plataforma enquanto o metrô sai da estação.

    Nenhuma discussão pôde ser vista no vídeo editado postado na mídia estatal. A CNN não conseguiu confirmar sua autenticidade

    A mãe e o pai de Geravand disseram à mídia estatal em uma entrevista que sua filha pareceu ter batido a cabeça depois de desmaiar de pressão baixa enquanto estava a caminho da escola. Os pais disseram que não havia sinais nos vídeos de que Geravand foi agredida.

    “Acho que disseram que ela tinha pressão baixa, queda na pressão arterial ou caiu no chão. Sua cabeça bateu na beirada do metrô e então a tiraram do vagão”, disse sua mãe, Shahin Ahmadi.

    “Verificamos as câmeras. Não tenho certeza se uma das meninas estava na frente e a outra atrás dela. Ela entrou no trem e caiu, mas não sei o que aconteceu para isso: se ela estava inconsciente, se ela desmaiou, se a tiraram e chamaram o pronto-socorro. Ela foi então levada para o hospital”, disse seu pai, Ahmad Garavand.

    Relembre: Irã aprova projeto de lei que penaliza uso inadequado do hijab

    Não está claro se a família de Geravand foi coagida a falar com a mídia estatal. No passado, responsáveis ​​dos direitos humanos da ONU acusaram as autoridades iranianas de pressionarem as famílias dos manifestantes mortos a fazerem declarações de apoio à narrativa do governo.

    A CNN entrou em contato com o governo iraniano para comentar.

    A adolescente está sendo tratada em um hospital em Teerã, informou a agência de notícias Fars.

    O Irã foi cercado por protestos após o caso de Mahsa Amini, a mulher curda de 22 anos que morreu sob custódia após de ter sido presa pela polícia moral do Irã no ano passado por, segundo as autoridades, usar o seu hijab de forma inadequada.

    Mais de 300 pessoas também foram mortas em protestos que duraram meses, incluindo mais de 40 crianças, informou a ONU em novembro do ano passado. A Agência de Notícias de Ativistas de Direitos Humanos (HRANA), sediada nos EUA, estimou em janeiro o número de mortos em mais de 500, incluindo 70 crianças.

    ]Milhares de pessoas foram presas em todo o país, afirmou a ONU em um relatório publicado em Junho, citando uma investigação divulgada no ano passado pelo seu Comitê de Direitos Humanos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original