Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Câmara do Arizona abre caminho para revogar proibição de 1864 ao aborto

    Senado estadual ainda precisa votar a favor da revogação da lei para que proibição seja derrubada

    Ativistas protestam em frente ao Portão de Brandemburgo, em Berlim, Alemanha, pelo direito ao aborto em 08 de maio de 2022
    Ativistas protestam em frente ao Portão de Brandemburgo, em Berlim, Alemanha, pelo direito ao aborto em 08 de maio de 2022 Sean Gallup/Getty Images

    Arit JohnNatasha ChenJason KravarikShania Sheltonda CNN

    Longmont, no Colorado

    A Câmara dos Representantes do Arizona votou na quarta-feira (24) para derrubar a proibição do aborto de mais 160 anos do estado. Em uma votação por 32 a 28, os parlamentares decidiram que a antiga proibição ao aborto deveria ser revogada. Três republicanos votaram junto com os democratas para avançar a legislação.

    A votação ocorre depois de duas tentativas fracassadas de parlamentares na Câmara do estado, controlada pelos republicanos, de trazer o projeto de lei para o plenário na semana passada.

    Agora, o Senado estadual ainda precisa aprovar a medida de revogação para que a restrição seja derruba de vez, antes de começar a valer em maio.

    A governadora democrata, Katie Hobbs, deve assinar o projeto de lei, caso os legisladores consigam aprovar a medida.

    O movimento vem depois que a Suprema Corte do Arizona decidiu, no dia 9 de abril, que o estado deve aderir à lei de 1864 que proíbe todos os abortos, exceto nos casos em que “necessário” para salvar a vida de uma mulher grávida. A lei também prevê uma pena de prisão de dois a cinco anos para os fornecedores de aborto.

    O voto desta quarta-feira (24) veio como uma bênção para os defensores dos direitos reprodutivos e alguns candidatos republicanos, incluindo o ex-presidente Donald Trump, que tentaram se distanciar da decisão do tribunal.

    Já dentro da Câmara do Arizona, no entanto, a medida de revogação atraiu comentários irritados de vários republicanos.

    “Estou enojada hoje”, disse a representante estadual Rachel Jones. “A vida é um dos pilares de nossa plataforma republicana. Ver as pessoas voltarem atrás nesse valor é ultrajante para mim.”

    O presidente da Câmara do Arizona, Ben Toma, disse que se opõe a todos os abortos, exceto para salvar a vida de uma mulher grávida.

    O deputado estadual Matt Gress, um dos republicanos que votaram com democratas, disse que a proibição – que foi introduzida pela primeira vez quando o Arizona ainda era um território dos EUA e não um estado – não refletia os valores da maioria dos eleitores do Arizona. Revogá-la deveria ter sido uma proposta simples, disse ele.

    “Acho que foi mais difícil do que precisava ser”, disse Gress à CNN.

    Quando a sessão terminou, a liderança da Câmara dos Representantes removeu Gress do Comitê de Apropriações da câmara, um movimento que foi visto como punição por se opor ao partido. Gress disse que foi “infeliz e potencialmente sem precedentes”, mas ele não se arrependeu de seu voto.

    “Fiz campanha contra a proibição territorial e deixei muito claro aos meus eleitores que não a apoio”, disse Gress, que representa um distrito da área de Phoenix.

    Se uma votação de revogação falhar no Senado estadual, a lei de 1864 poderá entrar em vigor já em 8 de junho, tornando o Arizona um dos mais de uma dúzia de estados que proíbem o aborto em praticamente todos os estágios da gravidez, com poucas exceções.

    Se for bem sucedida, a restrição de 15 semanas para abortos no Arizona continuará a ser lei estadual. No entanto, as autoridades alertaram que a proibição territorial poderia ser brevemente executável porque os projetos de lei não emergenciais aprovados no Arizona só passam a vigorar 90 dias após o encerramento da legislatura.

    Na vizinha Califórnia, o governador democrata Gavin Newsom elogiou um projeto de lei estadual que permitiria que profissionais médicos do Arizona realizassem abortos para pacientes do Arizona na Califórnia até o final do ano, argumentando que isso poderia ajudar os arizonenses mesmo que a proibição de 1864 seja revogada.

    “Com sua cláusula de urgência, o SB 233 preencheria uma lacuna crítica para o cuidado durante um período significativo de tempo antes que uma revogação no Arizona pudesse ser implementada”, disse um comunicado de imprensa do gabinete do governador. “A ação rápida ajuda a combater a confusão e o efeito assustador que esse vai e vem cria.”

    A proibição do aborto da era da Guerra Civil, que remonta a antes do status de estado, foi codificada em 1901. Ela permaneceu em vigor até 1973, quando foi bloqueado por uma liminar judicial depois que Roe v. Wade criou um direito constitucional federal ao aborto.

    Em março de 2022, meses antes da Suprema Corte dos EUA derrubar Roe v. Wade, o governador republicano Doug Ducey assinou a lei de proibição de 15 semanas do estado, que não tem exceções para estupro ou incesto. Essa legislação declarava explicitamente que não anulava a lei de 1864.

    Os democratas deixaram claro que ainda planejam enfatizar a política de aborto rumo às eleições gerais. Os republicanos do Arizona detêm maiorias de apenas um assento na Câmara e no Senado estaduais, e o estado será um campo de batalha para o Senado dos EUA e a presidência neste outono.

    Sam Paisley, porta-voz do Comitê de Campanha Legislativa Democrata, que trabalha para eleger democratas para os assentos da Câmara dos Representantes, chamou o voto de quarta-feira de “vitória clara para os democratas da Câmara do Arizona”, mas apontou que a restrição de 15 semanas ainda existiria após uma revogação.

    “A única maneira de proteger as liberdades reprodutivas é eleger democratas para o legislativo para revogar essa proibição (de 15 semanas) também”, disse Paisley em um comunicado.

    Os defensores dos direitos ao aborto estão atualmente trabalhando para colocar uma proposta de emenda constitucional na votação de novembro do estado que protegeria o acesso ao aborto até a viabilidade fetal, que os médicos acreditam ser de cerca de 22 a 24 semanas de gravidez. Arizona for Abortion Access, o grupo que apoia a emenda, reuniu mais de 500 mil assinaturas.

    Antes da votação na Câmara do Arizona, o comitê de regras da câmara votou ao longo das linhas partidárias para aprovar a introdução tardia de três resoluções da Câmara, amplamente consideradas como medidas eleitorais apoiadas pelos republicanos destinadas a competir com a emenda dos direitos ao aborto.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original