Casa Branca quer ‘lei e ordem’ em relação a protestos violentos

Porta-voz do governo americano diz que Antifa, um grupo antifascista, 'certamente estava por trás da violência' nos protestos contra a morte de George Floyd

Policiais da tropa de choque protegem a Casa Branca, em Washington
Policiais da tropa de choque protegem a Casa Branca, em Washington Foto: Jonathan Ernst -31.mai.2020/ Reuters

Reuters

Ouvir notícia

A Casa Branca pediu, nesta segunda-feira (1º), por “lei e ordem” e culpou agitadores por uma sexta noite consecutiva de violentos protestos em todo o país, provocados pela raiva quanto a desigualdades raciais e ao uso excessivo de força pela polícia.

Uma pessoa foi morta em Louisville, Kentucky, durante a noite, onde a polícia e as tropas da Guarda Nacional atiraram contra uma multidão que tentavam dispersar. A Guarda Nacional disse que as manifestações ocorreram em 23 Estados e na capital, Washington.

A onda de protestos, que eclodiu quando o país estava reabrindo o comércio após longa quarentena para tentar impedir a disseminação do novo coronavírus, começou com protestos pacíficos pela morte de um homem negro, George Floyd, sob custódia da polícia em Mineápolis na segunda-feira (25). Ele foi morto asfixiado por um policial durante uma abordagem.

Assista e leia também:

Caso George Floyd desencadeia protestos em pelo menos 140 cidades nos EUA

Vídeo mostra viatura atropelando multidão em ato pela morte de George Floyd

George Floyd: em algumas cidades dos EUA, policiais se unem a manifestantes

Dezenas de cidades nos Estados Unidos permanecem sob toque de recolher em um nível nunca visto desde protestos após o assassinato em 1968 do ativista dos direitos civis Martin Luther King Jr.

“Precisamos de lei e ordem neste país”, disse a porta-voz da Casa Branca Kayleigh McEnany à Fox News. Ela disse que o Antifa, um grupo antifascista, “certamente estava por trás da violência” nos protestos.

O presidente dos EUA, Donald Trump, classificou o grupo de organização terrorista no domingo e deve se reunir nesta segunda-feira com seu secretário de Justiça e, em seguida, ligar para governadores, policiais e autoridades de segurança nacional.

Mais Recentes da CNN