Com o fim da Tóquio 2020, todos os olhos estão nos Jogos de Inverno em Pequim

Discussões diplomáticas e sobre a logística do país em relação à pandemia da Covid-19 estão em crescimento

Símbolo dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 é instalado em Pequim
Símbolo dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 é instalado em Pequim Foto: VCG/VCG via Getty Images

Nectar Gan e Steve George, da CNN, em Hong Kong

Ouvir notícia

Com a extinção da chama olímpica em Tóquio, todos os olhos estão agora voltados para Pequim para os Jogos de Inverno de 2022, que ocorrerá em menos de seis meses.

Programados para acontecer de 4 a 20 de fevereiro, os Jogos de Inverno são vistos como um grande momento de orgulho na China, com Pequim prestes a se tornar a primeira cidade do mundo a sediar os Jogos Olímpicos de Verão e de Inverno.

Mas também parece ser a Olimpíada mais polêmica dos últimos anos, à medida que crescem os apelos por um boicote diplomático devido às alegações de violações dos direitos humanos por parte de Pequim contra os muçulmanos uigures na região oeste de Xinjiang.

Além disso, a preparação para o evento terá como pano de fundo o agravamento da pandemia e questões persistentes sobre o suposto manejo incorreto do surto inicial por Pequim.

Para a China, realizar as Olimpíadas com segurança e sucesso será um testemunho chave de sua força nacional e posição global, à medida que o Partido Comunista entra em seu segundo século em meio ao que vê um ambiente internacional cada vez mais “hostil”.

Tendo contido com sucesso a propagação do vírus, a China agora está lutando com seu pior surto em mais de um ano, com a variante Delta altamente contagiosa se espalhando para metade de suas províncias. A última coisa que os líderes chineses querem ver é a Olimpíada de Inverno se transformando em um evento superdimensionado.

Em declarações à CNN, Jin Dongyan, virologista da Universidade de Hong Kong, disse que o sucesso da Olimpíada de Tóquio mostra que, com planejamento cuidadoso e medidas de segurança rígidas, a realização de um evento esportivo internacional durante a pandemia é “completamente viável”.

Os Jogos de Inverno de 2022 serão distribuídos em três áreas principais – na capital Pequim, bem como Yanqing e Zhangjiakou a noroeste – conectadas por ferrovia de alta velocidade.

Jin sugeriu que Pequim poderia aproveitar a experiência dos organizadores de Tóquio, criando uma bolha em torno dos principais locais olímpicos, para evitar que a Covid-19 se espalhasse.

Durante as Olimpíadas, Tóquio estava em estado de emergência e registrava milhares de casos todos os dias, porém, dentro da bolha olímpica, apenas um pequeno número de pessoas foi infectado – com cerca de 400 casos relacionados aos Jogos registrados desde 1º de julho.

No entanto, embora os Jogos de Tóquio tenham feito um grande esforço para proteger os atletas do contágio pela Covid-19, Pequim provavelmente vai querer evitar que o coronavírus se espalhe, da bolha olímpica para as comunidades locais.

Por mais de um ano, a China confiou em uma estratégia severa de “tolerância zero” para erradicar rapidamente surtos domésticos. O país também fechou suas fronteiras para a maioria dos estrangeiros. Os poucos que têm permissão para entrar são obrigados a passar por duas a três semanas de quarentena obrigatória no hotel.

A reabertura das fronteiras do país pela primeira vez em dois anos, ainda que com capacidade limitada, representará, portanto, um enorme desafio logístico, sobretudo no que diz respeito ao alojamento dos atletas.

Jin, especialista da Universidade de Hong Kong, disse que a atual exigência de longa quarentena é insustentável para as Olimpíadas, já que poucos atletas estariam dispostos a ficar presos em um quarto de hotel por três semanas antes de suas competições.

Também existe a incerteza sobre a presença de público. Os Jogos de Tóquio baniram tanto espectadores estrangeiros, quanto locais. Mas o Comitê Olímpico Internacional disse no mês passado que os Jogos de Pequim precisariam de espectadores para ter sucesso.

“Precisamos e queremos ter espectadores…Queremos ter a oportunidade de todos desfrutarem da hospitalidade e das grandes ofertas chinesas”, disse Juan Antonio Samaranch Jr., chefe da comissão de coordenação do COI.

Na semana passada, um especialista do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças disse ao Global Times que muitos eventos nos Jogos de Inverno de Pequim serão realizados ao ar livre, possibilitando a participação do público doméstico, embora não esteja claro se os espectadores o farão ficarão sujeitos a medidas de quarentena adicionais.

Se Pequim permitir os espectadores domésticos, eles também serão obrigados a viver temporariamente dentro da bolha olímpica – e como Pequim pode facilitar a isolação de dezenas de milhares de pessoas, potencialmente por várias semanas?

Apesar da incerteza significativa em torno de tais questões, a expectativa do público para os Jogos de Inverno já está alta na China. Durante a cerimônia de encerramento dos Jogos de Tóquio no domingo (8), hashtags sobre as Olimpíadas de Pequim estavam entre os principais tópicos de tendência no Weibo, a versão do Twitter estritamente censurada da China, atraindo centenas de milhões de visualizações.

“Os estádios são tão sofisticados e magníficos. Espero que a pandemia termine logo para que eu possa ir ver o jogo pessoalmente”, disse um comentário.

“A Covid-19 se tornará como uma gripe no futuro e nem sempre podemos fechar as portas do país. A China nunca sediou uma Olimpíada de Inverno e esta é uma oportunidade particularmente preciosa de mostrar nossa força nacional abrangente”, dizia outro.

Outros, no entanto, estão preocupados com a disseminação da Covid-19 durante os Jogos, bem como com as rígidas restrições de viagens que provavelmente serão impostas no lugar.

“Esquecemos quantos de nossos compatriotas morreram por causa da Covid-19? Por que temos que assumir o risco por todo o país? Haverá todos os tipos de restrições para entrar em Pequim… quantas pessoas da classe trabalhadora irão suas vidas foram afetadas?”, um comentarista escreveu.

Em parte como resultado da estratégia “Covid zero”, a tolerância pública da China em relação às infecções permanece extremamente baixa. Nas últimas semanas, alguns proeminentes especialistas chineses em saúde pública pediram uma mudança de abordagem para o país aprender a coexistir com o coronavírus, seguindo o caminho cada vez mais seguido por outros países com taxas de vacinação relativamente altas.

No domingo, porém, o ex-ministro da saúde da China publicou um comentário no jornal People’s Daily do partido, atacando a ideia de “coexistir com o vírus”, sugerindo potencialmente a resistência oficial à abordagem.

No artigo, Gao Qiang, o ex-ministro, acusou os Estados Unidos e o Reino Unido de “desconsiderar a saúde e a segurança das pessoas” e causar o ressurgimento de surtos ao relaxar as restrições da Covid.

“Esta é uma falha na tomada de decisão de prevenção de epidemias causada pelos defeitos nos sistemas políticos de países como os EUA e o Reino Unido, bem como um resultado inevitável de sua promoção de valores individualistas”, escreveu Gao.

Foto do dia

Aeroporto Lhasa Gonggar, no Tibete
Foto: Tian Jinwen/UCG/Getty Images

Um novo terminal de 88 mil metros quadrados foi inaugurado no aeroporto Lhasa Gonggar, no Tibete, no sábado (7). O aeroporto é o maior hub de aviação do Tibete, bem como um dos aeroportos mais altos do mundo. Espera-se que o novo terminal “impulsione significativamente o transporte de passageiros e carga” e ajude a vasta região do Himalaia a se tornar um “centro de logística global para o sul da Ásia”, informou o Global Times, de propriedade estatal.

A brecha arriscada que as empresas chinesas vêm usando há anos

O desastre do IPO da DiDi está dando destaque a uma complicada estrutura de investimentos usada por muitas empresas chinesas listadas nos Estados Unidos.

O conceito é chamado de Entidade de Interesse Variável, ou VIE (na sigla em inglês), e é popular entre as empresas chinesas que desejam levantar dinheiro de investidores estrangeiros.

Como funciona? Uma VIE usa duas entidades. A primeira é uma empresa de fachada com sede em algum lugar fora da China, geralmente nas Ilhas Cayman. A segunda é uma empresa chinesa que detém as licenças necessárias para fazer negócios no país. As duas entidades estão conectadas por meio de uma série de contratos.

Isso significa que quando os investidores estrangeiros compram ações de uma empresa que usa VIE, eles estão comprando ações da empresa de fachada estrangeira – não dos negócios na China.

A DiDi usa essa estrutura, junto com várias outras empresas importantes, incluindo Alibaba, Pinduoduo e JD.com. O arranjo é explicado no prospecto de DiDi, mas nem todos sabem.

As empresas chinesas vêm usando a estrutura há décadas porque os investidores estrangeiros não têm permissão para ter participações em empresas locais em setores como o de tecnologia. Ainda assim, as empresas chinesas querem levantar dinheiro no exterior.

A criação de uma holding offshore que abre o capital ajuda as empresas chinesas a contornar essas regras. Os reguladores de Wall Street e dos EUA há muito tempo concordam com o acordo, que dá aos investidores americanos uma exposição fácil a empresas dinâmicas que estão impulsionando a segunda maior economia do mundo.

Mas existem riscos enormes. Em primeiro lugar, não está claro se os contratos que conferem aos investidores estrangeiros os benefícios econômicos produzidos pelas empresas chinesas são exequíveis. Também não está claro se as VIEs são legais de acordo com a lei chinesa.

Sobre o acordo, a DiDi diz em seu prospecto que seu advogado acredita que a VIE “não viola as disposições obrigatórias das leis aplicáveis ??da RPC [chinesa]” e que seus contratos são “válidos e vinculativos”.

Mas também incluiu um aviso aos investidores em potencial.

“Fomos ainda informados por nosso consultor jurídico da RPC de que há incertezas substanciais em relação à interpretação e aplicação das leis e regulamentações atuais ou futuras da RPC”, advertiu Didi. “O governo da RPC pode, em última análise, ter uma visão contrária à opinião de nosso consultor jurídico da RPC.”

Pense no problema desta forma: as empresas chinesas estão essencialmente dizendo a Pequim que são 100% propriedade de cidadãos chineses. Enquanto isso, as mesmas empresas estão dizendo aos acionistas estrangeiros que eles são os verdadeiros proprietários.

Agora, há sinais de que tanto os reguladores chineses quanto os americanos estão ficando incomodados com as VIEs. Investidores, cuidado.

– Escrito por Charles Riley

Ao redor da Ásia

  • Uma política da era Trump destinada à proteção contra a espionagem, excluindo os melhores alunos chineses das principais universidades de pesquisa dos Estados Unidos, pode estar prejudicando os Estados Unidos mais do que Pequim.
  • O Talibã assumiu o controle de Kunduz no norte do Afeganistão, a primeira grande cidade a cair nas mãos do grupo insurgente depois da retirada das forças de agrupamento estrangeiras.
  • A decapitação da filha de um diplomata no Paquistão parece destinada a testar um sistema legal que ativistas dizem ter falhado repetidamente às vítimas de violência e que precisa de uma reforma urgente.
  • O exército indonésio deu a entender que encerrará seu “teste de virgindade” obrigatório para recrutas mulheres. Os testes foram descritos como “abusivos, não científicos e discriminatórios” por grupos de direitos humanos.

(Texto traduzido. Leia o original em inglês).

Mais Recentes da CNN