Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como referência a Messi fez idosa israelense se salvar do Hamas

    Esther Cunio, de 90 anos, teve diálogo sobre jogador com militante durante invasão do grupo à comunidade nos ataques de 7 de outubro

    Da Reuters

    “Eu sou de onde Messi é”, disse Esther Cunio, de 90 anos, aos dois palestinos mascarados que invadiram sua casa no sul de Israel.

    Era a manhã de 7 de outubro e o Hamas estava realizando sua matança em comunidades próximas à fronteira com Gaza, incluindo no Kibutz Nir Oz, onde Cunio, que nasceu na Argentina, estava vivendo.

    Ela falou sobre o encontro horrível em um novo documentário sobre a fúria do Hamas que se concentra na comunidade latino-israelense chamada “Voces Del 7 De Octubre – Histórias Latinas de Sobrevivência.”

    Os dois homens armados estavam exigindo saber onde o resto de sua família estava.

    “‘Não fale comigo’, eu disse, ‘Porque eu não sei a sua língua. Você fala árabe e eu falo hebraico mal’. Eu digo a ele, ‘Eu falo em espanhol argentino'”, Cunio contou. “Então ele me diz ‘O que é a Argentina? ‘”

    Ela dirigiu a conversa para o lendário atacante de futebol Lionel Messi enquanto se comunicava com os intrusos com uma combinação de hebraico quebrado, espanhol e gestos.

    “Então eu digo a ele, ‘Você assiste futebol?’ Então ele me diz, ‘Sim, sim, eu gosto de futebol’. Então eu digo a ele, ‘Eu sou de onde Messi é’. Então ele responde: ‘Messi! Eu gosto do Messi’.”

    E então, em um dos momentos mais surreais da fúria de 7 de outubro, um homem inclinou-se sobre Cunio sentada, e colocou seu rifle de assalto em seu colo. O outro homem fotografou-os.

    “Ele colocou a mão assim”, disse Cunio, estendendo dois dedos. “E eles tiraram a foto de nós, e, bem, eles foram embora.”

    A foto de Cunio com uma AK-47 no colo, e o agressor mascarado com uma bandeira palestina em seu colete militar, viralizou nas mídias sociais.

    Ele estava usando uma bandana da Jihad Islâmica, um grupo armado menor que se juntou ao ataque do Hamas.

    Em outra parte de Nir Oz, membros da família de Cunio foram feitos reféns, incluindo suas bisnetas gêmeas de 3 anos. Um quarto da comunidade agrícola foi morto ou sequestrado no ataque.

    Os netos de Cunio, David, 33, e Ariel, 26, ainda estão em cativeiro em Gaza. David foi sequestrado junto com sua esposa e filhos gêmeos, que mais tarde foram libertados durante uma breve trégua de novembro em troca de prisioneiros palestinos.

    Agora, ela aguarda o retorno de seus “meninos de ouro.”

    Leah Soibel, CEO da Fuente Latina, uma organização de mídia de língua espanhola que cobre Israel e que está co-produzindo o documentário, disse à Reuters em Tel Aviv que o filme segue as dificuldades de membros da Comunidade latina que sobreviveram ao ataque devastador e aqueles que continuam a lutar pela libertação de seus entes queridos do cativeiro em Gaza.

    O ataque do Hamas desencadeou a guerra em Gaza que se arrasta há mais de cinco meses.

    Tanto a Argentina quanto o Peru disseram que co-nacionais de seus países foram mortos no conflito, enquanto o México disse que tinha co-nacionais entre os sequestrados. Dezenas de sobreviventes foram entrevistados para o documentário em espanhol.