Conheça Leo, o cachorro que salvou a vida de seu dono e se tornou gerente de hotel

Dez anos atrás, Cinque Terre, na Itália, foi atingida por uma enchente. A catástrofe uniu para sempre as vidas de Pierpaolo Paradisi e seu cachorro, Leo

Pierpaolo Paradisi diz que no dia da enchente sua vida foi salva por seu cachorro Leo - o animal que deu o nome de seu hotel
Pierpaolo Paradisi diz que no dia da enchente sua vida foi salva por seu cachorro Leo - o animal que deu o nome de seu hotel Pierpaolo Paradisi/Acervo pessoal

Julia Buckleyda CNN

Ouvir notícia

Dez anos atrás, a região italiana de Cinque Terre foi atingida por uma enchente mortal.

No dia 25 de outubro de 2011, as cinco pequenas aldeias de pescadores – que há muito atraem turistas de todo o mundo – foram atingidas por uma das piores inundações que a área já viu. Treze pessoas foram mortas e muitas perderam propriedades e posses. As ruas de Vernazza, talvez a mais famosa das aldeias, ficaram cheias de lama.

Todos em Cinque Terre têm uma história para contar sobre aquele dia terrível. Um dos relatos mais extraordinários vem do proprietário de um hotel local, Pierpaolo Paradisi. Ele diz que, naquele dia fatídico, sua vida foi salva por seu cachorro – o cachorro que deu o nome de seu hotel.

Leo’s Lodge está situado no alto das falésias acima de Vernazza. Faz parte de Prevo – uma pequena aldeia que fica no Sentiero Azzurro – o famoso “caminho azul” que os turistas adoram percorrer. Estima-se que três milhões de visitantes por ano chegam às cinco pequenas aldeias que compõem Cinque Terre.

Mas, uma década atrás, Prevo e Sentiero Azzuro foram praticamente destruídas quando deslizamentos de terra desceram pelo penhasco, varrendo tudo em seu caminho e enterrando as ruas abaixo em lama e escombros.

Paradisi – na época um aspirante a hoteleiro – trabalhava em La Spezia, a cidade de entrada de Cinque Terre. Originário da Sardenha, mudou-se para a Ligúria há 15 anos. Ele estava em uma caminhada de férias quando, passando no Sentiero Azzuro, encontrou Prevo. Naquele ponto, ele estava abandonado – e Paradisi imediatamente pensou que poderia ser um ótimo hotel. Ele iniciou um grande projeto de renovação – mas, cinco anos depois, veio a enchente.

O encontro fofo

Apenas um mês antes, ele adotou um cachorro, Leo – um filhote resgatado da Sérvia. Olhando o Facebook durante o verão, ele leu sobre um grupo de ativistas dos direitos dos animais – modelos sérvias que traziam cães e gatos de rua para a Itália sempre que vinham trabalhar.

“Na guerra [iugoslava], as pessoas tiveram que abandonar seus animais de estimação – cães, gatos, tartarugas – então eles se multiplicaram”, diz Paradisi. “Então, havia um problema com cães de rua”.

Os vagantes eram presos e levados para canis, onde, diz Paradisi, corriam o risco de serem sacrificados se não fossem reivindicados em 48 horas.

** Imagem deve ser usada apenas nesta matéria específica **
Pierpaolo e Leo são inseparáveis desde que se conheceram / Julia Buckley/CNN

As modelos pagavam 100 euros por cão, mas, na época, o salário médio sérvio era de apenas 250 euros por mês, diz ele. Querendo ajudar os animais, enviou uma mensagem ao grupo, pedindo que escolhessem um cachorro para ele.

“Eu disse que só preciso de um pequeno, porque uso muito o trem”, lembra.

Elas escolheram um cachorrinho castanho-amarelado de Belgrado.

“Sua história foi particular”, diz Paradisi. “Ele foi capturado com sua mãe e irmã, e elas foram mortas na frente dele”, conta. “Tenho uma foto da gaiola em que ele estava. Dos 48 cães, ele foi o único salvo”.

Leo, como Paradisi o chamava, chegou à Ligúria em 25 de setembro de 2011.

O dia da tempestade

Um mês depois, embora os cães fossem proibidos em seu escritório, ele decidiu levar seu novo animal de estimação para o trabalho. Uma tempestade já estava se formando na área, e ele se sentia desconfortável em deixar o cachorro em casa.

“Foi uma transgressão que salvou minha vida”, diz ele.

Quando a dupla chegou a La Spezia, a tempestade já havia começado – chuva forte, trovões e granizo. Paradisi decidiu sair mais cedo, temendo que o tempo só piorasse.

“Mesmo na primeira milha, mudou – eu nunca tinha visto piorar assim antes”, diz ele.

“Houve um tornado de água que atingiu as montanhas e eu não conseguia ver nem um metro à frente. Tive uma visão de cerca de 30 centímetros, então estava dirigindo muito devagar”.

Paradisi colocou Leo na parte de trás de seu carro para a jornada de cerca de 27 quilômetros. Durante a maior parte, o cachorro ficou sentado em silêncio. Até que, chegando cada vez mais perto de Prevo, enquanto o carro contornava o penhasco, Leo fez seu movimento.

“Ele saltou para a frente e ficou de joelhos, por isso tive de parar”, diz Paradisi. “Eu estava com raiva – eu disse, ‘Leo, estou dirigindo'”.

Naquele momento – no momento em que ele tentava tirar o cachorro do colo e voltar a andar – o penhasco desabou na frente deles.

** Imagem deve ser usada apenas nesta matéria específica **
Treze pessoas morreram no desastre de 2011 / Marco Vasini/AP

“A montanha acabou de descer, e o deslizamento chegou até o asfalto e o guarda-corpo. Quase encostou no carro. Um metro à frente e teríamos sumido”, diz.

Paradisi está convencido de que Leo salvou a vida de ambos. Não que ele tenha percebido na época. Em estado de choque, diz ele, conseguiu dar meia-volta com o carro e chegar até Manarola, outra das aldeias de Cinque Terre.

“Foi só então que entendi o que estava acontecendo, diz ele.

“Liguei para a polícia e eles disseram: ‘Vocês precisam se cuidar porque não podemos fazer nada, estamos completamente isolados – vocês devem tentar encontrar ajuda”.

Os dois dormiram no carro naquela noite. No dia seguinte, com a estrada ainda destruída, tentaram chegar a pé – pelo caminho Sentiero Azzuro que hoje é um passeio idílico para os turistas. Naquele dia, estava longe de ser idílico.

“Parecia uma zona de guerra”, disse Paradisi. “Eram cinco helicópteros procurando os perdidos. Havia um veleiro virado e as pessoas gritavam, procurando outros desaparecidos”. “Nossa casa estava bem, mas não pudemos chegar lá porque um deslizamento atravessou o caminho”.

Sem saber mais o que fazer, Paradisi ligou para alguns amigos para contar o que havia acontecido. “Eles disseram: ‘Foi graças a Leo que você está vivo’. Eu não tinha entendido isso ainda”.

Administrando o hotel juntos

Hoje, a casa deles é um hotel à beira de um penhasco, com apartamentos independentes, e os dois são inseparáveis. Paradisi deu à propriedade o nome de Leo’s Lodge, e um símbolo de um cachorro está orgulhosamente preso à porta.

Leo faz o papel de anfitrião, cumprimentando os hóspedes, acompanhando-os até seus quartos e realizando patrulhas de segurança regulares na propriedade, que fica bem na calçada principal e tem turistas passando a cada minuto.

Ele vai com Paradisi todas as tardes para buscar os hóspedes da vizinha Corniglia em seu jipe. “Estamos juntos 24 horas por dia, 7 dias por semana – eu o levo a qualquer lugar que vou, até mesmo ao dentista. O único lugar onde não posso levá-lo é no tribunal”, diz Paradisi.

** Imagem deve ser usada apenas nesta matéria específica **
Leo é o gerente adjunto da pousada com Pierpaolo / Julia Buckley/CNN

Enquanto isso, a fama de Leo se espalhou por toda parte. Em 2012, no ano seguinte à inundação, recebeu o primeiro lugar do Premio Internazionale Fedeltà del Cane, ou prêmio internacional pela lealdade canina – foi escolhido o “primeiro entre iguais” entre 10 cães igualmente excepcionais.

Paradisi afirma que não foi por acaso que Leo o impediu de continuar dirigindo naquele dia. Ele diz que, embora inicialmente tenha atribuído isso ao medo por parte do cão, os especialistas acham que pode haver mais do que isso.

“Eles não podem explicar cientificamente, mas acham que alguns cães têm essa capacidade – que cães que sofrem [trauma] desenvolvem um sétimo sentido”, diz Paradisi.

“Os cães têm 150 milhões de receptores olfativos em seus narizes; os humanos, cinco milhões. Eles acham que isso lhes dá a capacidade de intuir o perigo, de alguma forma. Eles sabem que algo está acontecendo, embora não possamos entender”.

“Eles acham que em certas condições meteorológicas podem sentir o cheiro de alguma coisa. O ozônio que uso para desinfetar os quartos hoje em dia – é o que você cheira depois de trovões e relâmpagos. Portanto, os cães provavelmente podem sentir odores que não podemos sentir durante um clima tão severo. O cheiro, combinado com o granizo e o trovão, deve tê-lo feito entender que precisávamos parar”.

“Se ele tivesse apenas ficado com medo, poderia ter ficado no fundo e chorado. Mas ele ficou completamente em silêncio – quase como se estivesse ouvindo alguma coisa. E, a certa altura, ele disse, ‘Basta – isso é o suficiente, precisamos parar’. Essa é a sensação que tive”.

Na verdade, ele diz, havia uma varanda em seu antigo escritório em La Spezia, que todos os humanos sabiam ser perigosa. Instintivamente, Leo também – ele nem mesmo entrava no ambiente.

O futuro de Cinque Terre

A tragédia de 10 anos atrás teve um efeito permanente em Paradisi. Embora tenha permanecido na área, concretizando seu sonho de transformar o vilarejo abandonado de Prevo em um hotel – ele agora tem quartos para 40 pessoas, entre o Leo’s Lodge, alguns apartamentos e uma vila – ele está permanentemente em alerta.

“A enchente me fez perceber que Cinque Terre é uma área muito perigosa”, diz ele. “Os geólogos acham que será a primeira área da Itália a desaparecer”.

E se ele receber uma mensagem de aviso do tempo, ele vai direto para casa. “Eu me fecho em casa porque é muito mais seguro estar dentro de casa – mas não vou para a cama, fico no sofá com o Leo e os gatos”, afirma. Ele pode dormir lá o tempo que for necessário – pronto para correr, totalmente vestido, com medicamentos e uma tocha à mão.

Na verdade, seus sete gatos desapareceram no deslizamento de terra – mas, milagrosamente, todos eles voltaram nos meses seguintes.

Leo tem cerca de 14 anos agora e Paradisi pensa “muitas vezes” no dia em que ficará sozinho. “Vai ser impossível substituí-lo, mas vou levar outro, porque quero ajudar outro cão. Vou continuar adotando da Sérvia”, diz.

“Vou precisar ficar de luto por ele um pouco, mas depois de alguns meses, vou pedir um cachorro do mesmo canil em Belgrado. Em homenagem e em memória de Leo”.

Mas, por enquanto, Leo não vai a lugar nenhum e eles estão felizes administrando a pousada juntos. E esta semana, enquanto Cinque Terre se prepara para relembrar os terríveis acontecimentos de 10 anos atrás, Paradisi estará pensando naquela tarde na estrada para Vernazza – e o cachorro que o salvou, e seus sonhos de um hotel à beira-mar.

Este é um texto traduzido. Para ler o original em inglês, clique aqui.

Mais Recentes da CNN