Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Coreia do Norte diz que testes de mísseis são prática para “ataques nucleares táticos” na Coreia do Sul

    Regime de Kim testou mísseis balísticos sete vezes desde 25 de setembro, o último dos 25 eventos de lançamento de mísseis balísticos e de cruzeiro este ano, segundo um levantamento da CNN

    Lançamento de míssil norte-coreano é visto em uma foto divulgada pela mídia estatal na segunda-feira
    Lançamento de míssil norte-coreano é visto em uma foto divulgada pela mídia estatal na segunda-feira Rodong Sinmun

    Brad LendonYoonjung SeoGawon Baeda CNN

    em Seul

    A mídia estatal norte-coreana quebrou o silêncio sobre a recente onda de testes de mísseis do país, alegando que faziam parte de uma série de procedimentos simulados destinados a demonstrar sua prontidão para disparar ogivas nucleares táticas contra alvos em potencial na Coreia do Sul.

    O regime de Kim testou mísseis balísticos sete vezes desde 25 de setembro, o último dos 25 eventos de lançamento de mísseis balísticos e de cruzeiro este ano, segundo um levantamento da CNN, elevando as tensões ao seu nível mais alto desde 2017.

    Citando o líder Kim Jong Un, que supervisionou os exercícios, a estatal Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA, em inglês) disse que os testes, que coincidiram com exercícios militares próximos entre os Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão, mostraram que Pyongyang está pronta para responder às tensões regionais envolvendo suas “grandes forças armadas”.

    A KCNA disse que a série de sete exercícios das “unidades de operação nuclear tática” da Coreia do Norte mostrou que suas “forças de combate nuclear” estão “totalmente prontas para atingir e destruir os alvos nos locais pretendidos no tempo definido”.

    Jeffrey Lewis, diretor do Programa de Não-Proliferação do Leste Asiático e professor do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais, disse que os anúncios da Coreia do Norte na segunda-feira (10) indicam um potencial progresso em seu programa de mísseis.

    “O que eu acho notável é que esses lançamentos não são enquadrados como testes dos próprios mísseis, mas sim das unidades que os lançam. Isso sugere que esses sistemas estão implantados”, disse Lewis no Twitter.

    **uso restrito a esta matéria**
    Regime de Kim testou mísseis balísticos sete vezes desde 25 de setembro / Rodong Sinmun

    O que a Coreia do Norte estava testando?

    A KCNA disse em 25 de setembro que trabalhadores da Coreia do Norte participaram de exercícios dentro de um silo sob um reservatório para praticar o que descreveu como carregamento de ogivas nucleares táticas para verificar o transporte rápido e seguro de armas nucleares.

    Três dias depois, eles simularam o carregamento de uma ogiva nuclear tática em um míssil que, em caso de guerra, seria usado na “neutralização de aeroportos nas zonas de operação da Coreia do Sul”.

    Em 6 de outubro, a Coreia do Norte realizou procedimentos que poderiam iniciar um ataque nuclear tático nas “principais instalações de comando militar dos inimigos” e, no domingo (9), nos portos inimigos, disse a mídia estatal de Pyongyang.

    Entre as principais instalações militares na Coreia do Sul está o Camp Humphreys do Exército dos Estados Unidos, a maior instalação militar dos EUA fora do país, com uma população de mais de 36.000 militares norte-americanos, trabalhadores civis, contratados e familiares.

    Kim Jong Un assiste a um lançamento de míssil / Rodong Sinmun

    Especialistas dizem que a Coreia do Norte provavelmente fabricou algumas ogivas nucleares – “20 a 30 ogivas para entrega principalmente por mísseis balísticos de médio alcance”, escreveram Hans Kristensen e Matt Korda, do Projeto de Informação Nuclear da Federação de Cientistas Americanos, em setembro.

    Mas sua capacidade de detoná-los com precisão no campo de batalha não foi comprovada.

    Analistas observaram que, com os relatórios de segunda-feira, a Coreia do Norte quebrou seis meses de silêncio sobre seu programa de testes. Antes disso, geralmente um anúncio e imagens dos testes eram disponibilizados no dia seguinte.

    Leif-Eric Easley, professor associado de estudos internacionais da Ewha Womans University em Seul, disse que Pyongyang tinha “múltiplas motivações” para fazer um anúncio na segunda-feira.

    Além de fornecer uma “manchete patriótica” para o consumo doméstico no 77º aniversário de seu partido no poder, “está explicitando a ameaça nuclear por trás de seus recentes lançamentos de mísseis”, disse Easley.

    “A reportagem da KCNA também pode ser o prenúncio de um próximo teste nuclear para o tipo de ogiva tática que armaria as unidades que Kim visitou em campo”, disse ele.

    Autoridades sul-coreanas e norte-americanas alertam desde maio que a Coreia do Norte pode estar se preparando para seu primeiro teste nuclear desde 2017, com imagens de satélite mostrando atividade em seu local subterrâneo de testes nucleares.

    **uso restrito a esta matéria**
    Um teste de míssil norte-coreano / Rodong Sinmun

    Resposta dos EUA

    A reportagem da KCNA disse que os exercícios recentes, de 25 de setembro a 9 de outubro, foram projetados para enviar um “forte alerta de reação militar aos inimigos” e verificar e melhorar as capacidades de combate do país.

    No texto, Kim chamou a Coreia do Sul e os Estados Unidos de “os inimigos” e disse que a Coreia do Norte não precisa manter conversas com eles.

    Kim enfatizou ainda que Pyongyang monitorará minuciosamente os movimentos militares dos inimigos e “tomará fortemente todas as contramedidas militares” se necessário, afirmou a KCNA.

    Os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão realizaram exercícios militares durante a recente onda de exercícios do Norte.

    Um grupo de ataque de porta-aviões da Marinha dos EUA participou de vários dias de exercícios bilaterais e trilaterais com unidades sul-coreanas e japonesas que terminaram no sábado, disse um comunicado da Força-Tarefa 70 da Marinha dos EUA.

    “Nosso compromisso com a segurança regional e a defesa de nossos aliados e parceiros é demonstrado por nossa flexibilidade e adaptabilidade para mover este grupo de ataque para onde for necessário”, disse o contra-almirante Michael Donnelly, comandante da Força-Tarefa 70/Carrier Strike Group 5.

    O Conselho de Segurança Nacional da Coreia do Sul neste domingo “condenou fortemente” os recentes lançamentos de mísseis balísticos da Coreia do Norte e disse que os militares sul-coreanos reforçarão ainda mais sua postura de defesa combinada e dissuasão por meio de exercícios militares conjuntos com os EUA e cooperação de segurança trilateral envolvendo o Japão.

    O Estado-Maior Conjunto do Japão disse que o ambiente de segurança ao redor do Japão está se tornando “cada vez mais severo” e que os exercícios com a Marinha dos EUA estão fortalecendo a capacidade da aliança de responder a ameaças.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original