Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Coreia do Sul e EUA estabelecem nova colaboração para deter ameaça nuclear norte-coreana

    Acordo deve ser fechado nesta quarta-feira (26) com anúncio de envio de tecnologia militar americana na Coreia do Sul

    Presidente dos EUA, Joe Biden, e presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, durante visita a memorial da Guerra da Coreia, em Washington, EUA
    Presidente dos EUA, Joe Biden, e presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, durante visita a memorial da Guerra da Coreia, em Washington, EUA Leah Millis/Reuters (25.abr.23)

    Trevor HunnicuttSteve HollandDavid Brunnstromda Reuters

    Washington, EUA

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o líder sul-coreano, Yoon Suk-yeol, devem fechar um acordo nesta quarta-feira (26) para aprofundar a colaboração destinada a deter a escalada nuclear da Coreia do Norte em meio à crescente ansiedade sobre seu arsenal de mísseis e bombas, disseram autoridades americanas.

    Além da pompa que a Casa Branca programou, os dois aliados estão usando a primeira visita oficial de um líder sul-coreano em mais de uma década para enviar um alerta ao líder norte-coreano, Kim Jong Un.

    Espera-se que os dois cheguem a um acordo sobre uma nova “Declaração de Washington” que, segundo autoridades dos EUA, dará à Coreia do Sul informações detalhadas e uma voz no planejamento de contingência dos EUA para impedir e responder a qualquer incidente nuclear na região por meio de um Grupo Consultivo Nuclear EUA-Coreia do Sul.

    Embora os aliados afirmem que a diplomacia com a Coreia do Norte é a melhor solução, Washington vai anunciar o envio de tecnologia militar imponente, incluindo um submarino com mísseis balísticos na Coreia do Sul em uma demonstração de força, disseram autoridades graduadas do governo dos EUA a repórteres. Será a primeira visita submarina do tipo desde a década de 1980, segundo as fontes.

    As autoridades enfatizaram que nenhuma arma nuclear dos EUA será devolvida à península, e a Coreia do Sul continuará sem controle sobre o arsenal nuclear dos EUA.

    A Coreia do Sul também reafirmará seu compromisso com o tratado de não proliferação nuclear e seu status de não-nuclear, disseram elas.

    “Isso segue o modelo do que fizemos com os aliados europeus durante o auge da Guerra Fria em períodos semelhantes de potencial ameaça externa”, afirmou uma autoridade do governo Biden.

    Os Estados Unidos estão informando a China com antecedência sobre as etapas, disseram as autoridades, uma medida que acena para o desejo de aliviar o relacionamento tenso na região.

    A viagem de seis dias de Yoon ocorre quando Washington e Seul marcam uma aliança de 70 anos.

    Na terça-feira (25), Yoon e sua esposa, Kim Keon Hee, se juntaram à vice-presidente Kamala Harris para uma visita ao Goddard Space Flight Center da Nasa, perto de Washington, para discutir a cooperação em questões espaciais. Mais tarde, ele visitou o Memorial da Guerra da Coreia com Biden, marcando o conflito mortal de 1950-53 que ecoa até os dias atuais.