Do ‘apocalipse’ ao céu azul: luta de Pequim por ar limpo é rara vitória para dissidência pública

Capital chinesa, que já foi conhecida como uma das cidades mais poluídas do mundo, registra melhor qualidade mensal do ar desde o início da série histórica, em 2013

Vista dos arranha-céus no Distrito Comercial Central de Pequim, na China
Vista dos arranha-céus no Distrito Comercial Central de Pequim, na China Chen Zhonghao - 9.set.2020/Xinhua

Jessie YeungNectar GanSteve Georgeda CNN

Ouvir notícia

Pequim já foi conhecida como uma das cidades mais poluídas do mundo, com densa fumaça e um ar irritante como a realidade diária para seus moradores. Agora, o céu está quase todo azul, um sinal de que a capital da China está em uma nova era de ar puro, afirmou o ministro da Ecologia e Meio Ambiente do país na última quarta-feira (18).

“O ‘azul de Pequim’ gradualmente se tornou nosso novo normal”, disse Huang Runqiu, o ministro, de acordo com o tabloide estatal Global Times, enquanto a cidade registrava sua melhor qualidade mensal do ar desde o início da série histórica, em 2013.

Embora as cidades chinesas há muito tempo liderem as classificações globais da pior qualidade do ar do mundo, elas têm mostrado uma melhora constante ao longo dos anos.

Pequim registrou apenas 10 dias de forte poluição do ar no ano passado, disse Huang – uma queda de quase 80% desde 2015. Fotos recentes da cidade mostram céu azul e sol de verão, uma raridade na cidade de aproximadamente 21 milhões de habitantes.

A reviravolta na qualidade do ar de Pequim ilustra o sucesso da campanha antipoluição do país desde que começou em 2013, ano do infame “air-pocalypse” (mistura das palavras “ar” e “apocalipse”, em inglês) de Pequim, quando a poluição ficou tão forte que os níveis de PM2,5, um poluente microscópico, atingiu 900 microgramas por metro quadrado, 90 vezes maior do que o nível diário recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O apocalipse do ar atraiu a atenção da mídia global e levou o assunto ao mainstream da China – tanto que uma cervejaria local até mesmo deu o nome de uma cerveja em sua homenagem, prometendo descontos em dias úmidos.

Durante anos, a poluição na capital foi eufemisticamente chamada de “névoa”, mas agora, armados com novas informações sobre os efeitos perigosos da má qualidade do ar, os residentes não estavam mais dispostos a tolerar dias de respiração difícil.

“Não era simplesmente a tosse irritante de Pequim que estava atacando os residentes diariamente – era algo muito pior”, disse Daniel Gardner, professor emérito do Smith College e autor de “Poluição Ambiental na China: O que todos precisam saber”.

“Quando tossiam, era um sinal de que estavam ingerindo material particulado que leva à morbidade e mortalidade”, acrescentou. “Então, acho que as pessoas agora começaram a ver essa qualidade do ar de forma muito diferente em 2013.”

Termos como PM2,5 logo se tornaram parte do vocabulário cotidiano, à medida que as pessoas começaram a organizar suas vidas em torno dos vários níveis de poluição. E com o aumento da conscientização pública, protestos contra as usinas de carvão começaram a surgir em cidades como Kunming e Shenzhen.

Na época, o Global Times relatou que a indignação pública estava “atrapalhando” o crescimento econômico do país, mas, segundo Gardner, o governo já havia começado a mudar sua mentalidade.

Melhora da qualidade do ar na China serviu como impulso de relações públicas para Xi Jinping
Melhora da qualidade do ar na China serviu como impulso de relações públicas para Xi Jinping / Andy Wong – 23.ago.2021/AP

Mudança política para melhorar imagem pública

Xi Jinping, que se tornou presidente em março de 2013, apenas dois meses após o apocalipse do ar, viu uma oportunidade.

Prometendo limpar a poluição do ar, ele poderia ganhar o apoio público, melhorar a imagem internacional da China, atrair de volta turistas estrangeiros preocupados e trabalhadores expatriados e dar a si mesmo um impulso de relações públicas de uma só vez.

“A primeira crise que vem à sua mesa é o apocalipse do ar. Não foi apenas em Pequim, foi em todo o norte da China e fez barulho”, disse Gardner. “2013 foi um ponto de inflexão atitudinal importante, onde o governo agora está dizendo abertamente, estamos deixando para trás essa política de ‘crescimento econômico a todo custo’ e nos movendo nesta nova direção onde há harmonia entre crescimento econômico… e gestão ambiental.”

A partir daquele ano, o governo investiu bilhões de dólares em um plano de ação nacional para a poluição do ar. Lançou novos regulamentos, instalou estações de monitoramento do ar em todo o país e começou a fechar minas de carvão e usinas de carvão. Em 2014, a China havia declarado uma “guerra nacional contra a poluição”.

No início, Pequim tolerou protestos públicos porque eram localizados – com foco em usinas específicas nos bairros dos manifestantes ou em autoridades locais que haviam violado as regulamentações ambientais.

Mas isso logo começou a mudar à medida que os protestos assumiram um escopo mais amplo – alimentado em parte por “Under the Dome”, um documentário de 2015 que criticava empresas estatais, funcionários corruptos e ministérios do governo por seu papel na crise da qualidade do ar.

Mais de 200 milhões de pessoas assistiram ao documentário em sua primeira semana, gerando um acirrado debate online antes que os censores proibissem totalmente a obra.

“Acho que o governo estava preocupado é com um movimento se tornando nacional”, disse Gardner. “Eles viram pessoas em Pequim, Kunming e Lanzhou, em todas as partes da China, assistindo este mesmo documentário e ouvindo a mesma mensagem… Acho que a percepção era que o alvo poderia crescer e ir além do local, se tivesse permissão para continuar.”

Enquanto o Partido Comunista da China, liderado por Xi, reforçava seu controle sobre a sociedade civil e reprimia o ativismo social, a polícia rapidamente encerrou os protestos ambientais em Chengdu em 2016 e em Wuhan em 2019. Vários outros documentários sobre questões ambientais, como resíduos de plástico, também foram banidos.

Ao mesmo tempo, Xi se orgulhava da campanha antipoluição da China, muitas vezes fechando fábricas e limitando o número de carros nas estradas para garantir céu azul durante eventos importantes, como a cúpula de 2014 dos líderes da Ásia-Pacífico.

Apesar das melhorias, ainda há um longo caminho a percorrer – por exemplo, aqueles céus azuis temporários geralmente se perdem com forte poluição. E é difícil saber se melhorias estão sendo vistas em todo o país ou se a poluição está apenas migrando de Pequim para outros lugares – especialmente com os novos planos apresentados este ano para dezenas de fornos a carvão e usinas de energia.

Os ambientalistas também devem ter cuidado para não cruzar nenhuma linha política vermelha, para que não irritem o governo central.

Mas, visto da outrora poluída Pequim, está claro que os esforços combinados valeram a pena – talvez uma das poucas vezes nos últimos anos em que a indignação pública estimulou com sucesso as autoridades chinesas a agirem, mesmo que esses esforços tenham sido cuidadosamente administrados e rapidamente suprimidos.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN