Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Biden neutralizou questionamentos sobre sua idade – por enquanto

    Presidente americano, de 81 anos, parece estar em uma situação muito melhor nesta questão do que estava há uma semana

    O presidente americano Joe Biden faz discurso do "Estado da União" ao Congresso americano, em 7 de março de 2024.
    O presidente americano Joe Biden faz discurso do "Estado da União" ao Congresso americano, em 7 de março de 2024. Chip Somodevilla/Getty Images

    Stephen Collinsonda CNN

    Nem mesmo os presidentes podem reverter o tempo, por isso há um limite para o que Joe Biden pode fazer para neutralizar uma das suas principais responsabilidades nas eleições gerais dos Estados Unidos em novembro: a sua idade avançada.

    Mas Biden, de 81 anos, parece estar em uma situação muito melhor nesta questão do que estava há uma semana – e não apenas porque ultrapassou o número mágico de delegados necessários para garantir a candidatura democrata para 2024 na noite de terça-feira (12).

    O vigoroso discurso do presidente ao Congresso sobre o “Estado da União” redefiniu parcialmente a narrativa política e continua a produzir dividendos.

    A visão de Biden em horário nobre, dominando o palco, ofereceu uma imagem robusta em resposta àquela que os americanos às vezes viram – de um estadista perplexo, que citou conversas telefônicas com líderes europeus mortos e confundiu o México e o Egito em uma coletiva de imprensa, destinado a resolver o problema da idade.

    Esse desastre foi motivado pelo relatório do procurador especial Robert Hur, que afastou a ameaça de Biden enfrentar acusações criminais por reter documentos confidenciais após sua vice-presidência, mas o descreveu como um “homem idoso e bem-intencionado com memória fraca”.

    Essa caracterização incitou furor e reacendeu o debate sobre se o presidente deveria se afastar para que um democrata mais jovem pudesse levar a luta contra o presumível candidato republicano, Donald Trump.

    A certa altura daquela aparência raivosa, Biden se enfureceu: “Como diabos ele ousa levantar isso?” referindo-se à descrição de Hur de sua luta para lembrar exatamente quando seu filho Beau morreu.

    A realidade da entrevista parece agora um pouco diferente da retratada por Hur ou Biden ou da difundida por agentes republicanos e democratas e refletida na cobertura da imprensa.

    A transcrição de 258 páginas divulgada na terça-feira mostra Biden ocasionalmente confuso e procurando datas. Mas a totalidade do encontro não apoia as alegações republicanas de declínio cognitivo avançado.

    A transcrição, no entanto, também contraria as alegações dos democratas de que Hur, um ex-procurador dos EUA nomeado por Trump em Maryland, era um partidário furioso que pretendia enganar o presidente.

    Um tesouro para observadores e historiadores de Biden

    Na entrevista, Biden fala extensa e fluentemente, lembrando-se facilmente de detalhes e pormenores sobre sua vice-presidência, vida familiar e tradição.

    Ele divaga e discute o seu poder como orador, torna-se lírico sobre o seu amado estado de Delaware e até parece tentar vender a Hur os méritos da política externa de seu governo.

    Embora possa ser uma decepção para os republicanos que procuram uma arma fumegante, a transcrição será uma mina de ouro para futuros historiadores.

    Enquanto Hur investiga detalhes sobre o armazenamento de documentos, o presidente parece prestativo e, às vezes, como o velho político ventoso que sabe como obstruir como só um senador de longa data consegue.

    Ele tem muito orgulho de sua família, de sua casa e está apaixonado por sua esposa, a primeira-dama Jill Biden, e espera que Hur não tenha encontrado fotos “arriscadas” dela.

    Ele faz longas perorações em seus armários e móveis oficiais e diz que é uma espécie de arquiteto amador. As conversas sobre a morte de Beau por câncer no cérebro são difíceis de ler.

    Presidente dos EUA Joe Biden em Washington / 5/3/2024 REUTERS/Evelyn Hockstein

    Mas também há pura comédia – como quando Biden se vangloria da sua destreza com o arco e flecha durante uma viagem à Mongólia e disse sobre o primeiro-ministro do país: “O pobre filho da p*ta não conseguiu recuar”.

    Talvez Hur não estivesse tentando ser engraçado quando disse a Biden no início que queria algumas informações, mas que “não pediremos que você nos leve de volta a Scranton”.

    No entanto, qualquer pessoa familiarizada com a veneração de Biden pela história de sua vida como um garoto brigão na cidade operária da Pensilvânia teria dificuldade em reprimir uma risada.

    Apesar de todas as distrações, há poucas evidências na transcrição da entrevista de que Biden não esteja apto ou seja capaz de servir no Salão Oval – uma acusação fundamental no centro da campanha eleitoral de Trump.

    Os republicanos não conseguem atrair Hur na questão da idade

    Hur defendeu sua descoberta em uma audiência altamente politizada na Câmara na terça-feira, onde também se recusou a dar crédito às alegações republicanas de que as faculdades mentais de Biden estão diminuídas.

    O deputado de Wisconsin Scott Fitzgerald, por exemplo, perguntou-lhe: “Sr. Hur, com base no seu relatório, você descobriu que o presidente estava senil?” Hur respondeu: “Eu não. Essa conclusão não aparece no meu relatório.”

    O fato dos seus interrogadores republicanos terem optado por se concentrar mais nas diferentes consequências de Biden e Trump pela posse de documentos confidenciais – Biden não foi acusado e Trump foi – pode sugerir que compreendem que, por enquanto, pelo menos, acertar alvos fáceis mirando a idade de Biden já não tem a mesma potência de antes. (Trump declarou-se inocente das acusações federais, apresentadas por um advogado especial diferente, relacionadas com o seu acúmulo de documentos em Mar-a-Lago.)

    Uma confusão semelhante nas mensagens do Partido Republicano ficou evidente após o discurso sobre o Estado da União de quinta-feira passada.

    Os republicanos entraram no evento criticando Biden como trêmulo e envelhecido. Eles começaram a reclamar que ele estava muito empolgado e barulhento.

    Presidente dos EUA, Joe Biden, durante evento de campanha em Atlanta / 09/03/2024 REUTERS/Evelyn Hockstein

    Se o discurso anual televisionado tivesse sido um desastre total, com Biden fornecendo mais destaques do que a senadora do Alabama, Katie Britt, chamou de uma figura “hesitante e diminuída” em sua resposta satirizada do Partido Republicano, esta semana poderia ter sido difícil para Biden.

    Ele teria, por exemplo, jogando gasolina nos ataques do Partido Republicano na audiência de terça-feira e oferecido evidências para a avaliação de Hur sobre sua memória.

    Em vez disso, o seu desempenho na semana passada, que foi seguido esta semana em vários eventos de campanha otimistas em estados indecisos, contrariou a narrativa de declínio que a mídia conservadora passou meses construindo com suas fitas de erros de Biden.

    Uma boa semana não faz campanha

    Uma pessoa que não está pronta para deixar de lado a questão da idade é Trump, que tem 77 anos.

    Ele divulgou um vídeo de Biden tropeçando nos degraus do Air Force One e caindo da bicicleta, buscando reviver sua narrativa de longo prazo sobre seu rival.

    O foco do ex-presidente na idade de Biden reflete o fato de que uma boa semana não mudará a dura realidade dos próximos oito meses.

    Qualquer sinal de fragilidade na campanha irá reavivar dúvidas sobre a capacidade de Biden não apenas de servir, mas de derrotar Trump quando ele está atrás em vários estados-pêndulos e em questões eleitorais importantes.

    Biden reconheceu implicitamente que isto continuará a ser uma vulnerabilidade. Num anúncio divulgado no fim de semana, ele disse: “Não sou um cara jovem, isso não é segredo. Mas o negócio é o seguinte: eu entendo como fazer as coisas para o povo americano.”

    Os apoiadores de Biden costumam reclamar que existe um duplo padrão em relação à idade, já que Trump não está muito atrás de Biden em anos.

    Mas a linguagem bombástica e a arrogância do ex-presidente tendem a minar essas críticas – algo que o campo de Biden reconhece, argumentando por vezes implicitamente que, embora o presidente seja velho, não é uma ameaça selvagem ao Estado de direito e à Constituição como o seu antecessor.

    Fora de Washington e do mundo autônomo da política e das campanhas, será difícil mudar as preocupações sobre a idade de Biden. Várias pesquisas mostram que a maioria dos americanos acredita que Biden está velho demais para concorrer.

    Uma pesquisa do New York Times/Siena College antes do Estado da União descobriu que mesmo a maioria dos que votaram em Biden em 2020 acham que ele está velho demais para ser eficaz.

    Presidente dos EUA Joe Biden em Washington / 5/3/2024 REUTERS/Evelyn Hockstein

    A questão da idade já estava em alta muito antes de se tornar um grande problema de campanha. A Casa Branca afirma que os meios de comunicação social exageraram a ansiedade e subestimaram o sentimento genuíno entre muitos eleitores enquanto ponderavam a sua escolha em novembro.

    Ainda assim, a idade de Biden é apenas uma questão de uma eleição que o presidente quer transformar de um referendo sobre o seu desempenho num repúdio público ao esforço de Trump para reivindicar um segundo mandato dedicado à retribuição e à vingança.

    Entretanto, um ligeiro aumento na inflação nos novos dados do governo nesta terça-feira destacou a vulnerabilidade do presidente face a fatores econômicos fora do seu controle.

    E quanto mais um mundo inquieto desempenhar a caricatura de Trump de um planeta que se encaminha para a Terceira Guerra Mundial, mais difícil poderá tornar-se a campanha para Biden.

    No entanto, depois de um discurso bem sucedido sobre o Estado da União e depois de escapar ao inquérito de Hur em melhores condições do que parecia possível há algumas semanas, a campanha de Biden registou um marco na noite em que o presidente reivindicou oficialmente a candidatura, embora sem sérios desafios.

    “É um momento de ‘virar a página’”, disse um responsável da campanha à repórter MJ Lee, da CNN. “A transcrição foi divulgada. A audiência está feita. Trump continuará a ser perseguido por acusações nos documentos, mas para nós – está efetivamente feito.”

    Mas depois de mostrar que está no comando, Biden terá de continuar assim durante mais oito meses num cansativo julgamento de campanha, contra um adversário desenfreado que ainda faltam alguns anos para completar 80 anos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original