Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Elon Musk sinaliza que Trump não deve voltar ao Twitter antes das eleições

    O novo dono do Twitter confirmou que nenhuma conta banida deve voltar antes que seja estabelecido um processo claro de como fazer isso, o que deve levar algumas semans

    Reuters

    Clare Duffyda CNN

    Elon Musk indicou, nesta quarta-feira (2), que a conta no Twitter do ex-presidente Donald Trump não será restaurada antes das eleições de meio de mandato dos Estados Unidos na próxima semana, respondendo a uma das maiores incógnitas relacionadas a sua aquisição da empresa de mídia social.

    Musk confirmou na manhã de quarta-feira que “o Twitter não permitirá que ninguém que tenha sido retirado da plataforma por violar as regras do Twitter volte até que tenhamos um processo claro para fazê-lo, o que levará pelo menos mais algumas semanas”. O proprietário bilionário do Twitter havia dito anteriormente que iniciaria um “conselho de moderação de conteúdo” e que nenhuma decisão importante sobre conteúdo seria tomada até que ele estivesse em vigor.

    Antes de adquirir o Twitter na semana passada, Musk havia prometido reverter pelo menos algumas das políticas de moderação de conteúdo da plataforma e acabar com o banimento permanente de contas. Ele também disse especificamente que recuperaria a conta pessoal de Trump, que foi banido da plataforma logo após a invasão do Capitólio dos EUA em 6 de janeiro.

    Trump, que já usou o Twitter para criar notícias, atacar críticos e definir a agenda em Washington, disse que está feliz que o Twitter esteja agora em “mãos sãs” após a aquisição de Musk, mas afirmou que não retornaria à plataforma. Em vez disso, ele planeja permanecer em sua própria rede social, Truth Social. Trump tinha dezenas de milhões de seguidores a mais no Twitter do que no Truth Social.

    As insinuações de que Musk adiaria a decisão sobre Trump e outras contas banidas ocorrem no momento em que ele está trabalhando para tranquilizar usuários e anunciantes, que respondem por 90% da receita do Twitter, de que a plataforma não se tornará uma “paisagem infernal gratuita para todos”. Musk também está trabalhando com alguma urgência para aumentar a receita do Twitter, inclusive com um produto de assinatura, depois de obter uma quantia significativa de financiamento de dívida para pagar a aquisição de US$ 44 bilhões.

    Em um tweet nesta quarta-feira, Musk disse: “O conselho de moderação de conteúdo do Twitter incluirá representantes com visões amplamente divergentes, o que certamente incluirá a comunidade de direitos civis e grupos que enfrentam violência alimentada pelo ódio”.

    Desde que Musk assumiu o cargo de proprietário e CEO do Twitter, a plataforma enfrentou uma onda de discurso de ódio e outros conteúdos tóxicos, o que causou protestos de grupos da sociedade civil e levou alguns anunciantes a pensarem duas vezes antes de trabalhar na plataforma.

    Em seus tweets desta quarta-feira, Musk disse que se reuniu com representantes de associações americanas como a Liga Anti-Difamação, a Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (NAACP), Color of Change, Fundação Asiático Americana e vários outros grupos para discutir “como o Twitter continuará a combater o ódio e o assédio e impor suas políticas de integridade eleitoral”.

    Na terça-feira, o chefe de segurança e integridade do Twitter, Yoel Roth, disse na plataforma que a empresa está “focada em abordar o aumento de conduta odiosa no Twitter. Fizemos um progresso mensurável, removendo mais de 1.500 contas e reduzindo as reações a este conteúdo para quase zero.” Tanto Musk quanto Roth enfatizaram que as políticas do Twitter não mudaram desde a aquisição.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original