Em encontro, papa Francisco defende que Biden continue recebendo comunhão

Biden enfrenta resistência de bispos americanos por defender o direito ao aborto; reunião com pontífice durou cerca de 90 minutos

Kevin Liptakda CNN

Ouvir notícia

Após encontro com o papa Francisco nesta sexta-feira (29), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, relatou que o pontífice lhe disse que ele era um “bom católico” e que deveria continuar recebendo a comunhão.

Biden revelou alguns detalhes de sua longa conversa com papa enquanto cumprimentava o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, em Roma.

Ele se encontrou com o pontífice nesta sexta, no Vaticano. A reunião de Biden e membros do governo dos EUA e o papa durou cerca de 90 minutos.

Questionado se havia discutido sobre aborto com Francisco, Biden disse que não. O presidente dos EUA está em Roma para as reuniões do G20 desde ontem.

“Acabamos de falar sobre o fato de ele estar feliz por eu ser um bom católico e continuar recebendo a comunhão”, disse Biden.

Bispos americanos avançaram com um plano que permitiria que os bispos individuais pudessem negar a comunhão a políticos que apoiam o direito ao aborto. Francisco se posicionou contra os movimentos.

Questionado se havia discutido a Conferência dos Bispos dos Estados Unidos com Francisco, Biden disse: “Essa é uma conversa particular.”

Biden disse que não recebeu a comunhão na sexta-feira, mas que o papa abençoou seu rosário.

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e primeira-dama dos EUA, Jill Biden, durante encontro com o papa Francisco no Vaticano nesta sexta-feira (29)
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e primeira-dama dos EUA, Jill Biden, durante encontro com o papa Francisco no Vaticano nesta sexta-feira (29) / Foto: Reuters

Ele acrescentou que discutiu a mudança climática com Francisco e concordou que os líderes “precisam ser mais responsáveis” ao lidar com a crise. Mais cedo, Biden disse que ele e Francisco oraram um pelo outro e pela paz.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN