Epicentro inicial da pandemia, Wuhan recebe 1º voo internacional desde janeiro

Com os baixos níveis de transmissão observados na China nas últimas semanas, Wuhan já retornou ao patamar de voos domésticos de 2019

Henrique Andrade*

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Oito meses depois dos primeiros casos do novo coronavírus, a cidade chinesa de Wuhan retomou nesta quarta (16) as operações de voos internacionais. Vindo de Seul, um avião da sul-coreana T’way desembarcou às 10h30 (horário local) no Aeroporto Internacional de Wuhan Tianhe.

Segundo a CCTV, veículo estatal chinês, todos os passageiros passaram por um teste RT-PCR para Covid-19 72 horas antes do voo, em um hospital designado pela Embaixada da China em Seul, capital sul-coreana. O uso de máscara também era obrigatório a bordo, além da checagem de temperatura.

Leia e assista também

Primeiro epicentro da pandemia, Wuhan reabre escolas e jardins de infância

OMS entrevista cientistas de Wuhan sobre origens do coronavírus

A T’way, que foi uma entre as companhias aereas que suspenderam os voos para Wuhan em janeiro, vai operar um voo por semana, toda quarta-feira, entre o aeroporto da cidade e o Aeroporto Internacional de Incheon, maior da Coreia do Sul. A diretora de transportes de Wuhan, Li Tizhuo, espera retomar mais duas rotas internacionais ainda neste mês.

Com os baixos níveis de transmissão observados na China nas últimas semanas, Wuhan já retornou ao patamar de voos domésticos de 2019, recebendo mais de 64 mil passageiros e 500 voos domésticos na última sexta (11). Os números são os maiores registrados no aeroporto desde 8 de abril, quando os serviços domésticos foram retomados.

Para voos de carga, o aeroporto de Wuhan já retomou nove rotas internacionais e planeja ampliar os serviços para Amsterdam (via Londres), Dhaka e Delhi.

*sob supervisão de Giovanna Bronze

Mais Recentes da CNN