Especialistas analisam possível próximo passo da Rússia; clima é fator importante

Chão congelado é propício para avanço das tropas terrestres, porém o inverno não está tão rigoroso na fronteira com a Ucrânia

Se a Rússia invadir a Ucrânia, a Zona de Exclusão de Chernobyl é um possível canal para Kiev
Se a Rússia invadir a Ucrânia, a Zona de Exclusão de Chernobyl é um possível canal para Kiev Volodymyr Tarasov/ Ukrinform/Future Publishing via Getty Images

Tim Listerda CNN

Ouvir notícia

Mesmo no século 21, a guerra é afetada pelo clima – e isso pode se tornar um fator importante em qualquer ofensiva russa na Ucrânia. A pergunta que está na boca dos ucranianos, e talvez dos generais russos é: “A Rasputitsa chegou cedo?”

Rasputitsa é o termo para a lama da primavera, quando as viagens na Rússia e na Ucrânia por estradas se tornam mais difíceis. Normalmente, o impacto é maior em março, quando as neves começam a derreter.

Até agora, este inverno tem sido excepcionalmente ameno em grande parte da Ucrânia. Enquanto os repórteres da CNN dirigiam da cidade portuária de Mariupol para Zaporizhzia, no centro da Ucrânia, em 1º de fevereiro, começou a chover. O motorista deu de ombros, incrédulo. “Deveria ser neve”, ele riu.

Em Zaporizhzia, crostas brancas de neve estavam derretendo em um fio de água marrom. Mesmo à meia-noite, quando uma névoa cobria o rio Dnieper, a temperatura pairou no congelamento. O granizo virou garoa e voltou a cair.

Analistas militares estão debatendo se a continuação do inverno ameno pode afetar os planos de uma ofensiva. O Kremlin negou repetidamente que tenha qualquer intenção de atacar a Ucrânia, mas mais de 100 mil soldados russos estão reunidos perto das fronteiras com o país, junto com armas pesadas, tanques e mísseis balísticos.

Vídeos nas redes sociais de várias áreas onde as forças russas estão implantadas – alguns postados pelos próprios soldados – mostram solo macio e cheio de água, com muita lama.

Dados do Copernicus, o programa de Observação da Terra da União Europeia, mostram que grande parte da Europa Oriental experimentou temperaturas bem acima da média em janeiro. A Ucrânia viu temperaturas entre 1 e 3 graus Celsius acima da média dos últimos 30 anos, uma das muitas mudanças que a crise climática trouxe a esta região.

O Copernicus também informa que, em janeiro, a “Europa Oriental estava predominantemente mais úmida do que a média” e o solo na Ucrânia estava mais úmido do que o normal. A combinação significa menos geada e mais lama.

Isso não é surpresa para Svitlana Krakovska, chefe do Laboratório de Climatologia Aplicada do Instituto Hidrometeorológico Ucraniano em Kiev.

“O que estamos vendo em uma trajetória de longo prazo é um número menor de dias com cobertura de neve, bem como noites de geada. Definitivamente, vemos um aquecimento muito mais forte acontecendo aqui do que a média global”, disse ela à CNN.

A avaliação dos EUA é que uma incursão russa seria mais fácil se a temperatura cair.

“[O presidente russo, Vladimir Putin] vai ter que esperar um pouco até que o chão esteja congelado para que ele possa atravessar”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, em entrevista coletiva no mês passado.

Veículos blindados participam de um exercício de desembarque anfíbio realizado por corpos do exército e unidades de infantaria naval da Frota Russa do Mar Negro na cordilheira de Opuk, Crimeia, em 18 de outubro de 2021 / Sergei Malgavko/TASS/Getty Images

Em um relatório do Pentágono no final de janeiro, o presidente do Estado-Maior Conjunto, general Mark Milley, disse que quando o “lençol freático alto” da Ucrânia congela, “isso cria condições ideais para atravessar a extensão do país e manobrar veículos com rodas”.

Autoridades dos EUA disseram que Putin entenderia que ele precisa se mover até o final de março.

Mas Dara Massicot, pesquisadora sênior de políticas da RAND Corporation, diz que “embora o solo congelado ‘seja bom’ para as forças russas, não é um fator determinante. É importante ter em mente que mísseis de precisão guiados e ataques aéreos não são influenciados por este fator”.

As forças russas se aperfeiçoaram substancialmente na última década, diz Massicot. A força aérea adquiriu melhores direcionamentos e comunicações – e muitos de seus pilotos ganharam experiência de combate na Síria.

“Os militares russos treinam o ano todo para que tenham experiência em diferentes condições climáticas”.

Os tanques russos – centenas dos quais agora estão ao alcance da fronteira com a Ucrânia – não são impedidos facilmente por solo macio, embora provavelmente façam progressos mais rápidos em solo congelado.

Mesmo assim, os blindados se movem tão rápido quanto sua cauda logística, veículos que poderiam ser retardados pelo mau tempo “se tivessem que sair da estrada por algum motivo”, diz Massicot. Ela observa que a Rússia implantou equipamentos logísticos para ajudar a superar esses problemas, incluindo veículos de recuperação e materiais para auxiliar na vedação.

Pontes flutuantes também foram observadas em comboios ferroviários que viajam para Belarus desde o final de janeiro.

As condições do solo importariam mais em alguns lugares do que em outros. O leste da Ucrânia é uma área de terra cultivável, ideal para tanques. Mas a fronteira norte com Belarus inclui milhares de quilômetros quadrados de pântanos e atoleiros que impediriam uma força de ataque (como fizeram com os nazistas em 1941 durante a Operação Barbarossa).

De acordo com o Instituto para Estudo da Guerra, “os pântanos podem ser difíceis, em alguns lugares provavelmente impossíveis, para forças mecanizadas atravessarem quando molhados”.

Depende muito do tipo e escala da operação militar que a Rússia possa ter em mente. Nos estágios iniciais de um conflito, ataques aéreos e de mísseis seriam mais importantes do que uma onda de unidades mecanizadas.

“Os céus não seriam um fator para mísseis balísticos ou cruzeiros guiados de precisão russos, ou mesmo alguns de seus sistemas de artilharia de longo alcance mais precisos”, diz Massicot, que anteriormente era analista sênior do Pentágono sobre as forças armadas russas.

“A cobertura de nuvens não é especialmente um fator para locais fixos como instalações militares ou comando e controle onde as coordenadas são conhecidas”.

No mês passado, a Rússia moveu para perto da Ucrânia um número substancial de mísseis balísticos Iskander, que têm um alcance de cerca de 450 quilômetros.

No leste, as posições da linha de frente ucranianas não mudam há anos; mísseis e artilharia de longo alcance poderiam atingi-las independentemente do clima – talvez fornecendo um ponto de ruptura para os blindados russos.

Porém, aeronaves de ataque, que seriam encarregadas de atacar unidades ucranianas em movimento, precisariam de céus relativamente claros. Assim como os aviões para lançar tropas de assalto aéreo na zona de conflito; de acordo com os analistas de defesa Janes, “várias unidades de forças aerotransportadas (VDV) também foram identificadas sendo implantadas em Belarus”.

Militares próximos da aldeia de Zolote, área de retirada do governo e das tropas rebeldes apoiadas pela Rússia, na região de Luhansk, ao leste da Ucrânia / Foto: REUTERS/Gleb Garanich

Uma base de nuvens baixa dificulta as operações aéreas, bem como o reconhecimento por satélite, e pode diminuir a considerável superioridade aérea da Rússia, tornando o que um analista militar chamou de “uma luta mais justa”.

Mas isso é uma faca de dois gumes. A densa cobertura de nuvens (e durante a noite) permitiria que os russos avançassem as tropas para as linhas de partida sem serem detectados de cima. Se o Kremlin decidir atacar, um período de mau tempo seguido de céu limpo, uma vez que as operações estejam em andamento, seria o ideal.

Os céus também importariam para os ucranianos. Se optassem por uma defesa altamente manobrável, exigiriam inteligência aérea fornecida pelos EUA e pela Otan para concentrar recursos limitados em pontos-chave para impedir o avanço russo.

É claro que as condições climáticas não são a única – nem a principal – consideração para o Kremlin. O progresso (ou a falta dele) das negociações sobre as demandas publicadas pela Rússia e enviadas aos EUA e à Otan provavelmente será o fator decisivo. Conceber alguma justificativa – um casus belli – para ir à guerra forneceria mensagens importantes para um público russo cético. Moldar a guerra de informação é uma parte fundamental da estratégia russa.

Clima em mudança

Krakovska, autor do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas publicado no ano passado, diz que há uma conexão clara entre as mudanças climáticas e os invernos em constante alteração da Ucrânia.

Isso é particularmente acentuado no leste da Ucrânia, onde as temperaturas no inverno são cerca de 3 graus Celsius mais quentes, em média, do que na década de 1960.

“Trinta anos atrás, teríamos cobertura de neve, especialmente no leste da Ucrânia, por pelo menos três meses da estação fria, e teríamos noites de geada por cerca de cinco meses”, disse Kralovska.

“Em 2020, não tivemos realmente um inverno, apenas alguns dias estavam abaixo de zero e não tivemos muita neve, apenas um pouco”.

O presidente russo, Vladimir Putin, costumava ser ambivalente sobre o aquecimento global. Em 2003, ele até disse que “talvez a mudança climática não seja tão ruim em um país tão frio como o nosso? Dois ou três graus não faria mal”.

Mais recentemente, ele reconheceu o dano que está causando ao meio ambiente da Rússia.

Agora, isso pode afetar os cálculos de seus generais.

O clima de inverno na Ucrânia pode ser instável, mas as perspectivas para o resto de fevereiro em Kiev são mais amenas do que a média, dizem os meteorologistas locais, com a maioria das temperaturas diurnas bem acima de zero e ocasionais raios de sol.

Timko, a marmota própria da Ucrânia, aparentemente acha que a lama Rasputitsa pode chegar um pouco mais cedo este ano. A marmota não viu sua sombra quando saiu da hibernação na semana passada.

Angela Dewan, Brandon Miller e Gianluca Mezzofiore, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN