EUA ameaçam deportar alunos estrangeiros sem aulas presenciais durante pandemia

Milhares de estudantes podem ser obrigados a deixar país após agência federal decidir que deve cancelar vistos se universidades adotarem sistemas 100% online

Prédio na Universidade de Harvard
Prédio na Universidade de Harvard Foto: Instagram/ Reprodução

Priscilla Alvarez e Catherine E. Shoichet,

da CNN

Ouvir notícia

Estudantes estrangeiros que estão se formando nos Estados Unidos terão que deixar o país ou correr o risco de serem deportados se suas universidades mudarem para cursos somente online, anunciou nesta segunda-feira (6) o a Agência de Imigração e a Alfândega do país (ICE, na sigla em inglês).

A mudança pode afetar milhares de estudantes estrangeiros que vivem nos Estados Unidos para frequentar universidades ou participar de programas de treinamento, além de estudos não acadêmicos ou profissionais.

As universidades de todo o país estão começando a tomar a decisão de fazer a transição para cursos online como resultado da pandemia de coronavírus. Em Harvard, por exemplo, todas as instruções do curso serão entregues online, inclusive para estudantes que moram no campus. Para estudantes internacionais, isso abre a porta para eles terem que deixar os EUA.

“Há tanta incerteza. É muito frustrante”, disse Valeria Mendiola, 26 anos, estudante de graduação na Kennedy School of Government de Harvard. “Se eu tiver que voltar ao México, posso voltar, mas muitos estudantes internacionais simplesmente não podem”.

Em um comunicado à imprensa na segunda-feira, a ICE disse que os estudantes que se enquadram em determinados vistos “podem não receber uma carga completa do curso online e permanecer nos Estados Unidos”, acrescentando: “O Departamento de Estado dos EUA não emitirá vistos para estudantes matriculados em escolas e / ou programas totalmente online para o semestre do outono, nem a Alfândega e a Proteção de Fronteiras dos EUA permitirão que esses estudantes entrem nos Estados Unidos”.

A agência sugeriu que os estudantes atualmente matriculados nos EUA considerassem outras medidas, como a transferência para escolas com instruções presenciais. Há uma exceção para as universidades que usam um modelo híbrido, como uma mistura de aulas online e presenciais.

Brad Farnsworth, vice-presidente do Conselho Americano de Educação, disse que o anúncio pegou ele e muitos outros de surpresa.

“Acreditamos que isso criará mais confusão e mais incerteza”, disse Farnsworth, cuja organização representa cerca de 1.800 faculdades e universidades. “O que esperávamos ver era mais apreço por todas as diferentes nuances possíveis que os campi estarão explorando”.

Uma preocupação com a nova orientação, disse Farnsworth, é o que aconteceria se a situação de saúde pública se deteriorasse no outono e as universidades que vinham oferecendo aulas presenciais sentissem que precisavam mudar todos os cursos online para se manterem seguras.

Os requisitos de visto para estudantes sempre foram rigorosos e foi proibido vir para os EUA para fazer cursos somente online.

“Essas não são universidades fraudulentas, são universidades legítimas que normalmente teriam currículos presenciais, exceto no caso do coronavírus”, disse Theresa Cardinal Brown, diretora de imigração e política transfronteiriça da Centro de Políticas Bipartidárias.

“O problema maior é que alguns desses países têm restrições de viagem e não podem voltar para casa, então o que fazem?” ela adicionou. “É um enigma para muitos estudantes”.

O presidente da Universidade de Harvard, Larry Bacow, disse em comunicado na noite de segunda-feira que “estamos profundamente preocupados com o fato de que as orientações hoje emitidas pela Polícia de Imigração e Alfândega dos EUA impõem uma abordagem brusca e única para um problema complexo que oferece aos estudantes internacionais, particularmente aqueles em programas online, poucas opções além de sair do país ou transferir escolas “.

A orientação, continuou Bacow, “mina a abordagem ponderada adotada em nome dos estudantes por muitas instituições, incluindo Harvard, para planejar programas acadêmicos contínuos, equilibrando os desafios de saúde e segurança da pandemia global”.

“Trabalharemos em estreita colaboração com outras faculdades e universidades de todo o país para traçar um caminho a seguir”, disse ele.

Mais Recentes da CNN