EUA dizem que russos enviam ucranianos para centros de filtragem e para territórios russos

O deslocamento forçado e a violência equivalem a crimes de guerra, disse Michael Carpente, embaixador dos EUA na Organização para Segurança e Cooperação na Europa

Soldados ucranianos na linha de frente na região de Donbass, leste da Ucrânia
Soldados ucranianos na linha de frente na região de Donbass, leste da Ucrânia Diego Herrera Carcedo/Anadolu Agency via Getty Images

Jennifer Hanslerda CNN

Ouvir notícia

Os Estados Unidos disseram que as forças russas enviaram milhares de ucranianos para os chamados “centros de filtragem da Rússia”.

“Esses locais supostamente enviaram dezenas de milhares ucranianos para a Rússia ou algum território controlado por russos”, disse o embaixador dos EUA na Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Michael Carpenter.

O deslocamento forçado e a violência relatada que são enfrentadas por aqueles que estão nos chamados centros de filtragem equivalem a crimes de guerra, disse Carpenter em suas declarações ao Conselho Permanente da OSCE.

“Vários relatos de testemunhas oculares indicam que ‘filtrar’ envolve bater e torturar indivíduos para determinar se eles devem a menor lealdade ao Estado ucraniano”, disse Carpenter nesta quinta-feira (120).

Para contextualizar: uma investigação da CNN em abril revelou que forças russas e soldados separatistas aliados estavam levando moradores de Mariupol para um chamado “centro de filtragem” instalado em Bezimenne, onde foram registrados antes de serem enviados para a Rússia, muitos contra vontade.

O governo ucraniano e as autoridades locais de Mariupol dizem que dezenas de milhares de cidadãos ucranianos foram deportados à força para a República Popular de Donetsk e para a Rússia desde o início da guerra.

“Os sobreviventes deste processo descrevem uma jornada coercitiva e com vários destinos através de vários pontos de ‘filtragem’ no leste da Ucrânia controlado pelos russos e, eventualmente, através da fronteira para a própria Rússia”, observou Carpenter.

“Quem sobreviveu descreve esses centros como acampamentos improvisados ​​compostos de tendas militares ou infraestrutura civil, como escolas ou centros esportivos. Imagens de satélite mostram esses acampamentos em vários locais no sudeste da Ucrânia.”

A Missão dos EUA na OSCE se recusou a discutir as fontes da informação, mas disse estar confiante na avaliação e na escala dos números declarados.

De acordo com Carpenter, as vítimas descreveram um processo de inspeção “invasivo e humilhante” nesses centros.

“Os soldados russos fotografam as vítimas de vários ângulos, coletam as impressões digitais e as examinam fisicamente em busca de tatuagens, inspecionam seus telefones celulares e baixam seus contatos e dados em dispositivos, e registram suas informações biográficas em vários bancos de dados… Em alguns casos, os soldados russos confiscaram passaportes, documentos de identificação e telefones celulares”, avaliou Carpenter.

“Uma vez na Rússia, os sobreviventes relatam que alguns cidadãos ucranianos têm permissão para ficar com amigos e familiares que moram na Rússia, mas que pessoas sem dinheiro ou documentos são colocadas em trens destinados a cidades a centenas de quilômetros de distância, para receberem empregos das autoridades russas”. ele adicionou.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN