Europa: surto de Covid-19 atinge o navio de cruzeiro MSC Grandiosa

A MSC Cruzeiros confirmou que 45 passageiros testaram positivo para Covid-19 e desembarcaram do navio no porto italiano de Gênova, nesta segunda-feira (3)

MSC Grandiosa, atracado em porto na Itália (03.01.2022)
MSC Grandiosa, atracado em porto na Itália (03.01.2022) Luca Zennaro/EPA-EFE/Shutterstock

Francesca Street e Livia Borgheseda CNN

Ouvir notícia

Um dos maiores navios de cruzeiro em operação no Mediterrâneo se tornou o mais recente a ser atingido por um surto da Covid-19 em meio ao atual aumento global de casos do vírus. A MSC Cruzeiros confirmou que 45 passageiros testaram positivo para Covid-19 e desembarcaram do navio MSC Grandiosa no porto italiano de Gênova, nesta segunda-feira (3) – menos de 1% dos passageiros a bordo.

O navio transportava 4.813 passageiros e membros da tripulação em uma viagem de ida e volta de Civitavecchia a Roma, com escalas programadas em Malta e Barcelona durante o Ano Novo.

Todos os membros da tripulação da MSC Cruzeiros e passageiros com mais de 12 anos devem ser totalmente vacinados, enquanto todos os viajantes com 2 anos ou mais devem apresentar um teste negativo antes de embarcar.

Em um comunicado fornecido à CNN, a MSC Cruzeiros negou relatos da mídia italiana sobre um número muito maior de casos positivos de Covid-19 a bordo.

A linha de cruzeiros disse que a identificação e remoção dos passageiros doentes demonstrou que seu protocolo de saúde e segurança – que também inclui o uso de máscaras faciais em áreas públicas internas – estava funcionando. A MSC Cruzeiros disse que os passageiros positivos e seus contatos próximos foram “imediatamente isolados em cabines com varandas”.

“Em linha com o protocolo, organizamos o transporte de volta para casa, tudo feito em alinhamento com as autoridades de saúde e outras autoridades relevantes”, disse o comunicado da MSC Cruzeiros. Os membros da tripulação a bordo do MSC Grandiosa foram testados a cada dois dias, enquanto os passageiros foram testados no início e no meio da viagem.

Os passageiros também foram programados para serem testados no final da viagem. O MSC Grandiosa continuou sua viagem após o desembarque e deve retornar a Roma nesta terça-feira (4).

Cruzeiros e a Covid-19

No verão de 2020 (em junho, considerando o verão na Europa), o MSC Grandiosa foi o primeiro navio de cruzeiro a retornar ao Mediterrâneo após o fechamento global da indústria multibilionária de cruzeiros.

Desde então, os cruzeiros também recomeçaram no mercado dos Estados Unidos, e as empresas de cruzeiros em todo o mundo continuaram a cumprir os requisitos de saúde e segurança a bordo – e atualizaram os regulamentos conforme as condições mudavam.

O objetivo, como porta-voz da Cruise Lines International Association (CLIA), órgão da indústria que representa as principais empresas de cruzeiros marítimos do mundo, disse à CNN Travel em dezembro, não é impedir que o vírus seja totalmente eliminado nos locais, mas controlar seu impacto.

“Reconhecendo que a Covid ainda ocorrerá inevitavelmente devido à natureza da pandemia, nossos membros desenvolveram protocolos que foram projetados para prevenir, detectar e mitigar a Covid-19 em um ambiente de cruzeiro”, disse o porta-voz da CLIA.

As empresas de cruzeiros também esperavam evitar o caos que se seguiu na primavera de 2020, quando os navios infectados pelo vírus foram impedidos de deixar os portos.

No entanto, após uma série de casos positivos a bordo de cruzeiros globais nas últimas semanas, alguns navios infectados por vírus tiveram a entrada proibida nos portos – como o navio Carnival Freedom, que a Carnival Cruise Line confirmou ter sido rejeitado nas ilhas caribenhas de Bonaire e Aruba em dezembro.

E em 30 de dezembro, os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças aumentaram o nível de risco para viagens de navios de cruzeiro ao seu nível mais alto e disseram que deveriam ser evitados, independentemente da situação de vacinação.

A mudança “reflete o aumento de casos a bordo de navios de cruzeiro desde a identificação da variante Ômicron”, diz o site do CDC.

“Desde a identificação da variante Ômicron, houve um aumento no número de casos Covid-19 entre os passageiros e tripulantes de cruzeiros relatados ao CDC. Além disso, houve um aumento no número de navios de cruzeiro atendendo ao caso Covid-19 limite para investigação do CDC “, disse a agência.

A CLIA expressou desapontamento com o elevado nível de risco determinado aos cruzeiros pelo CDC.

“A decisão do CDC de elevar o nível de viagens em cruzeiros é particularmente desconcertante, considerando que os casos identificados em navios de cruzeiro consistem em uma pequena minoria da população total a bordo – muito menos do que em terra – e a maioria desses casos são assintomáticos ou de natureza moderada, representando pouco ou nenhum ônus para os recursos médicos a bordo ou em terra”, disse o órgão da indústria em um comunicado na semana passada.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN