Ex-policial indiciado pela morte de George Floyd é solto por US$ 1 milhão

Derek Chauvin não pode mais trabalhar na polícia e nem portar armas

Nathan Layne e Chizu Nomiyama,

da Reuters

Ouvir notícia

Derek Chauvin, ex-policial de Minneapolis, indiciado pelo assassinato de George Floyd, foi libertado de uma unidade prisional depois de pagar uma fiança de um milhão de dólares, de acordo com registros dos tribunais.

Chauvin foi processado pelos crimes de homicídio em segundo e em terceiro grau e homicídio culposo — quando não há intenção de matar — de George Floyd, ocorrido no dia 25 de maio, em Minneapolis, no qual ele passou quase nove minutos ajoelhado no pescoço da vítima. O episódio provocou protestos em todo o país sobre violência policial e racismo.

A fiança de Chauvin havia sido estabelecida no valor de 1,25 milhões de dólares sem condicional, ou 1 milhão de dólares com condicional.

Leia também:
Câmara de Minneapolis (EUA) renomeará cruzamento em homenagem a George Floyd
Caso Breonna Taylor: o que se sabe até agora sobre a mulher negra morta nos EUA

Ele foi liberado do regime fechado, mas permanece em liberdade condicional, de acordo com um documento enviado pelo xerife do condado para o Tribunal Distrital do Condado de Hannepin. Os registros do tribunal mostram que Chauvin pagou uma fiança não monetária, assegurada pela seguradora Allegheny.

As restrições que foram estabelecidas na sua liberação incluem a proibição de trabalhar em entidades de proteção da lei e de estabelecer qualquer contato com a família de Floyd. Chauvin também foi obrigado a abrir mão de qualquer licença ou permissão de porte de armas.

Derek Chauvin preso

Ex-policial Derek Chauvin na prisão

Foto: REUTERS

Mais Recentes da CNN