Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ex-vice de Trump testemunha sobre invasão ao Capitólio

    Mike Pence prestou depoimento ao grande júri federal que investiga o ex-presidente e seu provável envolvimento na tentativa de golpe de estado em 6 de janeiro de 2021

    Katelyn PolantzDevan Coleda CNN

    O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, testemunhou nesta quinta-feira (27) a um grande júri federal que investiga as consequências da eleição de 2020 e as ações do então presidente Donald Trump e outros, disseram fontes familiarizadas com o assunto à CNN.

    O testemunho marca um momento importante na investigação criminal e a primeira vez na história moderna que um vice-presidente foi obrigado a testemunhar sobre o presidente ao lado do qual serviu.

    Pence testemunhou por mais de cinco horas, disse uma fonte familiarizada com o assunto à CNN, e embora o conselheiro Marc Short não tenha confirmado o comparecimento na quinta-feira, ele abordou as idas e vindas legais sobre o testemunho.

    “Acho que o vice-presidente, sabe, tinha seu próprio caso baseado na Cláusula de Discurso e Debate. Ele ficou satisfeito porque, pela primeira vez, um juiz reconheceu que se aplicava ao vice-presidente dos Estados Unidos”, disse Short em entrevista ao NewsNation posteriormente. “Mas ele estava disposto a cumprir a lei, e os tribunais o ordenaram a testemunhar.”

    Pence estava prestes a recontar pela primeira vez sob juramento suas conversas diretas com Trump até 6 de janeiro de 2021. Trump o pressionou repetidamente, sem sucesso, para bloquear o resultado da eleição de 2020, incluindo a manhã de 6 de janeiro em um telefonema privado. Um juiz federal decidiu anteriormente que Pence poderia ser obrigado a recontar conversas que os dois homens tiveram em que Trump pode ter agido de forma corrupta.

    A reunião de Pence com os investigadores ocorre enquanto ele explora um possível desafio a Trump para a indicação presidencial republicana em 2024, com seu testemunho provavelmente provocando uma forte reação negativa de seu ex-chefe.

    Como parte de suas aparições políticas e de uma recente turnê do livro, Pence frequentemente fala sobre se recusar a cumprir as ordens de Trump em 6 de janeiro e, em vez disso, seguir a Constituição. Mas ele evitou falar sob juramento como parte de qualquer investigação.

    O grande júri em Washington, cujos procedimentos são secretos, reuniu-se pouco antes das 9h do horário local (10h em Brasília) nesta quinta-feira. Isso coincidiu com um aumento na segurança dentro do tribunal e dois SUVs com vidros escuros foram flagrados transportando pessoas para o prédio.

    Um porta-voz do escritório do procurador especial Jack Smith e um porta-voz de Pence se recusaram a comentar na quinta-feira.

    Batalha judicial

    A investigação de Smith sobre os esforços de Trump para bloquear o resultado da eleição há muito procura questionar Pence sob juramento, devido à sua proximidade com Trump na Casa Branca.

    Tanto Pence quanto Trump foram ao tribunal para adiar sua intimação sem precedentes. Mas os juízes de julgamento e apelação ordenaram que Pence testemunhasse sobre suas conversas diretas com o então presidente – decisões que estavam de acordo com várias outras que os tribunais lidaram com Trump enquanto ele tentava impedir que altos funcionários de seu governo testemunhassem.

    Apoiadores de Donald Trump durante invasão ao Capitólio norte-americano em Washington / 06/01/2021 REUTERS/Leah MillisA última decisão – do Tribunal de Apelações do Circuito de Washington, que se recusou a dar ajuda de emergência a Trump – veio na noite de quarta-feira.

    O caso colocou Pence em uma posição única para definir os poderes de seu antigo cargo – e o tribunal até deu ao ex-vice-presidente a capacidade de manter fora de processos criminais suas ações enquanto ele servia como presidente do Senado em 6 de janeiro. Ainda assim, muito do que a equipe de Smith parece estar interessada seria atingível pelo grande júri.

    A comunicação de Pence e Trump antes de 6 de janeiro

    As conversas de Trump com Pence e sobre Pence nos dias anteriores ao motim no Capitólio dos EUA foram de grande interesse para os investigadores que investigam o ataque.

    Embora Pence tenha se recusado a testemunhar perante o comitê seleto da Câmara que investigou a insurreição, pessoas próximas a Trump contaram ao comitê sobre um telefonema acalorado que ele teve com Pence no dia do ataque, no qual ele lançou insultos contra seu vice-presidente. Pence e Trump não falaram durante o ataque ao próprio Capitólio, no qual muitos dos apoiadores de Trump o procuraram com raiva, e Pence escapou por pouco da multidão que se dirigia ao plenário do Senado.

    Muito do que se sabe sobre as comunicações de Trump com Pence que antecederam a insurreição veio de um livro de memórias que o ex-vice-presidente publicou no ano passado, bem como de pessoas que testemunharam na investigação da Câmara sobre o ataque.

    Nicholas Luna, ex-assistente especial de Trump, disse que se lembra de Trump ter chamado Pence de “covarde”. Luna disse que se lembra de algo como Trump dizendo: “Tomei a decisão errada há quatro ou cinco anos”.

    E Julie Radford, ex-chefe de gabinete de Ivanka Trump, disse que se lembra de Ivanka Trump dizendo a ela que “seu pai tinha acabado de ter uma conversa perturbadora com o vice-presidente”.

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump / 04/04/2023 REUTERS/Marco Bello

    Radford disse que foi informada de que Trump chamou Pence de “a palavra com P”, referindo-se a um termo depreciativo em inglês.

    Da parte de Pence, muitos de seus comentários públicos sobre suas conversas com Trump nos dias anteriores e posteriores à insurreição foram divulgados em suas memórias.

    No livro, Pence escreveu que Trump disse a ele nos dias anteriores ao ataque que inspiraria o ódio de centenas de milhares de pessoas porque era “honesto demais” para tentar anular os resultados das eleições de 2020.

    O ex-vice-presidente também disse no livro que pediu a seu conselheiro geral um briefing sobre os procedimentos da Lei de Contagem Eleitoral depois que Trump em um telefonema de 5 de dezembro “mencionou contestar os resultados das eleições na Câmara dos Representantes pela primeira vez.”

    Durante o almoço em 21 de dezembro, escreveu Pence, ele tentou convencer Trump a ouvir o conselho da equipe de advogados da Casa Branca, em vez de advogados externos, uma sugestão que o então presidente rejeitou.

    E Pence escreveu que Trump disse a ele em um telefonema no dia de Ano Novo: “Você é honesto demais”, prevendo que “centenas de milhares vão odiar você” e “as pessoas vão pensar que você é estúpido”.

    “Senhor. Presidente, não questiono que houve irregularidades e fraudes”, escreveu Pence que disse a Trump. “É apenas uma questão de quem decide e, segundo a lei, é o Congresso.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original